Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Prêmio TED vai para arqueóloga que combate a pilhagem de sítios com tecnologia via satélite

Autoria do Texto:  Ralph Blumenthal & Tom Mashberg (New York Times)

Tradução: Brena Barros (arqueóloga formada pela UNIR)

O laptop dela transborda imagens de satélite recobertas com milhares de pontos pretos, evidência de escavações por todo o Egito onde saqueadores penetraram em busca de múmias, jóias e outros objetos de valor apreciados por colecionadores, anunciados em catálogos de leilões e traficadas no eBay, um  mercado negro  criminoso de escala global que movimenta bilhões de dólares.

Pela primeira  vez,  a tecnologia chega ao ponto em que podemos mapear saques“, diz Sarah H. Parcak, “arqueóloga satélite” pioneira, diretora-fundadora da Universidade de Alabama no Birmingham’s Laboratory for Global Observation e professora associada por lá.

Sarah H. Parcak, arqueólogoa da Universidade do Alabama, Estados Unidos. Foto: Hilary Swift

Satélite, olhos no céu, que transformaram a pesquisa por tesouros arqueológicos enterrados ao redor do mundo, agora estão sendo usados ​​para espionar os arquiinimigos da preservação cultural: exércitos de saqueadores que estão cada vez mais esburacando sítios arqueológicos com escavações ilícitas e acabando com um patrimônio inestimável.

Em nenhum lugar há um esforço de monitoramento mais avançado do que no Egito, onde um programa liderado pela Dra. Parcak e financiado pelo National Science Foundation  e National Geographic tem como alvo o roubo que, segundo especialistas, piorou após o caos da revolução de 2011.

Acompanhando o saque de sítios arqueológicos

Arqueólogos usam imagens de satélite como as apresentadas a seguir para rastrear possíveis saques de artefatos em locais de antigos sepultamentos. As duas primeiras imagens mostram uma área ao sul do Cairo, onde os túmulos subterrâneos de egípcios ricos do Reino Médio, por volta de 2030-1640 AC, estão localizados.

Sem título

Imagens de satélite por DigitalGlobe e Google Earth, fotografia de escavação pilhada, por Sarah H. Parcak. Fonte: Dra. Sarah H. Parcak, University of Alabama, Birmingham Por The New York Times

E agora, em um endosso poderoso de trabalho que deve fortalecer os esforços para por um fim aos saques em todo o Oriente Médio e no resto do mundo, o TED, fórum sem fins lucrativos com o lema “ideias que merecem ser espalhadas”, programou na segunda-feira o anúncio de que a Dra. Parcak ganhou sua mais prestigiosa honraria – um prêmio de US$ 1 milhão para desenvolver um projeto de sua escolha. Detalhes do projeto devem ser revelados em uma transmissão ao vivo da palestra da Dra. Parcak na sua conferência no TED em fevereiro, em Vancouver, British Columbia.

Pilhagens e destruição no Iraque e na Síria pelo Estado Islâmico, também conhecido como ISIS, têm atraído mais e mais atenção nos últimos meses. E roubo de vestígios culturais continua a ser um problema no Egito, onde na semana passada o governo apreendeu 1.124 artefatos roubados no porto de Damietta. Eles estavam a caminho da Tailândia, de acordo com a agência de notícias Al Bawaba.

Nós temos um grande desafio por isso estamos à procura de uma solução “fora da caixa”“, disse Ali Ahmed, diretor-geral do departamento de repatriamento do Ministério de Antiguidades egípcio, “e o trabalho de Sarah é parte disso.

Sem título

Localização de Lisht, no Egito.

Dra. Parcak, uma graduada em Yale com doutorado em Cambridge, já está se unindo com o Egito para treinar autoridades de lá para impedir os saqueadores, envolvendo líderes comunitários em atividades de turismo ligadas aos antigos sítios. Esse modelo foi desenvolvido pela Iniciativa de Conservação Sustentável no Peru, que também sofre uma crise de saques.

A cientista, que trabalha frequentemente com seu marido e colega, o arqueólogo Gregory Mumford, também ajudou o Departamento de Segurança Interna em investigações sigilosas, incluindo a operação Maldição da Múmia, que este ano repatriou dezenas de artefatos egípcios contrabandeados.

O comércio de antiguidades roubadas, muitas vezes impulsionada por desespero econômico, foi florescente desde tempos imemoriais mas agora aparece ligada a outras atividades criminosas, como tráfico de drogas e de armas em execução, e pode mesmo ser uma fonte de renda para ISIS“, disse a Dra. Parcak disse em uma entrevista.

Se é finaciamento do terrorismo?“, Ela disse. “A resposta é sim, mas não sabemos a escala.”

Igualmente prejudiciais para sítios antigos, disse ela, é a emergência da construção ilegal, frequentemente para cemitérios.

Modelo de madeira pintado de barco, no Museu Egípcio, no Cairo, é um tipo de artefato que saqueadores buscam em sítios arqueológicos. Foto: AHMED AMIN / EGYPTIAN MUSEUM, CAIRO, ALL RIGHTS RESERVED, VIA ICOM

Apenas 1 por cento dos prováveis ​​sítios arqueológicos do mundo foram identificados ou explorados, disse a Dra. Parcak, desse modo incontáveis sítios faltam ainda serem descobertos por cientistas ou saqueadores.

O uso de satélites para impedir saques se soma a uma lista crescente de meios tecnológicos  à serviço da arqueologia. A NASA no mês passado disponibilizou fotografias detalhadas feitas pelo  satélite DigitalGlobe, que mostram colossais terraplanagens de milhares de anos de idade recentemente descobertas nas estepes do Cazaquistão. Feixes de laser emitidos por aeronaves, chamados de LIDAR, penetram a superfície do solo para revelar cidades soterradas. A Polônia digitalizando informações de mais de 63.000 objetos roubados naquele país e que ainda estão desaparecidos desde a Segunda Guerra Mundial e plataformas de mídia social como o Twitter estão ajudando a espalhar rapidamente alarmes de roubo.

Um dos locais mais afetados dentre os documentados pela Dra Parcak é Lisht, a capital do Império Médio do Egito, que floresceu aproximadamente entre 2030 e 1640 AC. Ela disse que o número de escavações saqueadas plotadas a partir do espaço subiu para 515 em 2011, para 690 em 2012, com a área afetada se espalhando por mais de oito quilômetros quadrados de dois quilômetros quadrados. Em uma expedição ao local em maio, disse, ela mapeou 50 túmulos, quase todos haviam sido saqueados.

Os que permanecem abertos são os que  me preocupam“, disse ela. “É como um supermercado.” Falando dos saqueadores, ela acrescentou: “Eles se entocam e ficam escondidos e eu não posso ver o que eles estão fazendo.”

Mas o problema estende-se muito além do Egito. “Você acha que o saque é ruim no Egito, olhe para o Peru“, disse ela. “Índia, China. Eu tenho dito que na China existe mais de um quarto de milhão de sítios arqueológicos, e a maioria foi saqueado. Este é um problema global de proporções gigantescas e não sabemos a escala.

As imagens de satélite são tomadas a partir de cerca de 643 quilômetros acima da Terra e fornecidas principalmente pelo Google Earth, DigitalGlobe e pela NASA, que tem ativo um programa de arqueologia espacial. As imagens são arquivadas, o que significa que a maioria são, geralmente, dias, semanas ou meses antigas e que por isso não mostram os saques no momento em que estão acontecendo. Por isso, a Dra. Parcak diz que seriam necessários drones. “Mas conseguir permissão para usar um drone no Egito foi algo problemático“, disse ela.

Em entrevista por telefone do Cairo, o Sr. Ahmed, no Ministério de Antiguidades, elogiou o trabalho da Dra. Parcak “porque nos dá uma noção da extensão da escavação ilegal – como os sítios de cinco anos atrás, antes dos maiores saques, comparado aos sítios como são vistos hoje“. Ele acrescentou: “Nós podemos realmente ver a extensão do que nós sofremos como resultado do saque mais recente”.

Foi praticamente impossível identificar itens saqueados para venda em qualquer site particular usando imagens de satélite,  disse a Dra. Parcak, embora  algum dia os dados digitalizados sobre a composição do solo possam ser capazes de autenticar essas combinações.

No entanto, o Sr. Ahmed disse: “Através do trabalho de Sarah tentamos gravar os locais de saques em imagens de satélite para apoiar os nossos inquéritos. Temos muitos exemplos de artefatos que já foram salvos e catalogados bem perto dos locais saqueados – por isso sabemos que tipos de artefatos estão sendo saqueados, e estamos começando a incluí-los em um banco de dados“.

Mas há sinais alarmantes de que os bandidos podem estar se valendo da alta tecnologia também. “Os saqueadores estão usando o Google Earth também“, disse a Dra. Parcak. “Eles estão vindo com detectores de metal e equipamento geofísico. Alguns chegam até a me perguntar para confirmar sítios. “

É uma questão delicada. “Nós queremos ensinar o mundo sobre o que está lá fora“, disse ela. “Mas nós não queremos que eles digam, ‘oh, existem muitos sítios no Egito – vamos pilhar’.”

Texto original: New York Times

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 09/11/2015 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: