Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

O problema de trazer de volta a vida animais extintos: Clonagem de Mamutes

Would-it-be-wrong-to-clone-a-wooly-mammoth-and-generate-a-living-specimen-

A apresentadora de TV e professora Alice Roberts argumenta que as pessoas devem “lidar com” a questão de trazer os animais da Idade do Gelo de volta dos mortos.

Estamos, muito a sério, a ponto de ser capaz de fazer isso, por isso é uma questão muito importante que as pessoas começarem a se acostumar com isso“, ela disse à Radio Times.

Cientistas japoneses já extraíram  medula óssea de vestígios de mamute encontrado na Sibéria procurando por DNA, a fim de ressuscitar um mamute“, disse ela.

Isto está ao nosso alcance, o que é uma coisa tão extraordinária de se pensar.”

O anatomista clínico e professor de engajamento público em ciência na Universidade de Birmingham, disse: “É, basicamente, usando a mesma tecnologia que já foi usada para a clonagem. Há algo muito questionável em trazer de volta um único mamute. Mamutes são animais de rebanho e seu ambiente não existe mais, então pra que trazer o animal de volta? Você está trazendo de volta a vida em um zoológico? Acho que a ética é muito questionável. As pessoas têm falado sobre repovoamento da Sibéria com mamutes no sentido de que, como os elefantes, eles são uma espécie chave que são realmente importantes para a criação e manutenção de um determinado tipo de ambiente através da maneira de cavar o solo e fertilizar a terra com a sua esterco. Pessoalmente, eu preferiria a ênfase a ser em salvar animais existentes sob ameaça de extinção, ao invés de tentar ressuscitar seus primos há muito extintas.”

Cientistas se reuniram para discutir a revitalização de criaturas que não percorriam a Terra há milhares de anos, em março deste ano.

Em cenas similares a Jurassic Park, os cientistas aprenderam a isolar o DNA e as proteínas a partir de fósseis e restos preservados.

Hendrik Poinar, geneticista evolutivo molecular e bioantropólogo, no Centro de DNA Antigo na Universidade McMaster, em Ontário, é parte de uma equipe que tenta clonar um mamute lanoso e gerar um espécime vivo.

Sua equipe está fazendo experiências com amostras bem preservadas de carcaças de mamute que tinham sido sepultados no permafrost, preservando o DNA.

No entanto, Roberts enfatizou: “É muito importante que os cientistas não se isolem em seus laboratórios a trabalhar sobre estas coisas – há grandes questões éticas envolvidas e é uma conversa que todos devem ter.”

O clone de mamute não seria uma réplica exata do animal antigo, mas sim um híbrido entre o parente vivo mais próximo do mamute – o elefante asiático.

Nós podemos, em teoria, modificar os cromossomos existentes com o que nós imaginamos ser substituições do mamute“, disse Poinar, falando à National Geographic News.

O híbrido poderia, teoricamente, ser implantados no útero de um elefante da mãe e produzir “um mamute ao olho de quem vê“, disse Poinar.

Outra equipe de cientistas recentemente inseriu o material genético preservado de um anfíbio extinto nos óvulos doados de uma outra espécie de sapo viva, revivendo uma antiga espécie que se pensava desaparecida para sempre.

Enquanto muitos cientistas argumentam que seria impossível trazer uma espécie de volta dos mortos, as descobertas recentes sugerem que o renascimento da espécie extinta não está mais apenas nas esferas da ficção científica.

FONTE: Express

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 15/05/2013 por em Reportagens.

Siga-nos no Facebook, e acesse mais conteúdo

Siga-nos no Twitter

%d blogueiros gostam disto: