Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Paleodemografia humana e zooarqueologia do Paleolítico Médio e Superior

Nota do JuCa: Antes de ler a matéria abaixo, é preciso saber que o sítio arqueológico da África do Sul ao qual o autor sempre se refere é Blombos Cave. E preciso dizer que, pessoalmente, suas conclusões sobre paleodemografia são dúbias. Porém, vale a divulgação do método aplicado, mesmo que para questioná-lo. É necessário dizer também que os dados oferecidos pelas pesquisas em Blombos Cave não deixam muitas dúvidas sobre uma complexidade cognitiva “moderna” onde há a produção de contas (joalheria), pinturas e artefatos de provável cunho simbólico.

————–

Por Brad Balukjian, da Los Angeles Time

O desenvolvimento da arte, da cultura e da capacidade cognitiva avançada que define os humanos modernos podem não ter evoluído até 50 mil anos atrás, de acordo com um novo estudo publicado segunda-feira na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências.

Richard Klein, da Universidade de Stanford, o autor sênior do estudo, acredita que os humanos modernos evoluíram ao mesmo tempo que eles deixaram a África para popular Eurásia e no resto do mundo.

Segundo sua teoria, as inovações culturais levaram a um aumento na aptidão para a espécie humana incipiente, estimulando uma grande expansão populacional.

A teoria concorrente é que os seres humanos evoluíram em sua forma moderna no início e sua população aumentou gradualmente até que esgotaram os seus recursos em torno de 50 mil anos atrás, quando eles indiscutivelmente deixaram a África. Os defensores desta teoria citam o surgimento de proto-jóias e arte na África do Sul 85.000 a 65.000 anos atrás, como prova de que os seres humanos já estavam totalmente modernos por esse tempo, com seu próprio sistema de comunicação e cultura rudimentar.

Sem título

Klein decidiu testar os “seres humanos modernos antigos” versus “os seres humanos modernos tardios” examinando o antigo tamanho da população, com a expectativa de que o surgimento dos humanos modernos devem ser correlacionados com um crescimento na população.

Estimar as populações de há muito tempo não é uma questão fácil, mas Klein e outros zooarqueólogos têm encontrado uma maneira pouco ortodoxa de fazê-lo – examinar os restos mortais de animais que os seres humanos comiam.

A alimentação é a base de tudo, você tem que comer para sobreviver“, disse Teresa Steele, uma zooarqueóloga e paleontóloga da Universidade da Califórnia em Davis, que trabalhou no estudo com Klein. “Nós podemos usar coisas como ossos de animais e moluscos [conchas] para reconstruir as práticas antigas de subsistência.

No final de 1970, Klein começou a comparar os tamanhos de conchas diferentes encontradas em jazidas arqueológicas na África do Sul. O molusco fazia parte da dieta primitiva dos seres humanos, e é encontrado aos milhares em montes de lixo antigos juntamente com os ossos de outros animais, como focas, antílopes e zebras.

Ele notou um padrão geral – os sítios mais novos continham conchas menores. Depois de encontrar resultados semelhantes no Havaí, Papua Nova Guiné, e na Califórnia, os zooarqueólogos concluíram que as conchas menores eram um sinal de maiores populações humanas que haviam esgotado os animais maiores e mudaram para presas menores.

Para o estudo da Academia Nacional de Ciências, Klein e Steele mediram o tamanho de milhares de conchas dos dois dos grupos de marisco mais comumente caçados em sítios arqueológicos no sul e oeste da África do Sul. Evidência de arte antiga e jóias, como conchas com furos e fragmentos de rocha, e ocre (possivelmente usado para o pigmento), foram recuperados na mesma área, o que sugere o surgimento do comportamento humano moderno.

A implicação seria que as pessoas já estavam se comportando de uma forma moderna, fazendo jóias e arte 75 mil anos atrás, o que é de 25.000 anos antes da expansão de fora da África“, disse Klein.

Klein e Steele encontraram o que eles esperavam – as conchas eram geralmente menores em depósitos do Paleolítico Superior (cerca de 1.000 a 12.000 anos de idade) do que em depósitos do Paleolítico Médio (cerca de 60.000 a 120.000 anos), refletindo o crescimento da população humana ao longo desse tempo.

Mas o tamanho da concha manteve-se constante durante o Paleolítico Médio, o que implica que as primeiras populações humanas também se mantiveram constantes, mesmo que eles desenvolvessem as primeiras formas de jóias e arte.

Os achados suportaram a hipótese de Klein, de que os seres humanos não se tornaram totalmente modernos até a sua expansão populacional que acompanhou o êxodo Africano 50.000 anos atrás.

Klein acredita que a descoberta também lança dúvidas sobre o significado da joalheria e arte antigas. Dado que algumas peças foram encontradas – uma, em dezenas de milhares de rochas de ocre, teve alguma padronização significativa – talvez os objetos foram confundidos como arte.

Se você olhar para a joalheria, não é muito atraente, não é muito impressionante“, disse ele. “Há pequenos pedaços de conchas do tamanho de uma unha que têm buracos neles. Os furos não são claramente feitas por ferramentas, e poderiam ser feitos por grânulos. Talvez sejam, talvez eles não sejam …. Se estas coisas são arte ou jóias realmente está nos olhos de quem vê.”

Klein tem alguma dificuldade em acreditar que os artefatos representam alguma grande inovação simbólica da sociedade humana moderna. Se esses artefatos realmente eram a marca registrada de uma sociedade com a arte e a cultura, e as pessoas na África do Sul foram os seres humanos modernos por 75 mil anos atrás, por que não expandir para a Europa, então? Por que esperar mais 25 mil anos?

Uma ressalva do estudo é que não havia mariscos examinados a partir de 50 mil anos atrás, quando os seres humanos deixaram a África, a data mais próxima era 60 mil anos atrás. Mas as perspectivas de encontrar um sítio arqueológico nesta janela de tempo são sombrias, já que as zonas costeiras a partir de 60.000 a 12.000 anos atrás, estão agora debaixo d’água graças às mudanças do nível do mar.

Entretanto, Klein e seus colegas zooarqueólogos continuarão vasculhando  praias por conchas – pistas para o nosso passado evolutivo.

FONTE: http://www.latimes.com/news/science/sciencenow/la-sci-sn-ancient-shellfish-human-evolution-20130618,0,7529277.story?track=rss

Download do artigo de Klein & Steele: http://www.pnas.org/content/early/2013/06/12/1304750110.full.pdf

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 19/06/2013 por em Artigos, Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: