Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Paleoclima: Análise de Isotopos de Esmalte Dentário de Herbívoros

 

A mudança climática que começou há 11 milhões de anos atrás foram registradas no esmalte dos dentes de herbívoros. É o resultado surpreendente ao que chegou uma equipe científica que ajudou o  Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC), que reconstruiu as mudanças ambientais e climáticas que ocorreram na Península Ibérica a partir do Mioceno ao Pleistoceno médio final (feito entre 11 e 0,8 milhões de anos) a partir da análise de 149 amostras de esmalte dos dentes de mamíferos herbívoros.

Estes restos vieram de 18 diferentes locais ibéricos, e revelaram informações sobre a temperatura e a vegetação que dominou um período marcado por grandes eventos climáticos e ambientais.

Conforme relatado pelo CSIC em comunicado, os pesquisadores, que publicaram suas descobertas na última edição da revista PLoS ONE, analisaram os isótopos (cada uma das variedades de um átomo de um determinado elemento químico) de oxigênio e de carbono no dentes fossilizados de animais.

O primeiro está relacionado com o tipo de água que bebiam estes mamíferos e temperatura ambiente, enquanto o último são indicativos do tipo de alimentação que tinham. Ambas as variáveis ​​apresentaram uma imagem muito grosseira das condições ambientais da época.

Analisamos uma boa representação dos mais abundantes grupos de fauna na Península Ibérica, entre o final do Mioceno e Pleistoceno médio. A proporção de isótopos de oxigênio nos permitiu ver quais foram as mudanças de temperatura nesse período. Por outro lado, isótopos de carbono nos dizem que as plantas eram parte de sua dieta e, portanto, o tipo de vegetação que dominava a paisagem“, explica a principal autora do estudo, Laura Domingo, que trabalha na Universidade da Califórnia, em Santa Cruz.

Proboscídeos, como o mastodonte (Tetralophodon longirostris), ou gado como antílopes de médio porte (Tragoportax) são alguns dos herbívoros que povoaram a península durante este período. Alterações ecológicas e climáticas foram marcadas em seu esmalte dos dentes mais resistentes à alteração química e física sofrida durante o enterro.

O esmalte é caracterizada por grandes cristais de apatita, um menor teor de matéria orgânica e baixa porosidade em comparação com outras apatitas como dentina ou osso. O esmalte é selado contra processos físicos experimentados durante o processo de química e fossilização e, portanto, o sinal isotópico originais foi preservado“, explica Domingo.

 

Grandes eventos paleoclimáticos

O resfriamento progressivo que ocorreu na Terra entre 6,3 e 0,8 milhões de anos atrás foi gravado em curva de carbono, diz o CSIC em comunicado. “Isso nos diz que houve um aumento na aridez associada com o início deste resfriamento, culminando com a glaciação no Hemisfério Norte para cerca de 2,6 milhões de anos atrás“, disse sexta-feira.

Entre 9 e 2 milhões de anos, a península não contabilizou o aumento na proporção de um tipo de plantas, abundantes em áreas tropicais e subtropicais, que se expandiram globalmente na Terra. A pesquisadora da CSIC Maria Teresa Alberdi, que trabalha no Museu Nacional de Ciências Naturais, explica que “esta constatação indica que o atual bioma Mediterrâneo poderia ter surgido de forma intermitente antes de se estabelecer inteiramente feita entre 3,4 e 2,5 milhões de anos. Outras são embaralhadas hipóteses de que as espécies têm evitado alimentar-se dessas plantas pelo seu escasso valor nutricional e que o tipo de bioma que existia entre o Mioceno e Plioceno não teria favorecido a expansão das plantas“.

Os dados também identificaram outros eventos climáticos registrados no mundo, como a crise do Vallesiense médio, que ocorreu cerca de 9,5 milhões de anos e levou a uma mudança de vegetação de condições úmidas para condições secas e sazonais , ou o período de aquecimento Plioceno entre 4,2 e 3,7 milhões de anos atrás, que trouxe condições mais úmidas à Europa Ocidental.

 

FONTE: http://www.larazon.es/detalle_normal/noticias/2436215/un-esmalte-dental-revela-el-clima-de-hace-11-m#.UagSYUBll1B

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 03/06/2013 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: