Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Caçadores-Coletores Amantes de Cachorros Gostavam de Frutos do Mar, Joalheria e Espiritualidade

Cão enterrado na Sibéria “como se estivesse dormindo”.

Uma análise dos antigos enterros de cães descobriu que o típico proprietário de cão pré-histórico comia um monte de frutos do mar, tinha crenças espirituais, e usava jóias que às vezes acabavam no cão.

O estudo, publicado na revista PLoS ONE, é um dos primeiros a testar diretamente se havia uma clara relação entre a prática de sepultamento  de cães e comportamentos humanos. A resposta é sim.

Enterros do cães parecem ser mais comuns em áreas onde as dietas eram ricas em alimentos aquáticos porque essas mesmas áreas também parecem ter tido as mais densas populações humanas e a maioria dos cemitérios“, disse Robert Losey, um antropólogo da Universidade de Alberta, Canadá.

A descoberta nega especulações de que os cães daquela época eram apenas animais de serviço trazidos em viagens de caça.

Se a prática de enterrar cães estava apenas relacionada com a sua importância em jogos terrestres de aquisição, seria de esperar vê-los no início do Holoceno (cerca de 9.000 anos atrás), quando as práticas de subsistência humanas foram focadas nesses animais“, continuou Losey. “Além disso, nos esperavamos vê-los em períodos posteriores em áreas onde o peixe nunca foi realmente um importantes componente da dieta e veados eram o foco principal, mas eles são raros ou ausentes nessas regiões.”

Para o estudo, Losey e sua equipe pesquisaram enterros de cães em todo o mundo, mas com foco principalmente em aqueles localizados na Sibéria Oriental. Sibéria parece ter sido um antigo reduto de amantes de cães, com o primeiro cão domesticado conhecido encontrado lá e datando de 33.000 anos atrás. Enterros de cães na região, no entanto, se estendem por um período mais recente de 10.000 anos.

“A diferença mais notável entre estes cães e as raças de cães recentes é o tamanho dos dentes”, disse a paleontóloga Mietje Germonpre. Este espécime em particular, foi encontrado com um osso de mamute ainda visível em sua boca (foto acima).

Os pesquisadores descobriram que a maioria dos enterros de cães nessa área ocorreram durante o Neolítico antigo, entre 7,000-8,000 anos atrás. Os cães só foram enterrados quando humanos caçadores-coletores também estavam sendo enterrados. Quando os pastoreiros vieram mais tarde, eles não enterravam cães, no entanto eles os sacrificavam ao longo do tempo.

Acho que os caçadores-coletores aqui viam alguns dos seus cães como sendo quase o mesmo que eles, mesmo em um nível espiritual“, disse Losey. “Neste momento, os cães eram os únicos animais que viviam em estreita colaboração com os seres humanos, e eles provavelmente foram conhecidos a nível individual, muito mais do que qualquer outro povo de origem animal encontrado. Pessoas vieram a conhecê-los como indivíduos especiais, únicos.”

Os enterros refletem essa associação. Um cão, por exemplo, foi colocado para descansar “como se ele estivesse dormindo.” Um homem foi enterrado com dois cães, um cuidadosamente colocado à esquerda de seu corpo, e o outro para a direita. Um cachorro foi enterrado com uma pedra redonda, possivelmente um símbolo ou brinquedo significativo, colocado em sua boca. Ainda outros cães foram enterrados com ornamentos e utensílios, tais como colheres e facas de pedra.

Um dos túmulos mais interessantes contém um cachorro usando um colar feito de quatro pingentes de dente veados. Esses colares parecem ter sido uma forma e/ou tendência simbólica no momento, uma vez que as pessoas os usavam também.

O cachorro enterrado usando o colar foi enterrado em uma região onde as dietas humanas eram relativamente ricas em peixes fluviais“, disse Losey. “O cão, no entanto, estava consumindo relativamente poucos peixes, com uma dieta rica em proteínas com mais ênfase no jogo terrestre. Isto sugere que o cão foi provavelmente um recém-chegado na região, e sua química do corpo ainda não tinha ajustado para a dieta dos peixes local.

Todos os cães caçadores-coletores foram semelhantes na aparência a grandes variedades de huskies, semelhantes aos huskies siberianos de hoje (Sepultamento de Huskie enterrado na Sibéria há 7.000 anos atrás na foto abaixo).

Erik Axelsson, pesquisador da Uppsala University’s Science for Life Laboratory, também estudou cães pré-históricos. Ele também descobriu que dietas de humanos e cães, as práticas funerárias e outras coisas estavam, frequentemente, em paralelo um ao outro, revelando o quão perto o vínculo cão-humano tem sido por milhares de anos.

Axelsson disse: “Os cães e humanos compartilham o mesmo ambiente, comemos alimentos semelhantes e nós temos doenças semelhantes.”

Com base no número de enterros, também costumam passar a eternidade juntos também.

FONTE: News Discovery

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 22/05/2013 por em Reportagens.

Siga-nos no Facebook, e acesse mais conteúdo

Siga-nos no Twitter

%d blogueiros gostam disto: