Artefato encontrado em Lagoa Santa, MG, possui um dos registros mais antigos de amidos arqueológicos das Américas

Rodrigo Angeles Flores (Museu de Arqueologia e Etnologia, USP), João Carlos Moreno de Sousa (Museu Nacional, UFRJ), Astolfo Araujo (Museu de Arqueologia e Etnologia da USP) e Gregório Ceccantini (Instituto de Biociências, USP) publicaram recentemente um novo artigo sobre as análises tecnológicas e microbotânicas de um sítio datado em mais de 11.500 anos, na região arqueológica de Lagoa Santa, Minas Gerais.  Trata-se da análise de um artefato lítico unifacial plano-convexo (vulgo lesma) encontrado em níveis mais antigos daqueles anteriormente conhecidos pela longa ocupação lagoassantense. O artigo foi publicado no periódico científico internacional Journal of Lithic Studies.

mapa-artigo
Localização da região de Lagoa Santa e a áre de abrangência das culturas arqueológicas Paleoíndias conhecidas como Tradição Itaparica e Tradição Umbu no Brasil.

O sítio estudado se chama Lapa Grande de Taquaraçu. Trata-se de um abrigo calcário localizado próximo à área de proteção ambiental do carste de Lagoa Santa. De acordo com os pesquisadores, a peça foi encontrada em uma camada de sedimento e blocos calcários e não está de forma alguma relacionada aos vestígios encontrados em níveis menos profundos. Nos níveis datados a partir de 11.500 anos e nos mais recentes foram encontrados vestígios típicos da já conhecida cultura arqueológica de Lagoa Santa, tais como os inúmeros e pequenos vestígios líticos produzidos sobre cristais de quartzo. Já a lesma foi encontrada em um nível mais profundo e antigo, em um contexto geoarqueológico diferente. Apesar de ser possível afirmar que o artefato é mais antigo que 11.500 anos, não foi possível obter uma data exata para o achado. De toda forma, os autores associam o achado a uma presença ainda mais antiga na região do que a que já era conhecida.

sem-titulo
Estratigrafia do sítio Lapa Grande de Taquaraçu e localização do artefato lítico estudado.

A análise tecnológica demonstrou que o artefato possui similaridades com as lesmas encontradas em sítios associados à cultura arqueológica paleoíndia conhecida como Tradição Itaparica. Sítios arqueológicos associados à Tradição Itaparica geralmente são datados entre 13.000 e 7.000 anos atrás, e localizados desde o Nordeste até o Centro-Oeste Brasileiro.

A análise de microbotânica foi capaz de identificar uma grande variedade de microvestígios ainda presentes nos gumes do instrumento, principalmente de amidos. Infelizmente, não foi possível identificar os vestígios botânicos a nível de espécie.

sem-titulo
Microvestígios botânicos encontrados nos gumes do artefato.

O artigo completo está disponível gratuitamente, Clique abaixo para acessa-lo e/ou fazer o download:

Angeles Flores, R.; Moreno de Sousa, J. C.; Araujo, A. G. M.; Ceccantini, G. 2016.Before Lagoa Santa: Micro-remain and technological analysis in a lithic artifact from the Itaparica industry. Journal of Lithic Studies. 3 (1). 27p.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s