Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Evidências de caça e carniçaria por Hominídeos no Olduvaiense

 

43231112

A partir de cerca de dois milhões de anos atrás, os primeiros produtores de instrumentos,  conhecidos do período Olduvaiense, começaram a apresentar uma série de adaptações fisiológicas e ecológicas que exigiam maiores gastos de energia diárias, incluindo um aumento no cérebro e no tamanho do corpo, mais pesado investimento em sua prole e expansão significativa do alcance humano. Demonstrando como estes primeiros seres humanos adquiriram a energia extra que precisava para sustentar essas mudanças tem sido o assunto de muito debate entre os pesquisadores.

Um estudo recente conduzido por José Ferraro, Ph.D., professor assistente de antropologia na Baylor, oferece uma nova visão neste debate com uma riqueza de evidências arqueológicas dos dois milhões de anos de idade, no sítio arqueológico de Kanjera Sul (KJS), no Quênia. As conclusões do estudo foram publicados recentemente na revista PLoS One,

LINK PARA O ARTIGO: http://www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0062174

Considerado no total, este estudo fornece importantes evidências arqueológicas recentes para consumo de carne, caça e de adaptações de comportamentos que provavelmente facilitaram a expansão do cérebro na evolução humana, o movimento de hominídeos da África e na Eurásia, assim como mudanças importantes na nossa vida social comportamento, anatomia e fisiologia“, afirmou Ferraro.

Localizado nas margens do Lago Victoria, KJS contém “três bem conservadas, grandes, estratificadas” camadas de restos de animais. A equipe de pesquisa trabalhou no local por mais de uma década, recuperando milhares de ossos de animais e ferramentas de pedra rudimentares.

Segundo os pesquisadores, hominídeos no KJS conheceram suas novas necessidades de energia através de uma dependência crescente de comer carne. Especificamente, o registro arqueológico apresenta que em KJS  hominídeos adquiriram uma abundância nutritiva de animais através de uma combinação de ambos caça e comportamentos de carniçaria. O site KJS é a mais antiga evidência arqueológica conhecida destes comportamentos.

Nosso estudo ajuda a resolver o debate “caçadores x carniceiros” na arqueologia paleolítica. O registro no KJS mostra que não é um caso de um ou outro para hominídeos do Olduvaiense há dois milhões de anos. Em vez disso os hominídeos no KJS estavam fazendo claramente ambos“, disse Ferraro.

A evidência fóssil para a caça em hominídeos é particularmente atraente. O registro mostra que hominídeos Olduvaienses adquiriram e massacraram inúmeras carcaças de antílopes pequenos. Estes animais estão bem representados no sítio, a maioria ou todos os ossos do topo de sua cabeça até as pontas de seus cascos, indicando aos pesquisadores que foram transportados para o local como carcaças inteiras.

Muitos dos ossos também mostram evidências de marcas de cortes feitas quando hominídeos usavam ferramentas de pedra simples para remover a carne animal. Alguns ossos também têm evidências de que hominídeos utilizaram pedras do tamanho de punhos para quebrá-las para chegar à medula óssea.

Além disso, estudos modernos do Serengeti, um ambiente semelhante ao KJS há dois milhões  de anos atrás, mostraram que os predadores devoram completamente antílopes deste tamanho poucos minutos após suas mortes. Como resultado, os hominídeos só poderiam ter adquirido esses restos valiosos na savana através da caça ativa.

O sítio também contém um grande número de cabeças isoladas de antílopes de grande porte. Em contraste com carcaças de pequenos antílopes, as cabeças desses animais um pouco maiores podem ser consumidos vários dias após a morte e podem ser carniçados, pois mesmo os maiores predadores da África, como leões e hienas não foram capazes de quebrá-las para acessar seus cérebros ricos em nutrientes.

Hominídeos empunhando ferramentas no KJS, por outro lado, poderiam acessar este tecido e, provavelmente, fizeram isso por carniçaria dessas cabeças depois que os caçadores não-humanos iniciais já tinham consumido o resto da carcaça“, afirmou Ferraro. “Os hominídoes do KJS não só carniçavam essas cabeças, eles também transportaram por alguma distância até o sítio arqueológico antes de quebrá-los, abriindo e consumindo os cérebros. Isto é importante porque fornece a primeira evidência arqueológica deste tipo de comportamento de transporte de recursos na linhagem humana.”

Outros autores que contribuíram para o estudo incluem: Thomas W. Plummer do Queens College & NYCEP; Briana L. Pobiner do National Museum of Natural History, Smithsonian Institution; James S. Oliver do Illinois State Museum and Liverpool John Moores University; Laura C. Bishop do Liverpool John Moores University; David R. Braun da George Washington University; Peter W. Ditchfield da  University of Oxford; John W. Seaman III , Katie M. Binetti and John W. Seaman Jr. da Baylor University; Fritz Hertel da California State University; e Richard Potts do National Museum of Natural History, Smithsonian Institution e National Museums of Kenya.

A pesquisa foi apoiada pelo financiamento da National Science Foundation, Leakey Foundation, Wenner-Gren Foundation, National Geographic Society, The Leverhulme Trust, University of California, Baylor University e a  City University of New York.. Apoio logístico adicional foi fornecido pelo  Smithsonian Institution’s Human Origins Program e pela Peter Buck Fund for Human Origins Research, pela British Institute of Eastern Africa e National Museums of Kenya.

FONTE: http://www.heritagedaily.com/2013/05/baylor-university-researcher-finds-earliest-archaeological-evidence-of-human-ancestors-hunting-and-scavenging/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 15/05/2013 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: