Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Entrevista com Chris Stringer: As últimas descobertas sobre a evolução humana

 

Entrevista realizada por Laura Mears, do http://www.howitworksdaily.com

Interview: Chris Stringer

How It Works: Primeiro, você poderia nos dizer por que você decidiu escrever The Origin Of Our Species?
Chris Stringer: Na verdade, eu decidi escrevê-lo cerca de três anos atrás, já que havia uma grande quantidade de novos desenvolvimentos na evolução humana e eu queria explorá-los. Eu também queria reunir diferentes abordagens, você precisa da arqueologia, das evidencias ambientais, dos métodos de datação, das evidências genéticas, etc, [para obter uma imagem completa].

HIW: O quão robusta é a teoria do “Out of Africa” hoje?
CS: Eu acho que os anos oitenta foi um momento de turbulência, onde não estava claro o que eram as nossas origens. Pelo contrário, eu diria que foi por volta de 2000, quando a nossa visão dominante era aquela que teríamos uma única origem na África. Nos últimos 10-12 anos, temos visto em alguns aspectos, uma confirmação de um padrão à medida que mais dados foram coletados, mas também que é muito mais complicado; não é simplesmente uma origem Africana. Nós claramente temos DNA fora da África vindo de neandertais e mesmo que você ou eu teremos 2~2,5% desse DNA, enquanto que, se você fosse da Austrália ou da Nova Guiné você teria DNA das pessoas de Denisova. Assim, a história agora é “sobretudo fora da África”, mas não inteiramente.

HIW: Falando de Denisova, por que ele está causando tanto rebuliço no campo da evolução humana?
CS: Bem, ninguém sabia sobre eles até os últimos dois anos, além de algumas pessoas que sabiam sobre esta caverna na Sibéria chamada Denisova. Mas, em seguida, tivemos uma extração de DNA a partir de um osso de dedo e um dente, que foi publicado, e sugeriu que esta era uma forma humana distinta; não era humano moderno, nem um Neanderthal, mas um antigo humano que – por falta de um nome da espécie , o que não é – foi chamado de ‘Homem de Denisova’ depois da caverna.
Então essa foi a primeira etapa, mas assim que eu estava terminando meu livro, a Nature publicou que os cientistas agora tem a maior parte do genoma de Denisova já sequenciado e descobriu-se que ele era, na verdade, de um certo modo, mais estreitamente relacionado com os neandertais do que com os seres humanos modernos. Foi, talvez, um desdobramento da linha do Neanderthal – ou você pode pegar o outro ponto de vista – de que os neandertais eram uma ramificação da linha de Denisova. Portanto, o argumento foi que teve, então, uma separação tripartida dos seres humanos cerca de 500.000 anos atrás, em vez de uma de duas vias de divisão.

HIW: Qual a relação que o ser humano moderno têm com o Neandertal e o Denisova?
CS: Na minha opinião, eles evoluíram separadamente por cerca de 100 mil anos e, em seguida, cerca de 60.000 anos atrás, um pequeno grupo de humanos modernos saíram da África para o Oriente Médio. A partir disso, estima-se que houve alguma miscigenação com os neandertais, provavelmente no Oriente Médio, e é aí que o DNA neandertal foi pego. Em seguida, os humanos modernos começaram a se espalhar em todas as direções, para leste para a China e Austrália, e para o oeste para a Europa.
O único lugar onde temos qualquer evidência sólida de interação vem da Europa e Ásia ocidental. Achamos que os grupos devem ter se sobreposto por 10.000-20.000 anos até que os neandertais desapareceram cerca de 30.000 anos atrás. Claro, a grande questão é: por que morreram, e foram os seres humanos modernos responsáveis? Eu acho que os velhos pontos de vista foram bastante polarizados. Havia a ideia de que, basicamente, nos misturamos com eles e a outra visão onde os substituímos completamente. Hoje eu acho que a visão é mais que fizemos substituí-los, mas não totalmente, havia um pouco de cruzamento. Por que morrem fisicamente? Provavelmente é uma combinação de fatores: a guerra, a doença, as alterações climáticas, o uso de ferramentas e muito mais.

HIW: O que podemos esperar de investigação futura?
CS: Em termos de um  grande cenário de nossas origens, eu acho que os dados genéticos sugerem que podemos esperar mais revelações. Por exemplo, foi somente nos últimos dois anos que descobrimos o que o Homem de Denisova era! O mesmo é aconteceu para as espécies de ‘hobbit‘ na ilha das Flores [na Indonésia], que só se descobriu há dez anos.
Então eu acho que nós temos que estar conscientes de que haverá áreas onde temos grandes lacunas nas provas. Mas em termos de consubstanciar as principais pedaços da história, temos um monte de dados muito bons em muitas regiões, mas precisamos começar a preencher os dados para as áreas entre eles.

 

O novo livro de Chris Stringer The Origin Of Our Species já está disponível. Para mais informações, visite www.penguin.co.uk.

 

Fonte: http://www.howitworksdaily.com/interviews/interview-chris-stringer/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 17/05/2013 por em Entrevista.
%d blogueiros gostam disto: