Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Paleoantropologia e Arqueologia Sensorial: Mudanças na capacidade auditiva na evolução humana

Por Zoe Cormier, da Revista Nature

Um estudo de dois hominíneos antigos da África do Sul sugere que as alterações na forma e tamanho do ouvido médio ocorreu no início da nossa evolução. Tais alterações poderiam ter mudado profundamente o que os nossos antepassados ​​podiam ouvir – e, talvez, como eles poderiam se comunicar.

O Paleoantropólogo Rolf Quam, da Universidade de Binghamton, em Nova York, e seus colegas recuperarM e analisaram um conjunto completo dos três ossos do ouvido médio, ou pequenos ossículos, a partir de uma amostra de 1,8 milhão de anos atrás de Paranthropus robustus, e um conjunto incompleto de ossículos de Australopithecus africanus, que viveu entre 3,3 milhões a 2,1 milhões de anos atrás. Os ossículos são os menores ossos do corpo humano, e raramente são preservados intactos em hominídeos fósseis.

Em ambas as amostras, a equipe descobriu que o martelo (o primeiro na cadeia de três ossos do ouvido médio) era semelhante ao humano – em menor proporção em comparação com os de nossos parentes primatas. Seu tamanho também implicaria um tímpano menor. A semelhança entre os dois pontos de espécies a uma “origem profunda e antiga” desse recurso, diz Quam. “Isso poderia ser como o bipedismo: a característica definidora dos hominídeos“.

 

Eco do passado
É difícil extrair conclusões sobre deficiências apenas a partir da forma dos ossos do ouvido médio, porque o processo envolve muitas  estruturas diferentes da orelha, bem como o próprio cérebro. No entanto, alguns estudos têm mostrado que os tamanhos relativos dos ossos do ouvido médio não afetam o que os primatas podem ouvir. Comparações genômicas com gorilas têm indicado que as mudanças nos genes que codificam essas estruturas também podem delimitar os seres humanos a partir dos primatas.

Callum Ross, um morfologista evolucionista da Universidade de Chicago, em Illinois, diz que a descoberta destes ossículos foi “um passo na direção certa para a compreensão da audição humana“. No entanto, diz que está “desapontado” pelos resultados, especialmente tendo em conta que o sua própria pesquisa revelou que as diferenças na forma e tamanho do ouvido externo tem uma maior influência sobre as sensibilidades auditivas de primatas do que as dimensões dos ossos do ouvido médio.

Ross também diz que as mudanças no aparelho de audição não são susceptíveis de ter tido tanto impacto sobre a cognição humana como as outras alterações morfológicas que nossos antepassados ​​experimentaram. “As mudanças verdadeiramente importantes estão em bipedalismo, o aparelho de alimentação e, em última análise, o tamanho do cérebro“, diz ele.

Mas Quam está confiante que a sua equipe vai, em breve, demonstrar a importância das mudanças nos ossículos. “Nós estamos indo para tentar reconstruir as capacidades de audição dessas mesmas amostras: então seremos capazes de dizer algo sobre sua ecologia sensorial“, diz ele.

Fonte: http://www.nature.com/news/hearing-changes-could-be-ancient-in-the-human-line-1.12976

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 14/05/2013 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: