Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Arqueologia Clássica: A Origem do Vinho na França (Artigo)

Por Helen Fields, da Science Now.

Sem título

Num vaso grego do século 6 aC um sátiro pisa uvas. Um século mais tarde, os seres humanos celtas usam essa prensa de calcário (canto inferior direito) para esmagar uvas para vinho no sul da França.

A vinificação é tão francesa como baguetes e mímicos. Mas como é que a bebida chegou à região, em primeiro lugar? Um novo estudo confirma o que os arqueólogos há muito tempo figuram: Apesar de que os antigos romanos trouxeram o seu próprio vinho para a França, o país estava produzindo e importando-o muito antes de sua chegada.

Em 525 aC, o povo de Lattara, na costa do Mediterrâneo, perto de Montpellier na França atual, eram celtas nativo da França. Eles falavam uma língua relacionada ao galês e gaélico e gostavam de uma cerveja ou hidromel, bebida fermentada, talvez. Um edifício em sua cidade murada alojava comerciantes etruscos, povo de uma civilização pré-romana em torno da Toscana. Convenientemente para os arqueólogos que foram escavando o local desde o início de 1980, esse prédio desabou em 475 aC, enterrando as mercadorias dos comerciantes sob as paredes quebradas e telhado. Muitas de suas ânforas foram esmagadas no local. Estes vasos de cerâmica foram usadas para transportar e armazenar todos os tipos de mercadorias, incluindo frutos secos e azeite de oliva e vinho.

Arqueólogos se perguntam se estas foram provavelmente ânforas usadas para o transporte do vinho, em parte, porque eles parecem ter piche no seu interior, que se dissolve em azeite. O antropólogo e arqueólogo Benjamin Luley, então um Ph.D. estudante da Universidade de Chicago, em Illinois, estava interessado em compreender como a vida dos povos celtas mudou após a conquista romana. Ele estava trabalhando no local, enquanto as ânforas eram escavadas e recolheu amostras dos únicos com resíduo visível na parte inferior. Depois de 2.500 anos ou mais no chão, as bases não estavam super limpas. “Nós, na verdade, mantivemos a sujeira porque queríamos analisar a sujeira, também, como uma espécie de controle“, diz Luley.

Ele e seus colegas também deram um passo incomum para o seu campo de cerâmica centralizada: amostragem de uma prensa de calcário para café do tamanho de uma mesa, de um tipo que poderia ter sido para azeitonas ou uvas, a partir de 50 anos ou mais, após a destruição do edifício. Está em exibição em um museu próximo ao local. Luley e outro pesquisador tomaram um cinzel de pedra e cuidadosamente rasparam uma área de cerca de 5 centímetros quadrados na parte externa do artefato, alguns milímetros de profundidade. “Nós fizemos isso quando não existiam os visitantes“, diz ele, mas, cercado por telas, ele estava ciente de que as pessoas estariam olhando para a pedra mais tarde. “Nós não queremos colocar uma grande cicatriz sobre ela.”

As amostras foram enviadas para os Estados Unidos para análise química. Pesquisadores liderados pelo arqueólogo biomolecular Patrick McGovern, da Universidade da Pensilvânia analisaram as amostras de compostos, incluindo o ácido tartárico, um produto químico que é encontrado em uvas e outras frutas e muitas vezes é usado para mostrar que o vinho estava presente. Os métodos incluíram espectrometria de cromatografia de massa líquida, feito em equipamentos “state-of-the-art” no laboratório Bureau de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos em Beltsville, Maryland, que é normalmente utilizado para a análise de drogas.

Os pesquisadores descobriram ácido tartárico, o que sugere o vinho, e outros produtos químicos que sugerem que a resina de pinheiro estava presente nas ânforas – que poderia ter sido um conservante ou aromatizante, assim como o atual Retsina, ou usado para impermeabilizar as embarcações. Eles também encontraram evidências de ervas como alecrim e tomilho que podem ter sido incluídas no vinho feito na Itália. Este vinho foi importado, mas, como a equipe relata na revista online Proceedings, da Academia Nacional de Ciências, também encontraram ácido tartárico nos raspados da prensa. Isso sugere que a prensa foi usada para esmagar uvas e que os celtas já estavam a produzir o seu próprio vinho por volta de 400 aC, mais de dois séculos antes da conquista romana.

Afastar o olhar dos potes para a prensa de calcário foi “uma inovação bastante pura“, diz Carl Heron, um cientista arqueológico da Universidade de Bradford, no Reino Unido. A análise química das amostras antigas é sempre complicada, diz ele, as amostras passaram milhares de anos no meio ambiente, com todos os tipos de possível contaminação, incluindo plantas e bactérias. Os métodos usados ​​para analisa-los, tais como espectroscopia de infravermelhos, não são sempre fiáveis. Este trabalho usa métodos sensíveis mais avançados, uma boa direção para o campo, diz ele.

Os arqueólogos já acreditam que aquelas ânforas eram para o vinho, porque a evidência de este e outros sítios arqueológicos sugerem que é o único produto etrusco que estes celtas eram interessados, diz o arqueólogo Michael Dietler da Universidade de Chicago. Ele é orientador do Ph.D. de Luley e e trabalha no sítio Lattara, mas não esteve envolvido neste estudo. Nos locais onde as ânforas etruscas foram esvaziadas, diz ele, “encontramos muitas e muitas taças.” Além disso, os restos de sementes de uva e caules foram encontrados nas proximidades, enquanto caroços de azeitona eram raros e, do lado de fora do assentamento, os arqueólogos escavaram até mesmo um vinhedo do  terceiro século aC. “Já estava muito claro que houve produção de vinho acontecendo lá, mas isso simplesmente aumenta um pouco mais de confirmação“, diz Dietler.

FONTE: http://news.sciencemag.org/sciencenow/2013/06/french-wine-has-ancient-origins.html?ref=hp

—————————————————-

Link de acesso ao artigo em PDF sobre a origem da vinicultura na França: http://www.pnas.org/content/early/2013/05/30/1216126110

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 07/06/2013 por em Artigos, Reportagens.

Siga-nos no Facebook, e acesse mais conteúdo

Siga-nos no Twitter

%d blogueiros gostam disto: