Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Ötzi, o Homem de Gelo de 5.300 anos atrás: Causa Mortis

Por  ROSSELLA LORENZI, da Discovery News.

Screen Shot 2013-06-12 at 2.21.37 PM

Uma lesão na cabeça, e não uma flechada, pode ter matado Ötzi, o Homem de Gelo, a múmia de 5.300 anos atrás encontrada nos Alpes italianos, diz um novo estudo paleoproteômico no cérebro da mais antiga múmia humana natural da Europa.

A investigação proteica parece apoiar a pesquisa de 2007 no cérebro da múmia. O estudo indicou um trauma cerebral como a causa da morte. Naquela época, a pesquisa contou com uma tomografia computadorizada do cérebro da múmia, que mostrou duas áreas de cor escura na parte de trás do cérebro. Essa ferida se adiciona à ferida de ponta da flecha já conhecido no ombro e aos ferimentos na mão.

Encontrada no ombro esquerdo de Ötzi em 2001, a ponta de flecha de pedra, acreditava-se, teria causado a morte do homem pré-histórico, fatalmente cortando sua artéria subclávia esquerda. O estudo de 2007 sugeriu que a perda de sangue do ferimento de flecha teria feito primeiro Ötzi perder a consciência, e a morte viria depois, com um golpe violento na cabeça. Ou o assassino deu a Ötzi o golpe final, possivelmente ao bater-lhe com uma pedra, ou ele poderia ter caído para trás e bateu a cabeça em uma pedra, concluíram os pesquisadores.

A hipótese havia sido deixada inexplorado até 2010, quando uma equipe de pesquisa da Academia Europeia de Bolzano / Bozen (EURAC), Universidade de Saarland, Universidade de Kiel e outros parceiros decidiram investigar o proteoma de duas amostras do tamanho de cabeças de alfinete do tecido cerebral do mundialmente famoso cadáver da geleira.

“O uso de novos métodos de análise de proteínas nos permitiu ser pioneiros neste tipo de investigação proteica no tecido mole de um ser humano mumificado, extraindo, a partir da amostra minúscula, uma vasta quantidade de dados, que no futuro podem muito bem responder a muitas dúvidas,” disseram os pesquisadores.

Na verdade, os cientistas foram capazes de identificar um total de 502 proteínas diferentes.

Destes, 41 proteínas são conhecidas por serem muito abundantes no tecido cerebral e 9 são mesmo especificamente expressas no cérebro“, escreveram os microbiólogos Frank Maixner de EURAC, Andreas Tholey da Universidade de Kiel, e colegas, na revista Cellular and Molecular Life Sciences.

Além disso, encontramos 10 proteínas relacionadas ao sangue e à coagulação. Uma análise enriquecedora revelou uma acumulação significativa de proteínas relacionadas à resposta ao estresse e cicatrização de feridas“, escreveram eles.

Encontrado em um cadáver quase desprovida de sangue, os glóbulos de sangue coagulado incrivelmente bem preservados fornecem evidências adicionais de que o cérebro de Ötzi tinha possivelmente sofrido contusões pouco antes de sua morte. Se isto foi devido a um golpe na testa ou uma queda depois de ter sido ferido pela seta permanece obscuro.

Nossos dados reabrem antigas discussões sobre uma possível lesão da cabeça do Homem de Gelo perto do local onde as amostras de tecido foram extraídas“, disseram os pesquisadores.

Desde sua descoberta em 1991 em uma geleira em derretimento nos Alpes Öetztal – daí o nome – a múmia foi amplamente investigado. Os cientistas descobriram que Ötzi tinha olhos castanhos, era intolerante à lactose, tinha uma predisposição genética para um risco aumentado para doença coronária, e provavelmente tinha a doença de Lyme.

O novo método de pesquisa de base-proteica poderia agora fornecer informações que anteriormente não tinha sido possível, disseram os pesquisadores.

FONTE: Discovery

—————————

SESSÃO EXTRA DE IMAGENS

Sem título

Em 19 de setembro de 1991, os alemães Erika e Helmut Simon avistaram algo marrom enquanto caminhavam perto de uma geleira em derretimento nos Alpes Öetztal no sul do Tirol. À medida que se aproximavam, eles perceberam com horror que não era um pedaço de lixo, mas um corpo humano deitado sobre o peito contra uma rocha plana.

Apenas a parte de trás da cabeça, os ombros e parte das costas emergiam do gelo e água derretida.

Nos dias que se seguiram, várias tentativas de recuperação do corpo foram feitas. Finalmente, em 23 de setembro, o corpo foi extraído do gelo com várias peças de couro e pele, cordas, cintas e pedaços de feno. O corpo mumificado foi levado ao Instituto de Medicina Forense em Innsbruck.

Entre julho e agosto de 1992, um resgate arqueológico foi realizado na geleira. Várias peças do equipamento do Homem do Gelo emergiram, como uma touca de pele de urso, couro e restos de couro cru, gramíneas, corda, pedaços de pele, fibras musculares, cabelo e uma unha.

Embora a peça mais importante no equipamento do Homem do Gelo seja uma lâmina de machado de cobre (os testes demonstraram que ela poderia ter cortado uma árvore teixo em 35 minutos), este disco de pedra é a mais misteriosa. Feito de dolomita, mármore branco, tem um buraco no meio através do qual uma tira de couro foi enfiada. Nove tangas torcidas de couro cru foram amarradas a um laço nesta faixa. Depois de 20 anos, a função do disco permanece um mistério.

Ötzi é múmia mais estudada do mundo. O homem neolítico é chamada de “múmia molhada.” Como a umidade é mantida em células individuais, o tecido do corpo é elástico e permite investigações científicas em profundidade. Com todas as suas roupas e equipamentos, esta múmia natural inalterada por ritos de sepultamento, oferece uma vista única sobre a vida do Neolítico na Europa.

Pesquisadores foram capazes de diagnosticar várias anomalias anatômicas e patologias da múmia: Ötzi não tem o 12º par de costelas, teve os dentes ruins, as articulações desgastadas e artérias endurecidas, e sofria de infestação de vermes intestinais. Ele também tinha um diastema notável – um espaço natural entre os dois incisivos superiores.

O corpo de Ötzi é coberto com mais de 50 tatuagens produzidas por incisões finas nas quais carvão era esfregado. Os cortes foram, provavelmente, parte de um tratamento de alívio da dor. Com efeito, as zonas tatuadas correspondem a linhas de acupuntura na pele. Antes de Ötzi, acreditava-se que a acupuntura teria se originado dois mil anos mais tarde na Ásia.

Em 2001, uma nova análise de raios-X revelou a presença de uma ponta de flecha de pedra no ombro esquerdo. A flecha parou a poucos centímetros do pulmão. Embora os órgãos vitais não foram atingidos, a flecha cortou um grande vaso sanguíneo e danificou os fascículos neurovasculares do braço esquerdo. Isso causou hemorragia intensa e, possivelmente, a paralisia do braço. O Homem de Gelo provavelmente sangrou até a morte em questão de minutos. Uma profunda ferida na mão e inúmeras contusões confirmam que o Homem de Gelo esteve em combate corpo-a-corpo pouco antes de sua morte. Recentemente, os pesquisadores também descobriram uma fratura no crânio e hemorragia grave na parte de trás, o que sugere que a múmia também sofreu um golpe na cabeça. Ele morreu durante a primavera ou início do verão com cerca de 45 anos de idade.

Esta reconstrução por dois especialistas holandeses, Alfons e Adrie Kennis, foi produzida com a mais recente tecnologia de mapeamento forense. Eles usaram imagens tridimensionais do crânio da múmia, bem como imagens de infravermelho e tomográfica. Ela mostra Ötzi como um homem barbudo, de olhos castanhos, e com um rosto de quem passou muitas horas de caminhada nas montanhas. Ele estava a cerca de 1,65m de altura e pesava 50Kg. The Iceman pertencia a um grupo genético europeu e foi provavelmente infértil.

Em 16 de janeiro de 1998, o Homem de Gelo e seus pertences foram levados do Instituto de Anatomia da Universidade de Innsbruck para um recém-construído Museu de Arqueologia Tirol do Sul em Bolzano. A múmia está agora em uma sala escura e pode ser vista através de uma pequena janela. A uma temperatura de-42F ° e umidade relativa de 98 por cento, a casa de Oetzi simula as condições do gelo glacial. Para parar a múmia de gradualmente secar, as paredes celulares são revestidas com azulejos de gelo.

Alegações de uma maldição de estilo Tutancâmon começaram a se espalhar sobre Ötzi. Na verdade, sete mortes estranhas ocorreram em apenas dois anos após o alemão Helmut Simon e sua esposa Erika descobrirem a múmia congelada nos Alpes em 1991. As sete pessoas que morreram estavam todas envolvidas, quer na recuperação da múmia ou na investigação científica. Um dos sete era Helmut Simon, cujo corpo foi encontrado preso no gelo em 2004, assim como sua famosa descoberta.

FONTE: Discovery

Anúncios

Um comentário em “Ötzi, o Homem de Gelo de 5.300 anos atrás: Causa Mortis

  1. Pingback: Arqueologia e Pré-História | Cientistas encontram os descendentes atuais de Otzi, o Homem de Gelo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 13/06/2013 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: