Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Extinção da Megafauna há 12mil anos acabou com os nutrientes da Amazônia

Por Chris Doughty da, University of Oxford

5jrvx5t4-1376394327

Glyptodon

Se a Terra fosse como um corpo humano, animais de grande porte seriam suas artérias, movendo os nutrientes de onde eles são abundantes para onde eles são necessários. Atualmente, o planeta tem grandes regiões onde a vida é limitada pela falta de nutrientes essenciais, como o fósforo. A Bacia Amazônica Oriental, por exemplo, é composta de árvores que crescem de forma relativamente lenta, devido ao fósforo limitado. Da mesma forma, a vida animal em grande parte da Amazônia central é limitada pela falta de sódio.

Tão recentemente quanto 12 mil anos atrás, boa parte do mundo parecia uma savana africana. A América do Sul fervilhava com animais de grande porte que se sobrepunham com humanos pré-históricos, incluindo várias espécies de criaturas elefantídeas, preguiças gigantes e tatus do tamanho de um carro pequeno.


Esqueleto de Megatherium, a preguiça gigante

Na América do Sul, a maioria dos nutrientes é originária da Cordilheira dos Andes e é arrastada para as florestas por meio do sistema fluvial. No entanto, em terra firme, estes nutrientes ficam em falta a menos que eles sejam transportados por animais em seus corpos e depositadas em seu esterco. Enquanto pequenos animais distribuem nutrientes em pequenas distâncias, animais de grande porte têm uma gama muito maior. Por exemplo, grandes animais têm gamas de habitats maiores do que os pequenos animais, eles comem mais, e eles têm entranhas mais longas. Quando estes animais de grande porte foram extintos, o seu habitat perdeu não só eles, mas os nutrientes que eles transportavam.

Com meus colegas, desenvolvemos um modelo matemático, semelhante ao utilizado por físicos para calcular a difusão do calor, para estimar a capacidade dos animais de distribuir nutrientes. O modelo é baseado no tamanho do corpo do animal, com base em dados existentes de seus restos fossilizados. A partir disso, pode-se estimar o quanto os animais comiam, defecavam, ​ ​e a variedade e distância que viajavam.

Nosso modelo indica que animais de grande porte não são apenas importantes, mas desproporcionalmente mais importantes do que animais de pequeno porte para espalhar nutrientes. Este modelo permite-nos calcular a capacidade dos animais para distribuir nutrientes em qualquer parte do planeta, em qualquer momento, se o tamanho e a distribuição média do animal é conhecido. Também pode ser utilizada para estimar os efeitos das extinções do passado, tais como as do Amazonas. E além disso ele pode prever os efeitos de potenciais eventos no futuro, por exemplo, os efeitos sobre a fertilidade do solo na África, se os elefantes forem extintos.

Descobrimos que as extinções em massa de animais de grande porte na Amazônia há 12.000 anos atrás desligou esta bomba natural de nutrientes por um maciço de 98%. Nutrientes vitais, tais como o fósforo já não estavam espalhados pela região, mas ficaram concentrados nas áreas que beiravam as várzeas. Mesmo milhares de anos após a extinção, a bacia amazônica ainda não se recuperou dessa mudança. Nutrientes podem continuar a diminuir na Amazônia e em outras regiões do mundo durante milhares de anos.

Pessoas adicionam nutrientes para o planeta usando fertilizante na agricultura. No entanto, enquanto animais de grande porte tendem a distribuir nutrientes, nós tendemos a concentra-los. Animais de grande porte, como o gado, são agora cercados e incapazes de se espalhar nutrientes a sua maneira do mesmo jeito que criaturas livres. Então, hoje, algumas áreas têm muitos nutrientes (áreas próximas a agricultura) e outras áreas muito poucos (ecossistemas naturais).

No planeta de hoje, o fornecimento de nutrientes no solo é determinada por depósitos fluviais ou nutrientes que estão no ar. No entanto, esta análise sugere que podemos estar passando por uma fase peculiar de pós-extinção na Amazônia, e, provavelmente, muitas outras partes do mundo onde os animais de grande porte, uma vez desempenharam um papel vital na fertilização sua paisagem. Se os seres humanos contribuíram para a extinção em massa de animais de grande porte há 12.000 anos atrás, então o impacto humano sobre o meio ambiente em escala global começou antes mesmo do início da agricultura.

Fonte: https://theconversation.com/megafauna-extinction-affects-ecosystems-12-000-years-later-16977

Acesso ao artigo sobre o modelo matemático aplicado na Amazônia:

http://www.nature.com/ngeo/journal/vaop/ncurrent/full/ngeo1895.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 20/08/2013 por em Artigos, Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: