Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

O Antropoceno e seus efeitos: Entrevista com Dr. Rick Potts

Por  Emily Grebenstein, do Smithsonian Science

Não dúvidas de que a atividade humana está afetando o planeta Terra, mas quanto? E é tudo negativo? Rick Potts é o diretor do Programa de Origens Humanas e curador de antropologia do Museu Nacional de História Natural (E.U.A.). Em seus quase 30 anos no Smithsonian, Potts tem estudado a relação entre mudança ambiental e adaptação humana, conduzindo escavações no Vale do Rift do Leste Africano. Na entrevista abaixo, Potts explora o período humano da história da Terra, o Antropoceno, e o que isso significa para o futuro, olhando longe no passado.

Rick Potts studies and samples a portion of the long climate core obtained by drilling at the early human site of Olorgesailie. The core contains clues to the climate of the past 500,000 years, associated with the origin of our species. (Photo by Jennifer Clark)
Estudos de Rick Potts e amostras de uma porção do núcleo de clima longo obtidas por perfuração no antigo sítio arqueológico Olorgesailie. O núcleo contém pistas sobre o clima dos últimos 500 mil anos, associado à origem de nossa espécie. (Foto de Jennifer Clark)

Q: O que exatamente é o Antropoceno?
Potts: O Antropoceno é muitas vezes visto como uma nova era geológica na Terra: a idade dos seres humanos. Mas para muitos de nós, a idade tem sido tão curta neste ponto que é mais uma maneira de pensar sobre nós mesmos, reconhecendo o enorme impacto dos seres humanos no planeta Terra.

Q: Quando foi o início do Antropoceno?
Potts: Pedir para identificar o início do Antropoceno é como perguntar: “Quando foi o início do ser humano?” Pode-se apontar para o caminhar ereto e a fabricação de instrumentos para fazer as coisas e manipular o mundo. Ou pode-se olhar para últimos tempos da enorme explosão demográfica desde a era industrial. Mas existem todos os tipos de passos no meio, e eu diria que a produção de uma instrumento de pedra de mais de 2 milhões de anos atrás e o domínio do fogo há cerca de um milhão de anos atrás foram os primeiros verdadeiros sinais de que algo novo estava em cena.

Approximately 2 million years old the Kanjera Stone Tool from Kanjera South, Kenya, is the oldest man-made object in the Smithsonian.  According to anthropologist Rick Potts at the Smithsonian’s National Museum of Natural History, the start of the Anthropocene is marked by the use of the first man-made tools.
Com aproximadamente 2 milhões de anos, o instrumento de pedra de Kanjera, de Kanjera do Sul, Quênia, feito pelo homem, é mais antigo objeto no Smithsonian. Segundo o antropólogo Rick Potts no Museu Nacional de História Natural do Smithsonian, o início do Antropoceno é marcada pela utilização das primeiras ferramentas feitas pelo homem.

Q: Quais são as três principais formas que o seres humanos estão impactando os ecossistemas da Terra?
Potts: Os seres humanos controlam seis vezes mais água – água doce – do que está fluindo livre em todos os continentes. Oitenta e três por cento de toda a terra viável na terra é ocupada, usada ou alterada por seres humanos, por isso a marca dos seres humanos sobre a paisagem é extensa. Temos feito muito para alterar o oceano. Só a partir de sedimentos erodidos de terras agrícolas para o oceano, podemos alterar totalmente a natureza dos ecossistemas marinhos.

Q: O que você diria para as pessoas que dizem que o aquecimento global é uma farsa?
Potts: Eu diria que a evidência científica é realmente profunda de que a Terra está aquecendo. Estes problemas vão precisar de ser resolvidos por uma ação acordada em todo o mundo. Negar a mudança climática é, infelizmente, parte da gama de maneiras que as pessoas tentam se ajustar a uma situação bastante difícil.


Em setembro de 2012, a equipe de Rick Potts recuperou o primeiro núcleo de clima longo de um sítio arqueológico dos primeiros humanos através da perfuração no chão do vale do Rift do Leste Africano, no sul do Quênia. O núcleo alcançou sedimentos de mais de 160 metros abaixo do solo. (Foto de Jennifer Clark)

Q: Podemos reverter alguns dos efeitos negativos do Antropoceno?
Potts: Eu acho que para algumas coisas já é tarde demais. Por exemplo, a utilização de combustíveis à base de carbono. Mesmo se pararmos agora a terra vai aquecer muito. Aumento da população – é difícil levar as pessoas a parar de ter vidas cumpridas com famílias. Eu acho que uma visão para o Antropoceno é realmente uma questão de – você tenta diminuir o rio ou levantar a ponte? Baixando o rio é realmente difícil de fazer quando o dilúvio de eventos do Antropoceno estão chegando mais perto de nossas próprias comunidades. É, levantar a ponte, uma opção? Bem, eu acho que nós precisamos olhar para uma terceira opção: ou seja, acomodar a crescente onda de problemas que o Antropoceno exibe e perceber que estamos todos no mesmo barco juntos. Eu acredito que nós precisamos descobrir uma maneira de ter um navio que é maior do que nós mesmos, e incluir tanto a diversidade biológica e a diversidade cultural que pode caber no grande barco.

FONTE: Smithsonian

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 11/06/2013 por em Entrevista.
%d blogueiros gostam disto: