Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Artigo: Os padrões de sepultamento do sítio arqueológico Lapa do Santo (Holoceno Inicial, Brasil) – Por André Strauss

Por André Strauss

No Brasil, esqueletos humanos do início do Holoceno são raros, impedindo um estudo detalhado das práticas funerárias desse período. O sítio arqueológico Lapa do Santo é uma exceção. Entre 2001 e 2009, foram exumados 26 sepultamentos do Holoceno Inicial, que são aqui descritos e distribuídos em sete padrões distintos. A inumação dos mortos na Lapa do Santo tem início entre 10300-10600 cal AP, com enterros simples e articulados (Padrão 1).

Sem título 3

Exemplo de dois sepultamentos do “Padrão 1” do sítio arqueológico Lapa do Santo, datados entre 10.500 e 9.5000 anos atrás. Foto: Acervo do Laboratório de Estudos Evolutivos e Ecológicos Humanos (LEEEH), da USP.

Entre 9400-9600 cal AP, as práticas funerárias caracterizavam-se pela manipulação perimortem e o subsequente enterro dos ossos desarticulados de múltiplos indivíduos (Padrão 2).

Sem título 3

Exemplos de dois sepultamentos do “Padrão 2”, datados em cerca de 9.5000 anos atrás. Foto: Acervo do LEEEH, USP.

Entre 8200-8600 cal AP, esqueletos desarticulados de um único indivíduo, cujos ossos longos comumente apresentam fraturas perimortem, eram depositados em covas circulares (Padrão 3).

Sem título 3

Exemplos de sepultamentos do “Padrão 3”. O sepultamento à direita (Figura C) possui 8.500 anos de idade. Fotos: Acervo do LEEEH, USP.

Os demais padrões incluem esqueletos cujos membros foram removidos (Padrão 4), enterro de esqueleto completo desarticulado na forma de feixe (Padrão 5), cremação (Padrão 6) e enterro em cova circular, recoberto por blocos de arenito (Padrão 7).

Sem título 3

Padrão de sepultamento 5. Fotos: LEEEH, USP

Caracteriza uma diversidade de sepultamentos desconhecida para o Holoceno Inicial, que contrasta com a homogeneidade tecnofuncional e de hábitos alimentares atribuída a esses grupos. Indica também constantes transformações ao longo do tempo, contradizendo a visão de que esses grupos seriam avessos a inovações culturais.

Para ler o artigo completo, acesse: STRAUSS, A. (2016). Os padrões de sepultamento do sítio arqueológico Lapa do Santo (Holoceno Inicial, Brasil). Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 11, n. 1, p. 243-276.

Sugestões de leitura do autor:

  1. STRAUSS, A. et al (2015). The Oldest Case of Decapitation in the New World (Lapa do Santo, East-Central Brazil). PLOS one.
  2. STRAUSS, A. (2010). As práticas mortuárias dos caçadores-coletores pré-históricos da região de Lagoa Santa (MG): um estudo de caso do sítio arqueológico “Lapa do Santo”. Dissertação de Mestrado. IB-USP. 
  3. Strauss, A. (2012). Possibilidades e limitações interpretativas da Hipótese Saxe/Goldstein. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 7, n. 2, p. 525-546.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 13/05/2016 por em Artigos.
%d blogueiros gostam disto: