Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Uma nova hipótese para a origem do bipedalismo em Hominíneos

Um novo estudo realizado por arqueólogos da Universidade de York desafia teorias evolutivas por trás do desenvolvimento dos nossos primeiros ancestrais de quadrúpedes que habitavam em árvores para bípedes eretos, capazes de andar e escalar.

Os pesquisadores dizem que a nossa marcha ereta pode ter suas origens na paisagem acidentada do Leste e Sul da África, que foi moldada durante a época  do Plioceno por vulcões e mudanças das placas tectônicas.

Hominídeos, nossos primeiros antepassados, teriam sido atraídos para o terreno das formações rochosas e desfiladeiros porque este oferecia abrigo e oportunidades de pegar suas presas. Mas é também necessário mais escalada, o que levou ao surgimento do bipedalismo.

A pesquisa de York desafia hipóteses tradicionais que sugerem que nossos primeiros antepassados ​​foram forçados a sair das árvores e em dois pés, quando as mudanças climáticas reduziram a cobertura arbórea.

O estudo, “Complex Topography and Human Evolution: the Missing Link“, foi desenvolvido em conjunto com pesquisadores do Institut de Physique du Globe de Paris. Ele está publicado na revista Antiquity.

Dra. Isabelle Winder, do Departamento de Arqueologia da York e um dos autores do estudo, disseram: “Nossa pesquisa mostra que o bipedalismo pode ter se desenvolvido como uma resposta ao terreno, ao invés de uma resposta às mudanças de vegetação climaticamente-dirigidas. De quebra, o terreno acidentado ofereceu benefícios para os hominídeos em termos de segurança e de alimentos, mas também provou ser uma motivação para melhorar suas habilidades de locomoção escalando, balançando, pulando e se movendo rapidamente sobre a terra acidentada – tipos de movimento que incentivam uma marcha mais ereta“.

A pesquisa sugere que as mãos e os braços de hominídeos eretos foram deixados livres para desenvolver maior destreza manual e uso de ferramentas, apoiando mais uma etapa chave na história evolutiva.

O desenvolvimento de adaptações de corrida para o esqueleto e o pé podem ter resultado de excursões posteriores sobre planícies das redondezas em busca de presas e novas variedades de lar.

Dra. Winder disse: “O terreno variado também pode ter contribuído para a melhoria das habilidades cognitivas, tais como navegação e habilidades de comunicação, representando a evolução contínua de nossos cérebros e funções sociais, tais como a cooperação e trabalho em equipe. Nossa hipótese oferece uma nova alternativa viável para a vegetação tradicional ou hipóteses de mudança climática. Ele explica todos os processos-chave na evolução hominínea e oferece um cenário mais convincente do que hipóteses tradicionais.”

Link de acesso ao artigo: http://antiquity.ac.uk/ant/087/ant0870333.htm

FONTE: Science Daily

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 25/05/2013 por em Artigos, Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: