Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

A exclusividade do queixo no Homo sapiens

Por José María Bermúdez de Castro, do Reflexiones de un Primata

kirk

O queixo é, aparentemente, uma característica anatômica única de nossa espécie. Nós presumimos esta circunstância, embora não haja consenso sobre as possíveis vantagens adaptativas de ter um perfil muito particular. Nós tendemos a apoiar a mão inteira ou apenas o dedo indicador e o polegar no queixo, adotando uma pose pensativa ou intelectual. Pode ser uma pose deliberada ou inconscientemente fazemos, simplesmente porque nossa anatomia permite.

A morfologia do osso do queixo é muitas vezes mais complexa em homens, e nosso queixo adota um aspecto robusto com o rosto mais acentuado de recursos. Por outro lado, o queixo de mulheres tende a ter uma morfologia mais graciosa. Como resultado, o queixo e rosto cheio geralmente mostra um olhar mais delicado. Claro que, como é bem sabido, existe uma grande variabilidade dentro do mesmo sexo, a mesma população e entre populações diferentes do planeta.

No cânone de beleza do perfil de homens e mulheres o queixo desempenha um papel muito importante. Um queixo pouco desenvolvido encurta a parte inferior da mandíbula, o que pode contrastar com o resto da face. Por outro lado, um queixo excessivamente proeminente, pode desfigurar o rosto equilibrado nas outras regiões anatômicas. A cirurgia plástica é usada muitas vezes para corrigir esses desequilíbrios e, por sua vez, aumenta a auto-estima daqueles que sofrem.

mandibula
A mais antiga mandíbula Europeia

Talvez menos conhecido, o esboço do queixo no gênero Homo surgiu cerca de dois milhões de anos. As mais antiga maxilas do nosso gênero apresentam uma determinada saliência, que é considerada como o início do futuro queixo. Este é o caso da mandíbula europeia mais antiga, encontrada no sítio Sima del Elefante na serra de Atapuerca, cuja idade é estimada em 1,2 milhões de anos.

Então por que estamos sempre dizendo que os nossos antepassados ​​não tinham queixo? A explicação é simples. O Osso alveolar que suporta as raízes de incisivos e caninos são bem desenvolvidos no Homo erectus e outras espécies do gênero Homo, projetando a região da mandíbula para a frente. Esta circunstância esconde um pouco a existência do esboço de queixo, que já contava com nossos ancestrais há milhares de anos. Homo sapiens retraiu o osso alveolar, enquanto a coroa e raiz de incisivos e caninos tem tamanho reduzido. O queixo, no entanto, tornou-se cada vez mais pronunciado até a situação atual.

E, assim, não faz mal a ninguém, se nosso queixo é bem proporcionado, pode gabar-se de um bom perfil. Porém, o Homo erectus pode pensar de forma diferente e se assustar se eles pudessem ver essa proeminência horrível que temos no queixo.

FONTE: http://reflexiones-de-un-primate.blogs.quo.es/2013/06/04/tenemos-la-exclusiva-del-menton/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 07/06/2013 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: