Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

SCIENTIFIC AMERICAN – Nova espécie humana misteriosa emerge de um montão de fósseis

image

Lee Berger beija réplica de fósseis do H. Naledi em conferência na África do Sul dia 10 de setembro de 2015. Fonte: STEFAN HEUNIS/AGENCE FRANCE-PRESSE/GETTY IMAGES

Conheça Homo Naledi, o mais novo membro da família humana. Suas características físicas são estranhas, as suas circunstâncias são únicas e sua idade é totalmente desconhecida

Por Kate Wong

human-ancestor_fran-1

Reconstrução mostra como seria o rosto do ‘Homo Naledi‘, como foi batizada a nova espécie identificada a partir de ossos encontrados na África do Sul (Foto: Mark Thiessen/National Geographic via AP) Fonte: G1.

Em outubro de 2013, cientistas trabalhando na África do Sul anunciaram que tinham descoberto um tesouro de remanescentes fósseis humanos nas profundezas escuras como breu, de um sistema de cavernas subterrâneas. Eles começaram um esforço de recuperação rápida, que rendeu em aproximadamente 1.550 espécimes de ossos e dentes — apenas uma fração do material no local, mas já é o maior conjunto de fósseis humanos já encontrado em toda a África. Agora, a equipe publicou suas análises ansiosamente antecipadas dos restos mortais, e as conclusões são surpreendentes. Os pesquisadores sugerem que os fósseis representem uma espécie previamente desconhecida em nosso gênero, Homo, que teve uma mistura peculiar de traços físicos e engajados em um comportamento surpreendentemente sofisticado para o tamanho do seu cérebro. Mas a idade dos fósseis ainda será determinada, deixando outros cientistas sem saber o que fazer com eles.

Pesquisadoras recolheram os ossos a partir de uma câmara de difícil alcance a 30 metros abaixo do solo, no sistema de cavernas Rising Star na região do Berço da Humanidade na África do Sul, que é famosa por seus fósseis humanos. Em seu artigo descrevendo os novos vestígios, publicado na revista eLife, o paleoantropólogo Lee Berger, da Universidade de Witwatersrand em Joanesburgo, e seus colegas relatam que os restos mortais incluem múltiplos de quase todos os elementos do esqueleto e representam pelo menos 15 indivíduos. Para um campo em que até mesmo um osso isolado pode constituir uma grande descoberta, esta descoberta é uma herança inesperada.

Homo_naledi_2

Esqueleto e ossos de H. Naledi. Fonte: eLife Sciences.

Os fósseis apresentam uma combinação de características primitivas que trazem à mente os nossos antecessores australopitecinos antigos (incluindo Lucy e seus semelhantes) e características que estão associadas com o Homo. Por exemplo, a pélvis tem uma forma alargada como a dos Australopithecus, enquanto que a perna e o pé se parecem com os do Homo sapiens. Da mesma forma, o crânio combina uma pequena caixa craniana com um crânio que é formado como o dos primeiros Homo. Os dentes, por sua vez, são pequenos como os dos seres humanos modernos, mas o terceiro molar é maior do que os outros molares — um padrão associado com os australopitecinos. E os pares de membros superiores como um ombro de Australopithecus e dedos, com um pulso e palmas das mãos como as do Homo. “Tudo isso combinado nos deixa com uma criatura muito, muito estranha”, observa Berger.

Com cerca de 1,5 metros de altura, um cérebro pequeno, mãos hábeis e um corpo construído para o caminhar ereto assim como a escalada, esta criatura possuía um  mosaico de traços único, que Berger e seus co-autores pensam e revelam como uma nova espécie de ser humano. Dadas as muitas características Homo evidentes nos ossos — particularmente nas regiões que então em contato com o ambiente (pés, mãos e dentes) — a equipe coloca a criatura no gênero Homo, ao invés do Australopithecus, chamando-o de H. Naledi.

Mas exatamente onde o H. Naledi pertence na árvore genealógica humana, além de algum lugar no ramo Homo, não é claro. A confusão surge em grande parte, do fato de que, até agora os pesquisadores não foram capazes de determinar a idade dos ossos. Os ossos podem ser de vários milhões de anos ou dezenas de milhares de anos, embora a equipe pareça favorecer a ideia de que o H. Naledi decorra de um ponto próximo à origem do Homo. (O mais antigo fóssil conhecido de Homo é um osso de maxilar inferior da Etiópia, que data de 2,8 milhões de anos atrás).

Homo_naledi

Crânio de H. Naledi. (A) visão posterior e (B) frontal. Maxila (C) medial, (D) frontal, (E) superior, e (F) oclusal. (G) crânio em alinhamento anatômico com maxila e mandíbula em visão esquerda lateral. Mandíbula (H) oclusal, (I) basal, (J) direita lateral, e (K) anterior. Escala = 10 cm. – Fonte: http://elifesciences.org/content/4/e09560#sthash.zWdMuPVE.dpuf.

Independentemente de quão antigos os ossos do Homo Naledi possam ser, eles vão afetar drasticamente a forma como os cientistas interpretam a evolução humana, diz Berger. Se os restos são muito antigos e, então certos traços físicos e comportamentais associados ao posterior Homo emergiram surpreendentemente cedo, e, possivelmente, em espécies que não dão origem ao H. sapiens. Se os restos são intermediários na idade, alguns de seus traços mais australopitecinos poderiam ser o resultado de reversões, nas quais uma característica mais primitiva re-evolui, possivelmente porque ela se torna adaptativa novamente de alguma forma. Se os restos são jovens, em seguida, os cientistas terão que chegar a termos com o fato de que como uma espécie humana de cérebro pequeno e mãos de se empunhar ferramentas conseguiu persistir ao lado de espécies humanas com cérebros maiores — possivelmente incluindo o H. sapiens — por um surpreendente longo tempo . Nesse caso, diz o membro da equipe John Hawks, da Universidade de Wisconsin, talvez H. Naledi estava entre as espécies humanas arcaicas que se miscigenou com o H. sapiens contribuindo, assim, com DNA para a piscina de gene humano moderno, como os neandertais fizeram. (A equipe planeja tentar obter DNA dos ossos de H. Naledi, embora as condições quentes e úmidas no sistema de cavernas não sejam ideais para a preservação de DNA antigo.)

A anatomia misturada e combinada dos ossos H. Naledi não é o único aspecto intrigante desta descoberta, no entanto. Em outros sítios de fósseis no Berço da Humanidade, os fósseis são envoltos em sedimentos e ossos de animais, que são encontrados misturados com os restos humanos. Os ossos de humanos e animais parecidos se acumulam nessas cavernas através de eventos catastróficos como caindo em um buraco no chão em uma caverna subterrânea e ficando preso, ou se tornando o jantar para os grandes carnívoros que nessas cavernas. Mas os ossos de Rising Star não estão envoltos em sedimentos, nem quaisquer outros restos de animais vertebrados, para além de alguns roedores e aves, que os acompanham. Dada a ausência de qualquer evidência para indicar que os Homo Naledi caíram ou foram lavados para dentro da câmara subterrânea ou transportados para lá por predadores, a equipe da descoberta sugere que este ser humano com cérebro pequeno deliberadamente se eliminaram de seus mortos. Além disso, a localização dos ossos H. Naledi em uma câmara que parece ter sido sempre sem luz e de difícil acesso sugere que os seres humanos fizeram um grande esforço para levar os corpos para lá, e, possivelmente, precisaram de uma fonte de luz artificial (talvez uma tocha simples) para fazer isso. O comportamento é importante porque implica que H. Naledi tinha, como Hawks propõe: “um conhecimento cultural compartilhado de mortalidade.” Paul Dirks da James Cook University na Austrália e seus colegas publicaram suas análises  sobre a geologia do sítio e como o ossos teriam chegado lá em um segundo artigo publicado na eLife.

Dinaledi_Chamber_illustration

Ilustração da caverna onde os fósseis de H. Naledi foram encontrados. Fonte: http://elifesciences.org/content/4/e09561.

As alegações da equipe se encontraram com um ceticismo. “Eu a acho [a descoberta] fabulosa, mas confusa”, diz Susan Antón, da Universidade de Nova York, que estuda a evolução do Homo. Ela observa que os restos destacam um debate em curso entre os paleoantropólogos sobre o que constitui a espécie, em primeiro lugar. Os primeiros fósseis de Homo tendem a ser desconexos na melhor das hipóteses, o que torna difícil descobrir quais características primeiro distinguiram nosso gênero dos Australopithecus. O H. Naledi tem várias partes do corpo preservadas, mas “não temos nenhuma idéia do quão antigo este material é ou se é relevante para a origem do Homo”, comenta Antón.

Bernard Wood, da Universidade George Washington concorda com os autores que os restos mortais representem uma nova espécie, mas ele não acha que eles vão forçar especialistas para revisar a história abrangente da evolução humana. Em vez disso, ele suspeita que os ossos representem uma população rara que pode ter evoluído suas características únicas em relativo isolamento na África do Sul, que ele descreve como um beco sem saída na parte inferior do continente Africano. Outro ponto é mais uma espécie de cérebro pequeno de Homo, o H. floresiensis da ilha de Flores, na Indonésia, como outro exemplo de uma população tão rara.

A sugestão de que o H. Naledi, com o cérebro pequeno, sistematicamente se eliminou de seus mortos tem igualmente levantado as sobrancelhas. “Seria muito radical”, diz Alison Brooks, da Universidade George Washington. “Há pessoas que pensam que os neandertais não enterraram os seus mortos”, ela observa. (Neandertais são nossos parentes mais próximos; eles tinham cérebros tão grandes quanto o nosso próprio e envolvimento em uma série de comportamentos sofisticados. Se eles enterraram seus mortos ou não é uma questão de algum debate) “Eu não quero descartá-la completamente que eles estão certos, mas eu só acho que isso está tão longe, que eles realmente precisam de um padrão mais elevado de prova.” “Brooks acrescenta que a equipe teria um caso melhor se eles pudessem mostrar que os restos têm datação do mesmo período.

Mas, para outros observadores, a explicação preferida da equipe de como todos aqueles corpos de H. Naledi acabaram juntos, sem qualquer outro remanescente animal, prevalece. Travis Pickering da Universidade de Wisconsin, que já trabalhou em sítios de fósseis no Berço da Humanidade nos últimos 20 anos, chama as atenção para a raridade dos fósseis do H. Naledi, e diz que a eliminação intencional dos restos mortais de outros seres humanos é a mais sensata explicação para o fenômeno. Mas “se isso significa que o Homo Naledi foi uma espécie culturalmente avançada com práticas mortuárias bem desenvolvidos ou simplesmente uma uma atávica que teve o bom senso de não coabitar com cadáveres apodrecendo está atualmente sem resposta”, observa ele. Pickering acrescenta que é impossível dizer se os indivíduos H. Naledi foram atraídos ou empurrados para dentro da caverna para serem assassinados, ou se eles foram colocados ali, depois de mortos, como parte de um ritual. Na verdade, outras espécies humanas contemporâneas poderiam ter eliminado os ossos de H. Naledi naquele lugar.

BN-KF800_0910NA_J_20150910100642

Lee Berger na entrada da caverna onde os fósseis humanos foram encontrados. BRETT ELOFF/WITS UNIVERSITY/EUROPEAN PRESSPHOTO AGENCY. Fonte: The Wall Street Journal.

A equipe da descoberta está focada na possibilidade de que o H. Naledi se eliminaram de seus próprios mortos, no entanto – um comportamento que não é necessariamente inesperado, na opinião de Pickering. Observações dos chimpanzés modernos demonstram que os macacos com cérebros de tamanho modesto distinguem a morte da vida. Certamente, diz ele, uma espécie humana com um cérebro maior do que um chimpanzé seria capaz de fazer o mesmo tipo de conexão. “O que é importante sobre as novas observações fora de Rising Star é que elas poderiam estar confirmando este ponto,” Pickering oferece.

Por sua parte, Hawks observa que os insights comportamentais de Rising Star fazem um interessante paralelo com a história anatômica. “Nós temos todas essas coisas que nós pensamos ser humanas. Do ponto de vista anatômico, andar ereto é humano, um grande cérebro é humano, maõs para se fazer ferramentas são humanas. Mas todas estas coisas aconteceram em momentos diferentes em diferentes antepassados. O pacote que pensamos ser de humanos não apareceu simultaneamente “, observa ele.” Eu não sei porque nós pensaríamos que com o comportamento é diferente – um pacote evoluiu e diferentes partes apareceram em momentos diferentes “.

Fonte – Traduzido por Daniela Dias Ortega, de: Scientific American, com imagens adicionais.

Para acessar o artigo publicado pelos pesquisadores: eLife Sciences

Apresentação1

Uma das pesquisadoras responsáveis pela escavação dos fósseis humanos de H. Naledi. Fonte: The Wall Street Journal.

Entrevista com 5 perguntas à uma das pesquisadoras, Alia Gurtov: The Wall Street Journal (WSJ)

“A maioria dos pesquisadores, incluindo o líder da expedição Lee R. Berger, eram muito grandes para caberem nos estreitos caminhos que levam à caverna, então Berger recrutou uma equipe toda de mulheres pesquisadoras muito competentes e pequenas para executarem a escavação” (WSJ)

Vídeo exclusivo da pesquisa: National Geographic

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 15/09/2015 por em Reportagens.

Siga-nos no Facebook, e acesse mais conteúdo

Siga-nos no Twitter

%d blogueiros gostam disto: