Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

A guerra tem profundas raízes evolutivas na pré-história? Ou é invenção moderna?

 Cross-Check

Por John Horgan, da Scientific American. Professor da Stevens Institute Technology e autor de quatro livros, incluindo The End of Science (1996) e The End of War (2012).

A Idéia de profundas raízes evolutivas

Um dos memes mais modernos insidiosos sustenta que a guerra é inata, uma adaptação produzida em nossos antepassados ​​por meio da seleção natural. Esta hipótese, vamos chamá-la de “Teoria das Profundas Raízes da Guerra”, foi promovida por esses pesos pesados ​​intelectuais como Steven Pinker, Edward Wilson, Jared Diamond, Richard Wrangham, Francis Fukuyama e David Brooks.

“Macaco assassino” cena em 1968, o filme de Stanley Kubrick “2001: Uma Odisséia no Espaço” não tem base na realidade.

A Teoria de raízes profundas não aborda apenas a violenta agressão humana em geral, mas uma manifestação particular do mesmo, envolvendo ataques de um grupo contra o outro. A teoria argumentam que, como guerreiros que somos hoje, estávamos muito mais guerreiros, antes do advento da civilização.

Pinker afirma em seu bestseller Better Angels of Our Nature que a “invasão crônica e rixas caracterizam a vida em um estado de natureza.” Em The Social Conquest of the Earth, Wilson chama de “maldição hereditária da humanidade.” A Teoria de raízes profundas tornou-se extremamente popular, especialmente considerando que a prova para isso é extremamente frágil.

Um estudo publicado na revista Science, “Lethal Aggression in Mobile Forager Bands and Implications for the Origins of War“, fornece mais evidências contrárias à teoria de raízes profundas. Os autores do estudo, os antropólogos Douglas Fry e Patrik Soderberg de Abo Akademi University, na Finlândia, dizem que suas descobertas “contradizem as afirmações recentes de que [forrageiros móveis] regularmente se envolvem em guerra aliadamente contra outros grupos.”

Fry e Soderberg focam em grupos forrageiros móveis, também chamados de nômades caçadores-coletores, porque seu comportamento, acredita-se, proporciona uma janela para a evolução humana. Nossos ancestrais viviam vagando como forrageiros a partir do surgimento do gênero Homo cerca de 2 milhões de anos atrás até cerca de 10.000 anos atrás, quando os humanos começaram a aumentar as safras, domesticaram animais e estabeleceram-se em sociedades mais complexas, hierárquicas.

Fry e Soderberg examinar dados sobre a violência letal de 21 sociedades coletoras móveis observadas pelos etnógrafos. As sociedades incluem os Aranda e Tiwi da Austrália; Kaska, Copper Inuit e Montagnais da América do Norte; os Botocudos da América do Sul; !Kung, Hadza e Mbuti da África; e Vedda e Andamanese do sul da Ásia.

Fry e Soderberg contaram um total de 148 “eventos de agressões letais” nas sociedades. Os pesquisadores distinguem a violência envolvendo pessoas que pertencem ao mesmo grupo e são muitas vezes relacionados; e a violência entre pessoas de diferentes grupos. Eles também distinguem a violência envolvendo apenas um agressor e vítima, e violência envolvendo pelo menos dois assassinos e duas vítimas.

Estas distinções são cruciais, porque a guerra é, por definição, uma atividade de grupo. A teoria de profundas raízes muitas vezes conta todas as formas de violência mortal, não só a violência do grupo, como prova de sua teoria. (Eles também costumam contar violência nas sociedades que praticam horticultura, como os Ianomâmi da Amazônia, apesar da horticultura ser uma invenção humana relativamente recente.)

Das 21 sociedades examinadas por Fry e Soderberg, três não tinham mortes observadas de qualquer tipo, e 10 não tinham assassinatos realizados por mais de um agressor. Em apenas seis sociedades os etnógrafos registraram assassinatos que envolvem dois ou mais agressores e duas ou mais vítimas. No entanto, uma única sociedade, a Tiwi da Austrália, foi responsável por quase todos esses assassinatos em grupo.

Alguns outros pontos de interesse: 96% dos assassinos eram do sexo masculino. Não há surpresa nisso. Mas alguns leitores podem ficar surpresos que apenas duas das 148 mortes resultaram de uma luta por mais “recursos”, tais como a terra, água, caça ou árvores de fruto. Nove episódios de agressão letal evolviam maridos matando esposas, três envolviam “execução” de um indivíduo em um grupo por outros membros do grupo, sete envolviam a execução de “forasteiros”, como colonizadores ou missionários.

A maioria das mortes resultou no que Fry e Soderberg categorizam como “diversas disputas pessoais”, envolvendo ciúmes, roubo, insultos e assim por diante. A causa específica mais comum das violências mortais envolvem simples ou múltiplos autores – foi uma vingança por um ataque anterior.

Estes dados corroboram a teoria da guerra avançada por Margaret Mead, em 1940. Observando que algumas sociedades de forrageamento simples, como os aborígines australianos, pode ser guerreiras, Mead rejeitou a ideia de que a guerra era uma consequência da civilização. Mas ela também rejeitou a noção de que a guerra é inata a “necessidade biológica”, como ela dizia, simplesmente apontando (como Fry e Soderberg fazem) que algumas sociedades não se envolvem em violência intergrupal.

Mead (novamente como Fry e Soderberg) não encontrou nenhuma evidência para o que poderia ser chamado de teoria malthusiana da guerra, que sustenta que a guerra é a conseqüência inevitável da competição por recursos.

Em vez disso, Mead propôs que a guerra é uma “invenção” cultural, na linguagem moderna, um meme, que pode surgir em qualquer sociedade, desde o mais simples ao mais complexo. Uma vez que ela surge, a guerra, muitas vezes torna-se auto-perpetuante, com ataques de um grupo provocando represálias e ataques preventivos por outros.

O meme da guerra também transforma as sociedades, militarizando-as, de forma a tornar a guerra mais provável. Os Tiwi parecem ser uma sociedade que adotou a guerra como um meio de vida. Assim são os Estados Unidos da América.

A Teoria de raízes profundas é insidiosa, pois leva muitas pessoas a sucumbir à noção fatalista de que a guerra é inevitável. Errado. Guerra não é nem inata nem inevitável.

A idéia de guerra como uma invenção moderna

Quando a guerra começou? A guerra tem raízes profundas, ou é uma invenção moderna? A nova análise de restos humanos antigos pelos antropólogos Jonathan Haas e Mateus Piscitelli do Field Museum of Chicago fornece fortes evidências para o segundo ponto de vista.

Esqueletos de 13 mil anos de idade em vala comum perto do Nilo são a evidência mais antiga de violência em grupo. Foto do sepultamento no sítio arqueológico Jebel Sahaba, no Sudão, por Fred Wendorf, http://www.chaz.org.

 

Mas antes de eu chegar ao trabalho de Haas e Piscitelli, eu gostaria de voltar rapidamente para o texto anterior, que descreve um estudo de forrageiros modernos (também chamados de caçadores), cujo comportamento é considerado semelhante ao de nossos ancestrais da Idade da Pedra. O estudo descobriu que forrageiros modernos têm se engajado em pouca ou nenhuma guerra – definida como um ataque letal por duas ou mais pessoas em um grupo contra outro grupo. Esta descoberta contradiz a afirmação de que a guerra surgir centenas de milhares ou mesmo milhões de anos atrás.

Os defensores da Teoria de raízes profundas nivelaram várias críticas ao estudo dos forrageiros. Eles reclamam que forrageiros examinados no estudo e forrageiros modernas em geral, têm sido pacificados por estados vizinhos. Ou os forrageiros são “isolados”, que vivem em regiões remotas, onde raramente entram em contato com outros grupos. Em outras palavras, essas sociedades de forrageamento são atípicas.

Mas você poderia argumentar que todas as sociedades tribais modernas são atípicas, incluindo aqueles citados pelos defensores das raízes profundas como evidência para a sua posição. Tomemos, por exemplo, os Ianomâmi, uma sociedade amazônica, que é extremamente guerreira, de acordo com o antropólogo Napoleon Chagnon, que começou a observá-los em 1960.

Os Ianomâmi praticam agricultura, o que faz deles um pobre exemplo de comparação com nômades caçadores-coletores da Idade da Pedra. Atípico. Além disso, mesmo Chagnon reconhece que alguns Ianomâmi são muito mais violentos do que os outros. Claro, as raízes profundas afirmam que estes Ianomâmi relativamente pacíficos são atípicos.

Quando os defensores das raízes profundas se queixam de que a sociedade é atípica, eles realmente querem dizer que a sociedade não é tão violento como previsto pela teoria das raízes profundas. Eles são culpados de viés de confirmação notória, e raciocínio circular.

Os defensores das raízes profundas exibem essa mesma característica quando se trata do Pan troglodytes, nosso mais próximo parente genético. Desde meados dos anos 1970, os pesquisadores observaram chimpanzés de uma tribo matar membros de outra tribo, provando, de acordo com os defensores das raízes profundas, que as raízes da violência entre grupos são ainda mais velhas do que o gênero Homo.

Esses defensores convenientemente ignoram o fato de algumas comunidades Pan troglodytes terem sido observadas por muitos anos sem realizar um ataque letal. Além disso, os pesquisadores não observaram um ataque mortal pelo chimpanzé da espécie Pan paniscus, também conhecido como bonobos. Os defensores insistem que apenas os chimpanzés mais violentos são representativos de nossa ancestralidade primordial, embora o Pan paniscus seja tão geneticamente relacionado a nós, como Pan troglodytes.

Para ser justo, os defensores da ideia de que a guerra é uma invenção cultural recente, eu vou chamá-los de Inventores, também jogam este jogo. Eles encontram razões para descrever o extremamente violento comportamento tanto por chimpanzés ou humanos, como atípico. Por exemplo, tanto chimpanzés e Ianomâmis fazem guerra podendo ser resposta a uma recente invasão de seu habitat por sociedades externas.

Mas os “Inventores” também podem apontar para uma fonte muito mais persuasiva de dados de apoio a sua posição: o registro arqueológico. A mais antiga evidência clara da violência de grupo mortal é uma vala comum, estimada em 13 mil anos de idade, encontrado na região de Jebel Sahaba no Sudão, perto do Rio Nilo. Dos 59 esqueletos no túmulo, 24 apresentam marcas de violência, como marcas de corte e pontas de projétil (líticas) embutidas.

Mesmo este site é um “outlier”. A grande maioria das evidências arqueológicas para a guerra – que consiste de esqueletos marcados pela violência, as artes que retratam batalhas, fortificações defensivas, e armas claramente projetadas para a guerra ao invés vez de caça – possuim menos de 10.000 anos de idade.

Os defensores das raízes profundas tentam descartar esses fatos, recorrendo ao velho argumento de que a ausência de evidência não é igual a evidência de ausência. Alegam, em outras palavras, que não há evidências significativas de qualquer atividade humana anterior a 10.000 anos atrás.

Para refutar essa acusação, Haas e Piscitelli realizaram recentemente um levantamento exaustivo dos restos humanos de mais de 10.000 anos de idade descritos na literatura científica. Eles contaram mais de 2.900 esqueletos de mais de 400 locais diferentes. Sem contar os esqueletos de Jebel Sahaba, Haas e Piscitelli encontraram quatro esqueletos separados tendo sinais de violência, resultado de homicídio, e não de guerra.

Esta “falta de provas“, Haas continuou, “está em contraste com os períodos posteriores, quando a guerra aparece claramente neste registro histórico das sociedades específicas e é marcado por marcadores de violência nos esqueletos, nas armas de guerra, locais de defesa e arquitetura, etc“.

Haas e Piscitelli apresentam seus dados em “The Prehistory of Warfare: Misled by Ethnography“, um capítulo de War, Peace, and Human Nature, uma coleção de ensaios publicados este ano pela Oxford University Press. O livro foi editado pelo antropólogo Douglas Fry, co-autor do estudo sobre forrageiros descrito anteriormente.

Declarando que a guerra é galopante entre quase todos os caçadores e coletores (bem como os chimpanzés astutos e agressivos) se encaixa bem com a percepção do público comum das profundas raízes históricas e biológicas de guerra“, escrevem Haas e Piscitelli. “A suposta universalidade da guerra na história da humanidade e ancestralidade pode ser satisfatória para o sentimento popular, no entanto, tal universalidade carece de suporte empírico.

Muitas pessoas pensam que a guerra, se antiga e inata, também deve ser inevitável. O presidente Barack Obama parecia expressar essa noção em 2009, quando ele aceitou o Prêmio Nobel da Paz, apenas nove dias depois de ter anunciado uma grande escalada de guerra dos EUA no Afeganistão.

A guerra, de uma forma ou de outra, apareceu com o primeiro homem“, disse Obama. Ele acrescentou: “Devemos começar reconhecendo a dura verdade: não vamos erradicar os conflitos violentos em nossas vidas.”

Quando será que os defensores das profundas raízes da guerra reconhecerão que eles estão errados?

Esclarecimento: Alguns leitores podem concluir com base na minha crítica dos defensores das raízes profundas que são todos os falcões, belicistas, que pensam que a guerra, porque é inata, é inevitável e talvez até benéfica em algum sentido. Tais visões eram bastante comuns, especialmente na era do darwinismo social.  O Presidente Teddy Roosevelt disse uma vez, por exemplo, “Todas as grandes corridas magistrais têm enfrentado corridas. Nenhum triunfo da paz é tão grande como o triunfo supremo da guerra“. Nenhum dos defensores da teoria das raizes profundas que citei defendem tal disparate odioso. Todos ardentemente esperam que a humanidade possa erradicar ou pelo menos reduzir significativamente a frequência de guerra. Os defensores acreditam que estaremos melhor equipados para resolver o problema da guerra, se aceitarmos a teoria de raízes profundas. Claro, eu não concordo com eles sobre este ponto. Como indicado pelos comentários acima do presidente Barack Obama, bem como os comentários no meu blog, a Teoria de raízes profundas leva muitas pessoas a serem pessimistas sobre as perspectivas para acabar com a guerra, uma visão que pode ser auto-realizável. Eu, no entanto aceito a teoria das raízes profundas se as evidências apoiarem, mas as evidências apontam em outra direção. Essa é a minha principal fonte de desacordo com os defensores. No interesse de um diálogo construtivo, no entanto, estou fornecendo um link (no final do texto), enviado a mim pelo antropólogo e proeminente profundo defensor Richard Wrangham, a uma coluna de apoio a sua posição. Na coluna, o cientista político e auto-descrito “conservador darwinista” Larry Arnhart afirma que “explicar a tendência evolutiva para a guerra na natureza humana não é afirmar isso como uma necessidade que não pode ser mudado. Na verdade, a compreensão de guerra como uma propensão natural pode ser uma pré-condição para a compreensão de como melhor promover a paz”. Ok, então todos nós queremos paz. Nós apenas discordamos sobre como chegar lá. Há mais para vir.

Fonte: Scientific American

————————————-

Para saber mais

Acesso ao artigo de Fry e Söderberg: Lethal Aggression in Mobile Forager Bands and Implications for the Origins of War

Texto de Horgan: Will War Ever End?

Texto de Horgan: No, War is Not Inevitable

Reportagem de Bruce Bower sobre a guerra como uma invenção moderna e o estudo realizado sobre caçadores-coletores: War arose recently, anthropologists contend

Texto de Horgan: Is “Sociobiologist” Napoleon Chagnon Really a Disciple of Margaret Mead?

Texto de Horgan: Quitting the hominid fight club: The evidence is flimsy for innate chimpanzee–let alone human–warfare

Livro: War, Peace and Human Nature

Texto de Anhart: The MPS in the Galapagos (11): Wrangham on the Evolution of War

Anúncios

2 comentários em “A guerra tem profundas raízes evolutivas na pré-história? Ou é invenção moderna?

  1. Fabio Candotti
    16/02/2015

    Deleuze e Guattari levantaram hipóteses muitíssimo interessantes sobre esse tema no capítulo 12 do livro “Mil Platôs” [1980], que não por acaso se chama “1227 – TRATADO DE NOMADOLOGIA: A MÁQUINA DE GUERRA”. 1227 é a data da morte do Gengis Kahn. A questão central para eles é a relação entre Estados e máquinas de guerra. Segundo eles, a máquina de guerra dos povos nômades só tem a guerra como “objeto” quando são “capturados” pelo Estado. Mas não estão interessados no surgimento do Estado e, portanto, dessa “captura”. Tratam da co-existência entre essas formações sociais distintas: o Estado “capturando” e a máquina de guerra “fugindo”… Até a formação de uma máquina de guerra mundial no século XX. Gostaria muito de ter um “parecer” desse texto, que é de 1980, por parte de algum arqueólogo.

    • JuCa
      16/02/2015

      O livro que você se refere é um livro de filosofia, correto? Não sei qual seria a ajuda de um arqueólogo sobre o texto, uma vez que arqueólogos e filósofos constroem o conhecimento de formas bem diferentes. Os arqueólogos estão interessados em, primeiramente, estudar os vestígios materiais que possam dar algum indício sobre a guerra, a violência, organização social, etc. Mas acredito que a opinião da maioria dos arqueólogos seria de que é impossível generalizar os “povos nômades” dessa maneira. Qual a base que o escritor tem para falar isso? Teríamos que ler o livro para entender o contexto completo do raciocínio dele. Pouco arqueólogos atuais acreditam em leis gerais para diferentes povos, uma vez que as evidências apontam uma diversidade gigantesca entre as mais diversas sociedades, pré-históricas ou modernas. O negócio é realmente pedir a opinião de um arqueólogo interessado na temática de “guerra”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 31/07/2013 por em Reportagens.

Siga-nos no Facebook, e acesse mais conteúdo

Siga-nos no Twitter

%d blogueiros gostam disto: