Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

O que fazer se você encontrar um arqueólogo na natureza

por Steph Halmhofer

tradução por Gabriela Mingatos

Sem título

Eu, sentada na minha unidade de escavação, anotando algumas profundidades de nível, algo que muitas vezes você verá arqueólogos fazendo.

Imagine que você está caminhando por um parque nacional e você se depara com uma equipe de arqueólogos em uma escavação. Você fala com eles? Você continua passando? E se você encontrar um deles no banheiro? O que acontece se você fizer contato visual?

Para quem visitou o Parque Nacional Point Pelee, no Canadá, nas últimas 7 semanas, eles tiveram que enfrentar essas perguntas difíceis, já que estávamos escavando ao longo de toda a passarela de pedestres. Não houve escapatória. Mesmo o banheiro não era seguro, como evidenciado pelas constantes pegadas de areia no chão e areia ao redor das pias. Verdadeiramente, ficamos felizes em conversar com o público, especialmente porque tínhamos permissão para fazê-lo, no banheiro ou não.

Esta não é a primeira vez que estive em escavações em locais públicos onde eu interagi com o público de uma forma ou de outra. Estou sempre feliz de ter pessoas interessadas em fazer perguntas enquanto estou no trabalho. Embora a maioria das interações geralmente seja agradável, há momentos em que as perguntas ou comentários não são os mais apropriados ou ouvimos o mesmo “se você encontrar o ouro é meu” várias vezes no decorrer de um dia. Eu tomei isso sozinha para escrever um pequeno guia do que fazer e não fazer e sugestões sobre como ter um encontro feliz com um arqueólogo. Muitos destes também se aplicam a encontros de redes sociais (ou seja, Twitter, Instagram, etc.) e não estão listados em nenhuma ordem específica. Lembre-se, um arqueólogo feliz é um arqueólogo útil disposto a ter um tempo de conversar com você!

Sinta-se à vontade para se aproximar de um arqueólogo. Se você olhar para nós em uma escavação e você é curioso, definitivamente sinta-se livre para comparecer e conversar conosco. A menos que estejamos realmente ocupados, estaremos felizes em parar um momento e conversar. Eu prometo que não vamos morder.

Tente ser breve ao fazer suas perguntas.

Geralmente, estamos trabalhando em um cronograma rigoroso e, enquanto gostaríamos de responder todas as suas perguntas, às vezes simplesmente não temos tempo livre suficiente. Além disso, não leve para o lado pessoal se não pararmos o nosso trabalho enquanto respondemos suas perguntas!

Não atravesse as barreiras de segurança para falar conosco.

Os sítios arqueológicos incluem muitos buracos abertos que não são seguros para caminhar. Temos muitas ferramentas que podem machucá-lo acidentelmante se você pisar / tropeçar neles. Às vezes, nossas unidades de escavação estão no meio de manchas de plantas venenosas, como hera venenosa ou urtigas. O ponto aqui é que as barreiras de uma variedade ou outra costumam existir por um motivo e a melhor ideia é respeitá-las ficando atrás delas.

Não grite uma pergunta para nós de longe enquanto você está passando.

Para ser sincero, isso é muito mal educado. Ninguém gosta de ser gritado. Se você tiver uma pergunta, venha até nós para conversar!

Não pergunte “qual é a coisa mais legal que encontrou?” Você pode ter estado em museus incríveis e outros lugares cheios de artefatos bonitos. Ou você viu filmes ou jogou vídeo games de aventuras para coletar artefatos bonitos. Mas com sinceridade, a arqueologia não é sobre o que é bonito. A arqueologia não é mesmo sobre os artefatos em si. É sobre as informações que os artefatos podem compartilhar sobre a vida das pessoas que os criaram e interagiram com estes artefatos. Nós respeitamos as relações que os descendentes têm com seus antepassados ​​através da cultura material e não queremos desvalorizar essa conexão dizendo que uma coisa é legal e outra não é, ou objetivando materiais muito pessoais ou sensíveis. A melhor pergunta para um arqueólogo seria: “O que você pode aprender com o que encontrou?

Sem título 2

O primeiro sinal que você está em um sítio arqueológico – um tripé de madeira com pilhas de terra embaixo dele, geralmente escondido atrás de uma fita de cautela ou de cerca

Compreenda que os arqueólogos trabalham com materiais culturalmente sensíveis e nem sempre são capazes de responder suas perguntas ou discutir seu trabalho.

Não nos importa quando você vem e perguntar: “O que você encontrou?” Mas, dependendo do que estamos trabalhando e com quem estamos trabalhando, não podemos ser autorizados ou dispostos a dar muita informação sobre isso. Se um arqueólogo está tentando se esquivar algumas de suas perguntas, não tome isso como pessoal.

Não faça piadas sobre cavar ouro ou dinossauros.

Para começar, quando se trata de ouro, não temos certeza de onde você está obtendo essa ideia. Você está se referindo a moedas de ouro? Outros objetos de ouro? Você acha que estamos escavando por ouro? É um pouco confuso, então, se você estiver genuinamente interessado em objetos de ouro, é melhor ser específico com suas perguntas! Além disso, não cavamos dinossauros. É nos paleontólogos que você está pensando. E, finalmente, ouvimos essas piadas praticamente o dia todo, todos os dias. Para ser completamente 100% honesto, estamos cansados ​​de ouvi-los.

Compreendo que somos cientistas reais, fazendo um trabalho científico real.

Este é especialmente uma verdade para arqueólogas, mulheres, que você vê no sitio. Você não tem ideia de quantas vezes as pessoas assumiram que eu sou uma estudante e que meus colegas do sexo masculino são supervisores. Muitas vezes, quando respondo a uma pergunta, não parece ser levada muito a sério, o que é frustrante. Quando um arqueólogo responde sua pergunta, entenda que eles estão respondendo a partir de um lugar de conhecimento e experiência.

Não nos conte sobre as vezes que você está pensando em saquear materiais dos sítios.

Acredite ou não, este é um tema comum que as pessoas trazem. Para ser justo, sei que nem todo mundo entende o valor do contexto arqueológico. Um artefato não é nada sem seu contexto, onde é encontrada a informação mais importante. Muitas pessoas se depararam com os artefatos, seja em caminhadas ou em sua própria propriedade, e quebram nossos corações toda vez que ouvimos sobre sua caixa cheia de todos os artefatos que você encontrou. Pior ainda é quando a história envolve restos humanos (sim, as pessoas me disseram sobre o tempo que eles estão pensando em roubar os restos humanos que eles viram). Os crânios não parecem legais em prateleiras pessoais. Os artefatos não parecem legais em prateleiras pessoais. É desrespeitoso e obtuso pensar de outra forma, e não fique chocado quando lhe contamos isso.

Sem título

Era uma manhã fria e eu estava sonhando com café quente …

Considere nos trazer café quente.

Ok, isso é honestamente apenas uma ilusão. Às vezes, está realmente frio lá fora e, se você sabe onde vamos trabalhar, o café quente não seria recusado…

Então, você tem meu pequeno guia sobre como ter uma conversa feliz e informativa com um arqueólogo. Nós amamos o que fazemos e nós amamos compartilhar nossa paixão com os outros, especialmente aqueles que são tão apaixonados pela arqueologia! Para resumir, adoramos conversar com o público e responder suas perguntas! Honestamente, é uma das minhas partes favoritas do meu trabalho. Apenas fique atento ao que e como você está perguntando.

Fonte: Bones, Stones and Books: WHAT TO DO IF YOU ENCOUNTER AN ARCHAEOLOGIST IN THE WILD

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 17/11/2017 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: