Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

O garoto Anzick: O único esqueleto já encontrado da cultura Clovis tem seu genoma mapeado

O garoto de Anzick tem uma datação de cerca de 12.600 anos atrás, sendo um dos raros esqueletos com datação mais antiga na América. Outros esqueletos antigos na América que pode ser lembrados são os esqueletos da mulher de Peñon 3, encontrada no México; e Luzia, encontrada no Brasil. A mulher de Peñon 3 foi datada em até 12.700 anos atrás, e Luzia foi datada em até 13.155 anos, sendo o esqueleto mais antigo da América. O garoto de Anzick é relativamente contemporâneo aos outros dois esqueletos.

Os remanescentes ósseos foram encontrados juntos a diversos artefatos líticos, incluindo pontas de lanças com lascamento bifacial e artefatos ósseos.

America's only Clovis skeleton genome offers clues to Native American ancestry

Artefatos encontrados no mesmo contexto do esqueleto de Anzick. Crédito da imagem: Sarah Anzick.

Hoje foi publicado na Revista Nature o artigo que revela os resultados do mapeamento genético do garoto de Anzick. De acordo com os autores do artigo, 80% do DNA do esqueleto é comum ao DNA dos atuais nativo americanos (indígenas atuais).

Estes dados são contrários aos dados de análise craniométrica realizados pelo bioantropólogo brasileiro Walter Neves, cujos resultados demonstram que os esqueletos mais antigos da América tem uma biologia “austrolo-melanésia” – ou seja, seriam muito mais semelhantes à população Africana ou Aborígene do mesmo período em questão.

Em outras palavras, enquanto Luzia e seu povo, e quase todos os esqueletos do Holoceno Inicial apresentam uma craniometria “austrolo-melanésia”, por outro estudos genéticos apontam que o garoto de Anzick (contemporâneo de Luzia) e seu povo tem outras origens. Paralelamente a isso, a mulher de Peñon 3 também apresenta um crânio distinto distinto dos indígenas atuais, mas também é distinto de Luzia. Nesse sentido, estes três esqueletos pertenceriam a três populações biologicamente distintas.

Ou seja, apenas a população com a mesma biologia de Anzick deixou descendentes atuais, enquanto as outras duas populações biologicamente distintas teriam desaparecido do continente.

Geographic and 14 C dating overview, and examples of artefacts from the site.

A – Localização do sítio e a cobertura glacial entre 16~13 mil anos atrás na América do Norte; B – Foto do sítio arqueológico; C – Datações do sítio Anzick em relação às datações de outros sítios da cultura Clovis; D – Ponta de projétil encontrada em Anzick; E – Artefatos ósseo de Anzick. Fonte da imagem: Rasmussen et al (2014)

Para saber mais sobre o assunto:

Anúncios

4 comentários em “O garoto Anzick: O único esqueleto já encontrado da cultura Clovis tem seu genoma mapeado

  1. Marcio Amaral
    13/02/2014

    Uma projecao hemisferica do desaparecimento de dois de um grupo de tres?
    Usando como base somente tres remanescentes osseos?
    E uma afirmacao um tanto quanto precipitada!

    • JuCa
      13/02/2014

      Marcio, no caso do grupo de Luzia, dezenas de crânios foram analisados para que se chegasse a conclusão da existência desse grupo, que até o momento se mostrou como a grande maioria durante esse período.

  2. Thomas J. Schrage
    14/02/2014

    Não entendi porque são contrários.

    (ps: não li ainda o artigo original da Nature)

    Veja bem: o Walter disse que houve pelo menos dois grandes grupos que adentraram nosso continente. Um “mongolóide”, que seriam os Clovis, e por extensão, o Anzick.

    Outro grupo seriam os “negróides”, como a Luzia. Que de fato deixaram muito poucos descendentes.

    Em nenhum momento pode-se considerar que o Anzick e Luzia são do mesmo povo, só por ter idades “próximas”, de… mil anos! sem contar que a dataçã de Luzia pode abrir margens para dúvida.

    Pode ser que o Walter tenha errado em datas mas não em grupos.

    No mais, deveriam fazer a análise craniania do Anzick, e aí sim, ver se é a mesma de Luzia ou do grupo mongolóide – ou ainda um terceiro grupo.

    Se o crânio dele ficar no grupo negróide, e o DNA, mongolóide, aí sim é contraditório. E não se basear em datas.!!!

    • JuCa
      15/02/2014

      Ninguém falou em nada ser contraditório… Mas apenas que as evidências apontam que nessa mesma faixa cronológica existe mais de um mesmo grupo biológico no continente americano.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 12/02/2014 por em Artigos, Reportagens.

Siga-nos no Facebook, e acesse mais conteúdo

Siga-nos no Twitter

%d blogueiros gostam disto: