Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Conheça as Múmias de Salta

Adaptado de The New York Times, por Denise Grady, 2007

Duas das crianças encontradas no cume do Llullaillaco, a donzela e o menino.

Duas das crianças encontradas no cume do Llullaillaco, a donzela e o menino, junto com seus artefatos.

SALTA, Argentina – A donzela, o menino, a menina do relâmpago: eram três crianças incas, sepultadas em uma montanha sombria e gelada há 500 anos como um sacrifício religioso.

Descobertos em 1999 no cume de 7 mil metros do Monte Llullaillaco, um vulcão perto da fronteira com o Chile, seus corpos congelados estão entre as múmias mais bem preservadas já encontradas, com órgãos internos intactos, sangue ainda presente no coração e nos pulmões, pele e características faciais praticamente intactos. Nenhum esforço especial foi feito para preservá-los. O frio e o ar seco e ralo fez todo o trabalho. Eles congelaram até a morte enquanto dormiam, e 500 anos depois ainda parecem crianças dormindo, e não múmias.

A Donzela, que tinha 15 anos no momento de sua morte por ritual de sacrifício.

A Donzela, que tinha 15 anos no momento de sua morte por ritual de sacrifício.

Nos oito anos desde a descoberta, as múmias, conhecidas simplesmente como Los Niños ou “as crianças”, foram fotografadas, radiografadas, digitalizadas e submetidas a biópsia para coleta de DNA. O pano, cerâmica e estatuetas exumados com eles foram meticulosamente descongelados e preservados. Mas os próprios corpos foram mantidos em freezers e nunca mostrados ao público – até 2007, quando La Doncella, a donzela, uma menina de 15 anos de idade, foi exibida pela primeira vez, no Museu de Arqueologia de Alta Montana, que foi criado em Salta especialmente para exibi-los.

Cientistas examinam a Donzela, a mais velha das três crianças incas descobertas nos Andes. As múmias são extraordinariamente bem preservadas.

Cientistas examinam a Donzela, a mais velha das três crianças incas descobertas nos Andes. As múmias são extraordinariamente bem preservadas.

Agora uma cidade de 500.000 habitantes e a capital provincial, Salta era parte do Império Inca até o ano de 1500, quando foi invadido pelos conquistadores espanhóis.

As crianças foram sacrificadas como parte de um ritual religioso, conhecido como capacocha. Elas caminharam por centenas de quilômetros para cerimônias em Cuzco e foram levadas até o cume do Llullaillaco (yoo-yeye-YAH-co), onde as deram chicha (bebida feita de milho), e, uma vez adormecidas, colocadas em nichos subterrâneos, onde congelaram até a morte. Apenas crianças bonitas, saudáveis, e fisicamente perfeitas eram sacrificadas, sendo considerado uma honra ser escolhida. De acordo com as crenças incas, as crianças não morriam, mas se juntavam a seus antepassados ​​e vigiavam suas aldeias a partir das montanhas como anjos.

O menino de Lullaillaco. Por suas roupas elaboradas, cientistas inferiram que o garoto de 7 anos de idade fazia parte da nobreza inca.

O menino de Llullaillaco. Por suas roupas elaboradas, cientistas inferiram que o garoto de 7 anos de idade fazia parte da nobreza inca.

A sala que exibia La Doncella era pouco iluminada, e a própria caixa que a abrigava era em si escura, os visitantes deveriam ligar uma luz para vê-la.

“Isso foi importante para nós”, disse o Dr. Miremont, diretor do museu. “Se você não quer ver um cadáver, não aperte o botão. A decisão é sua. Você ainda pode ver as outras partes da exposição.”

Ele projetou a iluminação em parte na esperança de evitar ofensas a pessoas que acham preocupante que as crianças, sendo parte de um ritual religioso, tenham sido retiradas do santuário na montanha.

A Donzela sendo exibida em um contêiner de acrílico, mantido a baixa temperatura.

A Donzela sendo exibida em um contêiner de acrílico, mantido a baixa temperatura.

Seja qual for a intenção, o efeito é impressionante. Em um toque de botão, ela parecia se materializar a partir da escuridão, sentada de pernas cruzadas em seu vestido marrom e sandálias listradas, pedaços de folha de coca ainda grudadas ao seu lábio superior, seu cabelo longo, tecido em muitas tranças finas, um vinco em sua bochecha onde encostou seu xale enquanto dormia.

Os corpos pareciam tanto com crianças dormindo que trabalhar com eles foi “quase mais como um seqüestro que como um trabalho arqueológico”, disse Dr. Miremont.

Uma das crianças, uma menina de 6 anos de idade, tinha sido atingida por um relâmpago algum tempo depois que morreu, resultando em queimaduras no rosto, parte superior do corpo e roupas. Ela e o menino, que tinha 7 anos, tinham crânios levemente alongados, criados deliberadamente com o enrolamento de tecidos na cabeça – um sinal de status social elevado, possivelmente até de realeza.

A menina de 6 anos de idade foi atingida por um raio, algum tempo depois de sua morte. Foto de Johan Reinhard.

A menina de 6 anos de idade ainda no local onde foi encontrada. Ela foi atingida por um raio, algum tempo depois de sua morte. Foto de Johan Reinhard.

A menina do relâmpago, de 6 anos de idade.

A menina do relâmpago, de 6 anos de idade.

Cientistas trabalharam com os corpos em laboratório especial, onde a temperatura poderia ser mantida bem baixa, e as múmias nunca foram expostas a temperaturas mais altas durante mais de 20 minutos por vez, para evitar o descongelamento.

Testes de DNA revelaram que as crianças não eram relacionadas, e tomografias mostraram que estavam bem nutridas e não tinham ossos quebrados ou outros ferimentos. La Doncella aparentemente tinha sinusite, bem como uma doença pulmonar chamada bronquiolite obliterante, possivelmente o resultado de uma infecção.

“Há dois lados”, disse o Dr. Miremont. “O científico – podemos ler o passado das múmias e os objetos. O outro lado diz que essas pessoas vieram de uma cultura que ainda está viva, e de um lugar sagrado na montanha.”

Alguns consideram o lugar da exposição como uma igreja, disse Dr. Miremont.

“Para mim, é um museu, não é um lugar sagrado”, disse ele. “O lugar sagrado é no topo da montanha.”

Estatueta masculina deixada na tumba do menino mumificado. A face de ouro mostra que ele tinha alto status social.

Estatueta masculina deixada na tumba do menino mumificado. A face de ouro mostra que ele tinha alto status social.

As montanhas ao redor de Salta abrigam pelo menos outros 40 locais de sepultamento de rituais de sacrifícios, mas o Dr. Miremont disse que os povos nativos que vivem nessas regiões não querem mais corpos retirados.

“Vamos respeitar os seus desejos”, Dr. Miremont disse, acrescentando que três múmias foram suficientes. “Não é necessário violar mais nenhuma sepultura. Gostaríamos de ter boas relações com os povos indígenas.”

Fonte: NY Times

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 14/06/2013 por em Reportagens e marcado , , , .
%d blogueiros gostam disto: