Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

O Mais Antigo Consumo de Peixes no Mundo

Texto de Ann Gibons:

Deve ter sido o primeiro sushi bar do tipo “coma o quanto puder”. Cerca de 1,95 milhões de anos atrás, um grupo de ancestrais humanos se assentou nas margens de um antigo lago ou rio no Quênia e reuniu os peixes e outros animais aquáticos da costa e em águas rasas. Usando instrumentos de pedra, eles desossaram um peixe-gato, evisceraram uma tartaruga, e descarnaram o pé de um crocodilo.

Marcas de corte num osso de pé de crocodilo demonstra que os ancestrais humanos estavam comendo animais aquáticos neste sítio arqueológico do Quênia. Imagem: David Braun.

Hoje, suas sobras – na forma de centenas de ossos e vários milhares de instrumentos de pedra – são as primeiras “provas definitivas” de hominídeos massacrando e comendo animais aquáticos, que são ricos em ácidos graxos essenciais para o cultivo de cérebros maiores. Os resultados foram publicados na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências.

CLIQUE AQUI para acessar o artigo completo no PNAS.

Os primeiros  cérebros humanos nitidamente maiores aparecem com o Homo erectus, cerca de 1,8 milhões de anos atrás, e os pesquisadores há muito tempo pensam que os nossos antepassados ​​começaram a comer mais carne por 2 milhões de anos atrás para abastecer o impulso dramático na massa cinzenta. Alguns sugeriram que os peixes, crustáceos e moluscos deve ter aparecido no menu ao mesmo tempo, porque o marisco é rico em ácido docosahexaenóico e ácido araquidônico, também conhecidos como ácidos graxos ômega-3 e ômega-6, que são essenciais para o crescimento do cérebro humano  Mas, exceto para os ossos de dois peixes-gato datados de cerca de 1,8 milhões de anos atrás em Olduvai Gorge, na Tanzânia, houveram poucas evidências de alimentação por peixe tão cedo na evolução humana. Certamente, hominídeos comiam peixe quando eles poderiam pegar ou coletá-los facilmente, mas onde estava a evidência?

Apenas o norte do lar do H. erectus em Koobi Fora, no Quênia, na verdade. O sítio arqueológico foi descoberto em 2004, quando o arqueólogo David Braun fez o levantamento das terras áridas do nordeste do Koobi Fora, como parte de uma escola de campo executada pela Universidade de Rutgers, em Nova Jersey, onde ele era um estudante de pós-graduação. Ele e seu assessor Jack Harris encontraram milhares de lascas de pedra, núcleos e fragmentos lascados de basalto e datados em 1,95 milhões de anos atrás. Braun, Harris, e seus colegas, também descobriram um diversificado leque de ossos de pelo menos 48 animais aquáticos e terrestres, incluindo 10 massacrados no local ao longo de várias semanas ou meses. Além de 41 ossos de bagre e 15 de outros peixes, eles encontraram marcas de corte nos ossos de outros animais de água doce, incluindo crocodilos e tartarugas.

Aqui vemos a primeira evidência conclusiva de hominídeos comendo peixe antes de haver um aumento dramático no crescimento do cérebro,” diz o co-autor Brian Richmond, um paleontólogo da Universidade George Washington, em Washington, DC. Mas, aparentemente, os hominídeos não eram exigentes: Eles também comeram antílopes, hipopótamos e rinocerontes – “qualquer tipo de tecido animal que poderia ter em suas mãos“, disse Richmond.

Estudos de isótopos de carbono nos dentes dos animais do geoquímico Naomi Levin, da Johns Hopkins University sugerem que o sítio açougue estava em habitat úmido, arborizada com palmeiras, talvez, uma fina faixa de floresta ao longo das margens de um rio ou lago. A identidade dos primeiros comedores de peixe ainda é um mistério – nenhum osso de hominídeo foi encontrados no local até o momento. Ambos os australopitecos e os primeiros membros do gênero Homo, como H. habilis, foram encontrados no leste de Turkana, e ambos poderiam ter deixado os instrumentos de pedra ali..

Mas ambos os hominídeos têm cérebros relativamente pequenos. Isso sugere que nossos ancestrais ampliaram sua dieta 1.95 milhões de anos atrás, abrindo o caminho para a expansão de seus cérebros e, talvez, a redução no tamanho dos dentes e maxilares, algo também visto em H. erectus, porque esses alimentos são relativamente fáceis de mastigar, mesmo cru. “A importância do sítio é a confirmação de que hominídeos neste período de tempo tinham uma dieta muito diversa … [inclusive] tartarugas e peixes“, diz Leslie Aiello, presidente da Fundação Wenner-Gren para a Pesquisa Antropológica em Nova York . “Tudo se encaixa muito bem com hipóteses para a expansão do cérebro, neste período de tempo.”

FONTE: Science

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 25/06/2014 por em Reportagens.

Siga-nos no Facebook, e acesse mais conteúdo

Siga-nos no Twitter

%d blogueiros gostam disto: