Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Paleopatologia – Como o estúdo de múmias pode ajudar no combate às doenças modernas

Por Roxanne Khamsi

Ao comparar as doenças antigas e modernas, cientistas podem aprender como elas se espalham. Talvez eles possam aprender a combatê-las, também.

Esta é a múmia de Amenhotep III, avô do rei Tut. Crédito: Getty Images/Kenneth Garrett

No início deste ano , cientistas publicaram um estudo de copro inteiro de tomografias computadorizadas de 137 múmias: provenientes do Egito antigo, Peru, Pueblos ancestrais do sudoeste dos EUA, e de caçadores-coletores Unangan das Ilhas Aleutas . Eles relataram sinais de aterosclerose, um perigoso endurecimento da artéria que pode levar a ataques cardíacos ou acidente vascular cerebral em 34% deles. O que impressionou a equipe de pesquisa , liderada por Randall Thompson, da Mid America Heart Institute de São Lucas, em Kansas City, Missouri, foi que isso afetou múmias de todos os grupos. Frank Rühli, diretor do projeto suíço Múmia, da Universidade de Zurique, também vê a condição em cerca de 30% a 50% dos espécimes adultos que ele estuda. A amplitude destes resultados sugere que a aterosclerose hoje em dia pode ter menos a ver com excessos modernos, como comer em excesso e muito mais com subjacente fatores genéticos que parecem presentes em uma determinada porcentagem de seres humanos que vivem em quase qualquer lugar do mundo. Algum dia, a identificação desses genes pode levar a novas drogas para doenças cardíacas.

Múmias antigas podem fornecer uma riqueza de informações sobre a saúde de civilizações antigas, que podem nos ajudar a melhorar o tratamento de doenças hoje. Mas como múmias são raras e delicadas, os pesquisadores têm sido limitados no que poderiam fazer para eles, e, portanto, o que eles poderiam aprender com eles. As recentes melhorias de dois instrumentos médicos (de sequenciamento de DNA , o que pode revelar infecções microbianas; e tomografia computadorizada) , estão permitindo aos paleopatólogos diagnosticar causas de morte de múmias em detalhe. Eles estão agora encontrando sinais de tudo, de câncer de próstata à malária em múmias em todo o mundo. Ao comparar as antigas formas dessas doenças com seus equivalentes contemporâneos, os pesquisadores podem aprender como essas doenças evoluíram, o que os torna tão prejudiciais, e possivelmente como combatê-las.

No caso da tuberculose (TB), que mata mais de 1,4 milhões de pessoas por ano, os pesquisadores estão usando sequenciamento de DNA e tomografia computadorizada em múmias para entender o que prospera em condições de TB e como tratá-la. O trabalho de Haagen Klaus , um bioantropólogo da George Mason University, sugere que, ao contrário do que alguns especialistas pensam, os europeus poderiam ter trazido uma forma particularmente letal de TB para as Américas. Seus dados preliminares de DNA sugerem que os vestígios peruanos que remontam ao século 10, antes de exploradores espanhóis chegarem, podem ter sido infectados com uma cepa mais benigna da bactéria de TB Mycobacterium tuberculosis, ou de uma espécie totalmente diferente, Mycobacterium kansasii. E muitos estudos têm mostrado que os corpos dos centro-americanos de antes e depois do contato europeu raramente , ou nunca, mostram sinais de sintomas da tuberculose. Klaus subscreve a hipótese de que isso pode ser porque M. tuberculosis prospera na presença de ferro, e essas pessoas tinham uma dieta pobre em ferro, com pouca carne. Se for verdade, essa percepção poderia apontar para novas drogas que inibem o M. tuberculosis de ocupar ferro.

Pesquisadores usam imagens de ressonância magnética para ver dentro das múmias, assim como fizeram com esta múmia do Perú. Crédito: Siemens Press Picture.

Outros cientistas estão usando sequenciamento de DNA para investigar a doença de Chagas, uma doença causada pelo parasita Trypanosoma cruzi, que pode causar insuficiência cardíaca fatal ou inchaço dos órgãos do sistema digestivo. O parasita infecta cerca de 10 milhões de pessoas, principalmente na América Latina, e parece estar se espalhando. Alguns pensam que diferentes cepas do parasita afetam diferentes órgãos. Assim, em 2008, quando Ana Carolina Vicente e Ana Jansen, da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro relataram sua descoberta do T. cruzi no cólon ampliado de um corpo mumificado de 560 anos do Brasil, elas podem ter encontrado uma importante pista. Anteriormente, elas descobriram  T. cruzi numa amostra de osso de 4.500 a 7.000 anos atrás. A comparação do DNA de diferentes amostras do parasita poderia revelar mais sobre a sua evolução e propagação, e talvez influenciar o tratamento algum dia.

Paleopatólogos também estão aproveitando a ressonância magnética (MRI), que detecta sinais de água. Múmias secas não tem sido perfeitas para esta técnica, mas as recentes melhorias na MRI são capazes de obter melhores imagens dos tecidos moles, como a língua. Além disso, ao contrário da radiação de tomografia computadorizada, a ressonância magnética não tem qualquer possível risco de prejudicar evidencias de DNA.

FONTE: Popular Science

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 04/10/2013 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: