Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Os Estudantes e o Futuro da Arqueologia

Para onde está indo arqueologia? Enquanto arqueólogos, não está exatamente na nossa natureza postular sobre o futuro.

Escrito por James Spry, do Heritage Daily, o texto abaixo é aplicável em vários momentos ao contexto da arqueologia brasileira.

Tradução e comentários em vermelho do JuCa.

trowel1

Imagem de Markus Milligan

O passado, é lógico, é o tipo de coisa nossa. “Aprender sobre o nosso passado irá guiar nosso futuro” – ou outras histórias, são o pão e a manteiga de qualquer discussão entre um arqueólogo e um membro curiosos do público. Sim, isso é verdade e é o que é a arqueologia. É o apelo apaixonado para aprender sobre o mundo em que os nossos antepassados ​​viviam em vez de desapontar-se demais no assustador e em constante mutação presente. Vamos ser honestos, toda vez que ligamos no noticiário ou, Deus me livre, acidentalmente testemunhamos a página inicial do site Daily Mail (similar ao site brasileiro G1), com suas atualizações de celebridades demasiadamente magras, nós dificilmente somos inspirados por pensamentos do futuro.

É muito compreensível que nós, inadvertidamente, relembremos uma vida passada que nunca vivemos ou embarcarmos em uma cultura material e que nunca iremos compreender plenamente. E é como um guia para mergulharmos no passado que fez a arqueologia tão popular, por que milhares de pessoas doam seus fins de semana para subir e descer campos enlameados e por que milhões de nós estão agora aterrorizados que em breve teremos que assistir ‘Eu sou uma celebridade Ídolo Pop(programa televisivo britânico) em um domingo à noite em vez de deixar Phil Harding nos mostrar o seu único X-Factor (outro programa televisivo).

Mas espere. A mudança acontece. Quer gostemos ou não ela acontece, e como a nossa profissão, mais do que qualquer outra, nos conta, como nós nos adaptamos às mudanças é que importa mais do que qualquer coisa. Mais uma vez, explicando nosso trabalho para um cidadão genérico, estudamos arqueologia porque ela nos ensina sobre mudança, a forma de se adaptar às mudanças e como aprender potencialmente com os erros que as mudanças podem causar.

O problema é, no entanto, como a profissão arqueológica está no fio da navalha agora mais do que nunca, estão esses que irão carregar a tocha para nós no futuro, entusiastas ajoelhados enlameados de unhas quebradas, realmente praticando arqueologia como todos nós gostamos de pregar? Por ‘esses’ quero dizer os homens e mulheres em fase de rápida passagem no nosso sistema universitário que, sem dúvida, formam o núcleo da Diretoria de Projetos e Consultores do Patrimônio de amanhã.

Olhe para qualquer anúncio de emprego dentro de arqueologia, de pessoal de campo até Coordenadores de Projeto, e uma titulação é quase sempre listada como uma necessidade, por isso eu acredito que fazendo uma suposição tal é justificadamente válido. Então, se a atual geração de graduandos estará fazendo as principais decisões sobre o nosso passado, no futuro, eles estão realmente sendo preparados ou a preparando-se, para tal responsabilidade?

The impending removal of Time Team from our screens demonstrates how much archaeology is changing. Source: WikiCommons.

A retirada iminente da Time Team (programa televisivo sobre arqueologia) das telas britânicas demonstra o quanto a arqueologia está mudando. Fonte: Wikicommons.

Devo citar um artigo no “Times Higher Education” por Marilyn Palmer, atualmente Professora Emérita de Arqueologia Industrial na Universidade de Leicester (Inglaterra), e diretora anterior do departamento. Ela destaca corretamente a falta de ensino de prática de campo atualmente nas universidades e que as titulações atuais “não são relevantes para as necessidades da profissão arqueológica” e que a maioria dos estudantes graduam-se para trabalharem em setores não relacionados. Devo concordar plenamente com essa avaliação.

A realização de um curso de graduação em arqueologia é uma das coisas mais gratificantes e divertidas que você pode fazer e você nunca vai parar de voltar a contar as histórias da sua primeira aula de campo. No entanto, uma titulação é um prêmio acadêmico e não uma qualificação profissional e, portanto, devemos estar realmente surpresos que eles não equipem adequadamente os alunos com as habilidades necessárias para trabalhar em campo? Realisticamente, não, nós não devemos.

Departamentos universitários são julgados por tabelas classificativas e notas acadêmicas, e não por quão bem alguém pode escavar uma feição e desenhar uma seção. Como resultado, quando pensamos sobre isso, as universidades estão cumprindo a sua parte do intrometendo, ensinando o que eles vendem: uma qualificação acadêmica. Por esta razão, não deve ser responsabilizados pela “baixa qualificação” dos estudantes atuais. E por esta razão que eles não devem ser culpados pela quantidade mínima de alunos que realmente passam a trabalhar com arqueologia, uma vez que eles se formam. A responsabilidade recai sobre uma pessoa: os próprios alunos.

Nós todos sabemos que há muito mais alunos, tendo titulações de arqueologia do que vagas de trabalho (no contexto brasileiro isso ainda não é uma realidade, mas uma possibilidade de um futuro bem próximo). Portanto, o fato de que poucos realmente irão seguir carreira em arqueologia talvez não seja uma coisa tão ruim. No entanto, são aqueles que seguem que devem estar preocupados. Sim, sua formação universitária vai ensiná-los a aprender, manipular e regurgitar enormes quantidades de informações e opiniões, a fim de ganhar aquele elusivo primeiro. A questão é como eles vão ganhar as habilidades e a experiência que vai realmente garantir-lhes um emprego? E quando conseguirem um, eles estão realmente em contato com a arqueologia hoje: as pessoas envolvidas, as razões para escavar ou não escavar e as várias maneiras pelas quais as pessoas se envolvem com a arqueologia, seja em um nível amador ou profissional? Sem compreender corretamente essas questões é preocupante pensar se os tomadores de decisão de amanhã vão realmente tomar as decisões corretas sobre a proteção da nossa profissão no futuro e na proteção do nosso patrimônio no passado.


Os alunos atuais ganham experiência de prática de campo suficiente? Crédito da imagem: Markus Milligan

Então, o que deve ser feito? Para começar, deixe-me dizer que nem tudo é tão sombrio. Programas como o  Projeto Council for British Archaeology Community Archaeology Bursaries (não se aplica ao contexto brasileiro) estão liderando o caminho no sentido de pegar os desempregados, e predominantemente jovens, envolvidos na direção futura da arqueologia. No entanto, mais uma vez, uma titulação ou experiência relevante é geralmente necessária. Portanto, para aqueles alunos que realmente, realmente, querem um futuro em arqueologia profissional, que devem criar as oportunidades para si mesmos, e as oportunidades são, vamos ser honestos, infinitas:

Número um, a sua universidade será sempre capaz de proporcionar mais oportunidades de trabalho de campo ou em laboratório para você do que eles inicialmente anunciam. Mas espere, “Eu sou um estudante pobre, com muito trabalho a fazer” Eu ouvi você dizer. Ok, isso simplesmente não cola. No total, as aulas universitárias tomam em torno de sete meses do ano (geralmente 8 no Brasil), deixando cinco para se trabalhar e ganhar essa experiência muito necessária. E, na realidade, mesmo durante o período letivo um curso de graduação em arqueologia não é a mais demorado nas tarefas, não importa o quanto você tente convencer seus pais que é. Portanto, tome alguma iniciativa e pergunte ao seu professor favorito sobre quaisquer potenciais oportunidades e eu garanto que eles vão ficar encantados com o seu entusiasmo.

Número dois (não se aplica ao contexto brasileiro), a Grã-Bretanha, mais do que outros países do mundo, está atolado com grupos amadores locais de trabalhos de campo maravilhosamente executados e imensamente agradáveis, que estão absolutamente desesperados para envolver mais os alunos. A maioria desses grupos custa muito pouco para entrar, proporciona um bom nível de formação e pode ser encontrado em quase todas as regiões de cada município do país. Assim, encontre um, se junte a um e aprenda com aqueles que estão envolvidos. Você não vai se arrepender, tanto para as inúmeras xícaras de chá e debates coração de luz como para as habilidades de trabalho de campo que você vai desenvolver. Você também vai aprender como maravilhosamente a diversificada comunidade arqueológica pode ser, e não apenas colegas com marcas em mente.

Número três, assistir a congressos e eventos. Recentemente eu participei de um evento como esse que estava cheio de um conjunto diversificado de expositores e especialistas,desde detectores de metais e caminhantes de campo até fotógrafos aéreos e escritores criativos. No entanto – e isso foi apoiado pelo público geral que participou do evento – cada um desses grupos destacaram a falta de envolvimento dos alunos como uma questão importante, que ameaçava não só a sua existência futura, mas também o futuro de sucesso da própria arqueologia. Isso é triste. Participar desses eventos é uma excelente oportunidade para a rede de trabalho, obter o seu nome lá fora para quem importa e se envolver com qualquer número de organizações profissionais e amadoras que podem ajudar a adicionar essa corda extra para o seu repertório arqueológico.


Comunidade Arqueológica: Crédito de imagem Markus Milligan

Não existe uma receita para o sucesso na arqueologia, apenas um desejo adequado e, o mais importante, a atitude certa. A atual geração de graduação – na verdade, a maioria dos membros mais jovens da sociedade – estão sendo criados em uma sociedade que nos condiciona a aceitar ganho de curto prazo e exigir respostas colocadas em voltas para fora em uma bandeja de ouro. Como resultado, os arqueólogos do futuro estão se tornando cada vez mais míopes em suas ações hoje.

Sim, conseguir emprego e se tornar bem sucedido em arqueologia será sempre uma tarefa árdua. Mas eu pergunto o que está errado com isso? Aqueles que alcançam estes objetivos terão merecido e ao longo do caminho, esperamos ter encontrado uma infinidade de maneiras diferentes em que a arqueologia pode moldar a vida dos outros, bem como aprender as competências relevantes. Assim, ao passo que a nossa paixão pelo passado conduz o que fazemos, temos de olhar para elas, no presente e no futuro, a fim de determinar como podemos fazê-lo; é o que nós fazemos no aqui e agora que determina como o nosso passado e futuro será percebido.

FONTE: Heritage Daily

Curiosidade – O programa de TV Time Teamhttp://www.imdb.com/title/tt0108961/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 25/07/2013 por em Reportagens.

Siga-nos no Facebook, e acesse mais conteúdo

Siga-nos no Twitter

%d blogueiros gostam disto: