Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Moedas datadas de 1.000 anos atrás podem reescrever a história da Austrália

Cinco moedas de cobre e um mapa de quase 70 anos de idade, com um” X’,’ pode levar a uma descoberta que pode reescrever história da Austrália.

File:Australia discoveries by Europeans before 1813 en.png

O cientista australiano Ian McIntosh, atualmente professor de antropologia da Universidade de Indiana nos EUA, planeja uma expedição em julho que tem mexido com a comunidade arqueológica. O cientista quer revisitar o local onde cinco moedas foram encontradas, no Território do Norte, em 1944, que provaram ter 1000 anos de idade, abrindo a possibilidade de que os marinheiros de países distantes podem ter desembarcado na Austrália muito mais cedo do que o que se acreditava.

Em 1944, durante a Segunda Guerra Mundial, depois de bombardeiros japoneses atacarem Darwin dois anos antes, as Ilhas Wessel – um grupo de ilhas desabitadas da costa norte da Austrália – tornou-se numa posição estratégica para ajudar a proteger o continente. O soldado australiano Maurie Isenberg estava estacionado em uma das ilhas para comandar uma estação de radar e passou seu tempo livre a pesca nas praias idílicas. Ao sentar-se na areia com sua vara de pescar, ele descobriu um punhado de moedas na areia. Ele não tinha a menor ideia de onde poderiam ter vindo, mas as guardou de qualquer maneira e depois colocou-os em uma lata. Em 1979, ele redescobriu o seu tesouro e decidiu enviar as moedas para um museu para serem identificadas. As moedas provaram ter 1.000 anos de idade. Ele ainda não havia percebido o tesouro que ele tinha nas mãos, mas ele marcou o mapa de um velho colega com um ‘ X” para lembrar de onde ele tinha encontrado.

A descoberta foi aparentemente esquecida novamente até antropólogo McIntosh fazer a bola rolar há alguns meses. As moedas levantam muitas questões importantes: Como moedas de mil anos acabam em uma praia remota em uma ilha na costa norte da Austrália? Será que os exploradores de terras distantes chegaram às margens australianas antes de James Cook ter declarado ”terra nullius” e reclamado para o trono britânico em 1770?

Nós já sabemos que o Capitão Cook não foi o primeiro marinheiro branco a pisar em praias da Austrália. Em 1606, um explorador holandês chamado Willem Janszoon chegou na península do Cabo York, em Queensland, seguido de perto alguns anos depois por um outro marinheiro holandês, Dirk Hartog. E o espanhol Luiz Vaez de Torres descobriu o estreito entre a Papua Nova Guiné e Austrália, que mais tarde foi chamado Estreito de Torres em sua honra. No entanto, nenhum destes exploradores reconheceu que eles tinham descoberto o continente  famoso do sul, o” terra australis incognita”, que foi descrito como um contrapeso para as massas de terra conhecidas do hemisfério norte em muitos mapas do mundo da época.

McIntosh e sua equipe de historiadores australianos e norte-americanos, arqueólogos, geomorfologistas e rangers aborígenes, dizem que as cinco moedas datam entre os anos de 900 e 1300 dC. Elas são moedas africanas do antigo sultanato de Kilwa, agora uma ruína do Patrimônio Mundial em uma ilha ao largo da Tanzânia. Kilwa era uma vez um porto comercial florescente com ligações para a Índia na época do século XIII ao século XVI. O comércio com ouro, prata, pérolas, perfumes, utensílios de pedra árabe,  cerâmica persa e porcelana chinesa fez da cidade uma das cidades mais influentes no Leste da África na época. As moedas de cobre foram as primeiras moedas já produzidas na África sub-saariana e, de acordo com McIntosh, foram apenas duas vezes encontradas fora da África: uma vez em Oman, e as encontradas em 1944 por Isenberg. As moedas antigas podem não ter valor monetário, mas para os arqueólogos são de valor inestimável, disse McIntosh.

Os arqueólogos já suspeitavam que pode ter havido primeiras rotas comerciais marítimas que ligavam a África Oriental, Arábia, Índia e as Ilhas das Especiarias até 1000 anos atrás. Ou as moedas podem ter parado em terra depois de um naufrágio. Quando Isenberg descobriu as moedas de cobre, ele também encontrou quatro moedas que se originaram a partir da Companhia Holandesa das Índias Orientais – com uma que remonta ao ano de 1690, levantando memórias daqueles primeiros marinheiros holandeses que pisaram em terras australianas bem antes de Cook. McIntosh quer responder a alguns desses mistérios durante sua expedição planejada para as Ilhas Wessel em julho. E não é apenas acerca de revisitar a praia que foi marcada com um” X” no mapa de Isenberg. Ele também vai estar à procura de uma caverna secreta da qual lendas aborígenes falam. Esta caverna é supostamente perto da praia, onde Isenberg encontrou as moedas, e dizem ser preenchida com dobrões e armamento de uma era antiga.

Se McIntosh e sua equipe encontrarem o que estão procurando, podem encontrar não só ser o tesouro de valor inestimável, mas relíquias que poderiam reescrever a história australiana.

FONTE: http://www.theage.com.au/national/ancient-discovery-set-to-rewrite-australian-history-20130519-2juck.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 19/05/2013 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: