Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Dr. Jorge Eremites de Oliveira é o novo coordenador adjunto da área de Antropologia/Arqueologia da CAPES

A SAB informou semana passada que o Dr. Jorge Eremites de Oliveira é o novo coordenador adjunto da área de Antropologia/Arqueologia da CAPES, e seu mandato dura até 2017. Jorge Eremites se une ao coordenador Dr. Russell Parry Scott, antropólogo da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Ilustração do Dr. Jorge Eremites de Oliveira. Fonte: Lattes.

Jorge Eremites é historiador licenciado pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Possui mestrado e doutorado em história com concentração em arqueologia pela Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC RS), e é pós doutor em Antropologia Social pela Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (MN-UFRJ).

Atualmente, Jorge Eremites é pesquisador e docente da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) nos mestrados de Antropologia Social e de Memória Social e Patrimônio Cultural; além do curso de graduação em Antropologia (que possui áreas de concentração em Antropologia Social e Arqueologia).

Na arqueologia, Jorge Eremites tem atuado principalmente na área de etnoarqueologia.

Desejamos um bom mandato até 2017, e que Arqueologia e a Antropologia cresçam mais juntos à CAPES!

Anúncios

4 comentários em “Dr. Jorge Eremites de Oliveira é o novo coordenador adjunto da área de Antropologia/Arqueologia da CAPES

  1. Pingback: Área de Antropologia e Arqueologia da CAPES se manifesta sobre os cortes de verba em programas de pós-graduação | Arqueologia e Pré-História

  2. MAURICIO
    12/08/2017

    Este professor jorge eremites, é um professor de esquerda, assisti a uma palestra e saí bastante decepcionado com suas colocações odiosas de classes sociais e politicas. Também não admite em hipótese alguma receber críticas ou sugestões. Como pode ser um mestre especialista e como a universidade mantém um profissional que defende a escola partidária?

    • JuCa
      13/08/2017

      Olá, Maurício. Acho que você não é muito familiarizado com pesquisadores acadêmicos. Dificilmente você encontrará algum que defenda escola sem partidos ou que não tenha uma inclinação política para a esquerda. Isso acontece porque (em teoria) a academia de ensino e pesquisa é um meio através o qual os profissionais contribuem publicamente para trazer conhecimento a todos igualmente. Infelizmente isso não acontece como deveria, mas de um modo geral pesquisadores/professores vão sempre defender aquilo que é o melhor para as classes com menos oportunidades (as exceções são cientistas que visam apenas enriquecer, o que raramente acontece na academia). Se não houvessem essas classes sociais e politicas tão distintas não enfrentaríamos tantos problemas na formação de pesquisadores (e muitos outros problemas). Obviamente, nenhum cientista que trabalha em um órgão público em sã consciência defenderá escolas que não tomam partido a favor dos mais necessitados.

    • JORGE Eremites de Oliveira
      13/08/2017

      Você não passa de mais um estúpido insignificante a procura dos seus cinco minutos de fama à custa alheia. Conheco muito bem a sua estirpe colonialista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 11/01/2015 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: