Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Geofatos: Objetos de rocha que parecem artefatos

Texto de K. Kris Hurt

Tradução de Marcos Paulo Ramos

Um geofato é uma peça de rocha que foi quebrada ou erodida naturalmente, ou seja, diferentemente daquelas que foram quebradas pela agência humana intencional. A palavra é aquilo que os linguistas chamam de ‘formação invertida’ (back formation) a partir da palavra artefato, evidentemente. Artefatos são produtos de comportamentos humanos, enquanto geofatos são produtos das forças naturais. Entre essas estão incluídas as forças naturais da erosão, turbações nas calhas dos rios, e pisoteio animal. Também é verdade que paisagens inteiras, como na foto abaixo, podem ser criadas pela natureza que nos engana ao nos fazer pensar que foram criadas por pessoas. Porém a maior parte dos estudos sobre geofato/artefato são focados na determinação se uma peça de rocha foi quebrada como resultado de uma produção lítica deliberada ou por forças da natureza.

Natural Limestone Pavement, Malham Cove, Yorkshire - https://www.flickr.com/photos/pss/412537208

Malcom Cove é um exemplo de calcário que sofreu intemperismo no fima da última era glacial. Fonte Flickr

Produção lítica e geofatos

A produção lítica, usando percutor duro ou percutor macio e/ou percussão por pressão para fraturar uma peça de matéria prima mineral e criar uma ferramenta de pedra possui um subproduto que é um dos mais frequentes tipos de artefato encontrados: lascas.

Lascas são todos os pequenos fragmentos de pedra criados durante a produção da ferramenta, e é o foco da maior parte dos estudos sobre geofatos/artefatos arqueológicos.

Determinar se lascas de pedra são artefatos ou geofatos é particularmente importante nos sítios realmente muito antigos, onde as implicações de uma má interpretação das rochas fraturadas como artefatos são realmente bem sérias. Como resultado, existem algumas poucas regras que os arqueólogos usam para separar os geofatos dos artefatos. Nesse sentido, o mais importante para a identificação de geofatos é a identificação de lascamentos sistemáticos – as características do trabalho humano.

Evidência de Geofatos

As principais técnicas analíticas ainda utilizadas hoje em dia são baseadas primeiramente nas características identificadas por Evan Peacock (1997):

Essas características incluem qualidades associadas com bulbos de percussão (uma protuberância criada quando uma rocha quebra sendo atingida por outra); o plano de percussão (o qual é criado pelo lascador para controlar o lascamento e facetado por subsequentes golpes), e a superfície dorsal (o lado oposto ao bulbo), a qual apresenta vários tipos de evidência de lascas que foram removidas. Leia algumas das indicações abaixo para obter uma maior compreensão sobre essas tecnologias.

Em geral seu artefato será provavelmente um geofato se dois ou mais dos seguintes itens forem válidos:

  • Existem quatro ou menos negativos de lascas. Uma lasca é o que os arqueólogos chamam um pequeno fragmento de pedra quebrada de uma pedra maior. Um negativo de lascamento é uma cavidade feita sobre uma peça de rocha da qual um fragmento menor foi removido. Negativos de lascamento podem ocorrer naturalmente, quando rochas batem umas contra as outras em um escorregamento ou dentro de uma calha de rio, mas mais de quatro desses negativos já começam a parecer intencionais.
  • Não há preparação do plano de percussão. O controle preciso do lascamento lítico é uma parte importante da feitura de ferramentas líticas. A evidência de que uma área achatada foi produzida sobre uma peça de rocha da qual foram retiradas lascas adicionais é certamente um indício de atividade humana.
  • Os negativos de lascamento são “patinados” em taxas distintas. “Pátina” é o termo usado para descrever os efeitos de uma longa exposição aos eventos climáticos. Todas as superfícies expostas de uma rocha intocada deverão apresentar uma mesma “pátina”.  Dependendo do clima e do tipo de rocha, leva vários séculos ou milênios para a “Pátina” se tornar aparente. Se uma rocha possui várias lascas removidas, e os negativos dos lascamentos são diferentemente patinados, você saberá que houve uma grande quantidade de tempo entre os eventos de lascamento, ou seja, dificilmente seriam humanos.
  • Os negativos de lascamento ocorrem de forma randômica na rocha. Negativos de lascamento feitos por humanos nas rochas comumente serão padronizados, ao invés de randômicos.

Dicas de leitura:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 09/03/2016 por em Artigos, Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: