Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Zooarqueologia Genética: Os Genomas de Cães e Humanos Evoluíram Juntos

A dog owner walking his hunting dog.

A conexão entre humanos e cachorros é profunda, de acordo com este estudo. Foto: ADRIAN MOSS/YOUR SHOT

Por Jane J. Lee, da National Geographic

O vínculo entre cães e seres humanos é antiga e duradoura. Cães aconchegam-se a nós à noite, brincam ao nosso lado durante caminhadas diárias, e caem adoravelmente aos nossos pés quando nos jogamos em nossos sofás. Mas uma nova pesquisa mostra que a conexão é mais profunda do que você imagina. Ele está incorporada nos nossos genes. Você pode conferir o texto “People and Dogs: A Genetic Love Story“, por Virginia Hughes.

Tony Hall

Crédito da imagem: TONY HALL

Pesquisadores da Universidade de Chicago e várias instituições internacionais descobriram que vários grupos de genes em humanos e cães, incluindo aqueles relacionados à dieta e digestão, processos neurológicos e doenças, têm evoluído em paralelo por milhares de anos. Esta evolução paralela foi provavelmente impulsionada pelos ambientes compartilhados entre seres humanos e cães.

À medida que a domesticação é freqüentemente associada com um grande aumento na densidade populacional e condições de vida abarrotadas, esses ambientes ‘desfavoráveis’ podem ser a pressão seletiva que levou a religação de ambas as espécies,” supõem os autores.

Por exemplo, vivendo em condições de superlotação com os seres humanos pode ter conferido uma vantagem sobre os cães menos agressivos, levando a caninos mais submissos e, eventualmente, a animais de estimação cujo olhos de cachorrinho nos encaram com carinho incondicional. (Texto de Brian Hare & Vanessa Woods, “Nós não os domesticamos. Eles domesticaram a gente“).

A Yorkshire terrier and a researcher face off.

Quem tomou atitude primeiro procurando uma amizade? Humanos ou cachorros? Foto: VINCENT J. MUSI, NATIONAL GEOGRAPHIC

Os autores do estudo sugerem que os cães foram domesticados há 32 mil anos atrás, o que é muito mais cedo do que as estimativas atuais, que situavam a domesticação em torno de 15.000 a 16.000 anos atrás. (Texto de Christine Dell’Amore, “Antigo Crânio de Cão Mostra Domesticação Recente“, sobre o crânio encontrado na Sibéria:  foto abaixo).

The skull of a domesticated canine.

Crânio de cão encontrado na Sibéria. Foto: YAROSLAV KUZMIN, PLOS ONE

Trinta e dois mil é um pouco velho“, disse Bob Wayne, biólogo evolucionista da Universidade da Califórnia, em Los Angeles. Embora ele reconheça que o tempo de uma divisão entre lobos e cães tem variado amplamente – variando entre 6.000 e 120.000 anos atrás.

Os autores do estudo também propuseram que a domesticação do cão originou no Sudeste Asiático, ao invés do Oriente Médio, como já havia sido sugerido em um artigo em 2010 (Veja o link no final do texto).

Um “Elo Perdido” Canino?

Os cientistas envolvidos no estudo sequenciaram os genomas de quatro lobos cinzentos da Rússia e da China, três cães de rua chineses, e três raças domesticadas, incluindo um pastor alemão, um belga de Malinois e um mastiff tibetano.

Eles foram capazes de descobrir quais genes foram associados com a domesticação e quão longe essa mudança pode ter ocorrido. A equipe também analisou os genes de cães selecionados para domesticação e comparou-os com os genes humanos.

A história da domesticação do cão é muitas vezes descrito como um processo de dois estágios“, escreveu Weiwei Zhai, um pesquisador de genética da Academia Chinesa de Ciências em Pequim, e um co-autor do estudo, por e-mail. “A primeira fase é de lobos aos cães. A segunda etapa é para as raças de cães.” (Texto de Evan Ratliff, “Como construir um cão” na revista National Geographic)

Photo: Three different dog breeds

Foto: Robert Clark.

Cães de rua do Sudeste Asiático, incluindo os cães de rua chineses no estudo, podem ser uma ponte evolutiva entre lobos e cães de raça pura, devido à sua maior diversidade genética quando comparado com outros cães de rua de todo o mundo, explicou Zhai. Isto faria dos cães de rua chineses uma espécie de “elo perdido” entre os caninos.

Evoluindo Juntos

Quando Zhai e colegas tomaram suas sequências de caninos e os compararam com o genoma humano, a equipe descobriu que as sequências de algumas coisas, tais como o transporte de neurotransmissores como a serotonina, o processamento do colesterol e câncer foram selecionadas por em ambos os seres humanos e cães.

Embora a seleção no mesmo gene em duas espécies diferentes, conhecido como evolução convergente, seja raro na natureza, disse Zhai, seus resultados não foram muito surpreendentes. Afinal, os seres humanos e os cães compartilham o mesmo ambiente em que vivem há anos.

Além de compartilhar genes que lidam com a dieta e comportamento, cães e seres humanos também partilham doenças, incluindo a obesidade, transtorno obsessivo-compulsivo, epilepsia e alguns tipos de câncer, incluindo câncer de mama, escreveu Ya-ping Zhang, um professor da Academia Chinesa de Ciências da cidade de Kunming, por e-mail.

Isto pode ser devido ao fato de genes, muitas vezes terem efeitos múltiplos, Zhai explicou. “Alguns dos efeitos serão benéficos, enquanto outros podem ser prejudiciais. Quando a vantagem seletiva supera o custo deletério, o gene pode ainda ser selecionado.” Os genes relacionados ao câncer que a equipe de investigação encontrou evoluindo juntos em cães e seres humanos poderiam ser o resultado de processos como este, disse Zhai.

Longe de acabar

É bom que isso [o estudo] seja baseado em dados completos do genoma“, disse Wayne da UCLA, que forneceu dados de referência aos autores do estudo em comparação com as suas sequências genéticas. Outros estudos têm utilizado apenas trechos, como os de DNA mitocondrial.

Mas ele advertiu que comparar genomas humanos e caninos pode ser complicado, acrescentando que a avaliação de sequências caninas de outros lugares, além de China e Rússia, teria ajudado na datação da domesticação e no estabelecimento de sua localização.

Além disso, Wayne disse, sem mais comparações entre os seres humanos e outros animais domésticos como cabras e cavalos, é difícil saber se a evolução paralela nos genomas dos seres humanos e cães é única ou não.

Mesmo assim, acrescentou, o estudo acrescenta mais um capítulo à história da domesticação do cão, uma história longe de terminar.

Artigo publicado na revista Nature em 2013: The genomics of selection in dogs and the parallel evolution between dogs and humans

Artigo publicado na revista Nature em 2010: Genome-wide SNP and haplotype analyses reveal a rich history underlying dog domestication

FONTE: National Geographic

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 22/05/2013 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: