Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Programação e Resumos do Inter-Congresso do WAC, “Desvelando a Arqueologia de Contrato” (UFRGS – 03 e 04 de Junho)

DESVELANDO A ARQUEOLOGIA DE CONTRATO

INTER-CONGRESSO DO WORLD ARCHAEOLOGICAL CONGRESS (WAC)

 

Auditório da Faculdade de Direito da UFRGS

Avenida João Pessoa, 80, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, BRASIL.

 

Programação:

 

03/06/2013

 

09:00-12:00 – Mesa Redonda: Arqueologia e Capitalismo: O Passado como Mercadoria?

 Debatedor: Cristóbal Gnecco (Universidad del Cauca, Colômbia/ CNPq, Brasil).

 

RESUMOS:

 Arqueología por contrato o una trinchera en la batalla por los muertos. Alejandro Haber (Universidad Nacional de Catamarca/CONICET, Argentina).

 

¿Por qué, en el contexto presente de intervención territorial del capital, es tan eficaz —mercantilmente hablando— la arqueología contractual? Se anatomizan, para aportar a desbrozar este interrogante, las complicidades profundas (las superficiales las dejamos para alguna crónica de venialidades) entre los supuestos teórico-metodológicos disciplinarios disponibilizados —tecnológicamente reconvertidos— por la arqueología contractual y los supuestos epistémicos y ontológicos hegemónicos movilizados por la narrativa del desarrollo. Tras caracterizar los aspectos fundamentales de la forma pos-disciplinaria específica de la arqueología de contrato, se exhibe su vocación totalitaria al contraponerla con las inauditas voces disidentes. Puesta en el contexto de frontera, la arqueología por contrato tanto puede ser (hegemónicamente) vista en términos de una eficaz expansión profesional como (desde del otro lado del espejo) una trinchera en la batalla por los muertos.

 

Critical epistemologies of the global South. Nick Shepherd (University of Cape Town, África do Sul).

Disciplinary archaeology is a form of global discourse that translates local sites, knowledges and practices into global terms. The essential coloniality of archaeology exists to the extent that this act of translation enables what the decolonial theorists call “global designs”: aggressive incursions into the local on the part of global capital, multinational interests, and global and local elites. Contract archaeology exists as the contemporary face of the coloniality of disciplinary archaeology. In this short paper I examine two case studies which exemplify these dynamics: the entry of contract archaeology into South Africa in the late-1980s, during the final years of apartheid; and the attempted partnership between the World Archaeological Congress and the mining multination Rio Tinto, during the presidency of Claire Smith. However, my real interest is in the kinds of counter-projects that have arisen in opposition to this crude instrumentalization of archaeology in the service of global capital. I briefly describe two of these. The first is concerned with subaltern social movements that mobilize around archaeological/ sacred sites, human remains and material cultures, in the course of a set of struggles around rights, resources and representation. The second is an epistemic challenge that has arisen from within archaeology under the heading of undisciplined theory and practice.

 

Archaeology and the logic of capital. Yannis Hamilakis (University of Southampton, Inglaterra)

In this paper I will trace the link between western modernist archaeology and capitalism, showing that the constitution and professionalization of the discipline went hand-in-hand with the development of capitalism and the logic of the commodity. I will then explore the contemporary landscape, arguing that the commodification of archaeology and its embrace of neoliberalism is to be found not only in the developer-funded sector but also in western academia and the heritage and museum domain. I will further outline some of the detrimental effects of this commodification for the material past, for most archaeologists and students, and for the public, focusing specifically on British and European contexts. I will conclude by proposing a re-definition of archaeological practice as a sensorial, affective, and mnemonic engagement with material traces of various times, with things, landscapes and environments. This valorization of engagement, of bodily encounters, of affectivity, and of material memory can counter the abstract logic of “information retrieval” and of “knowledge” of an equally abstract “past”, logic that has led to absurd processes and ideas such as “preservation by record” ( a well-known euphemism for total destruction).

 

14:00-17:00 – Mesa Redonda: Uma Visão Critica da Arqueologia de Contrato em Perspectiva Mundial

 Debatedor: Alejandro Haber (Universidad Nacional de Catamarca, Argentina).

 

RESUMOS:

(No) soy el demonio. Confesiones de un arqueólogo emprendedor ahogado en el Capital. Jaime Almansa Sánchez (JAS Arqueología S.L.U., Espanha).

Nunca esperé que la palabra «gestión» tuviera un rol tan importante en mi vida como arqueólogo. Sin embargo, hoy es esencial en nuestra práctica diaria. La fórmula para una gestión perfecta de la arqueología está aún por llevar y cada país ha tratado de buscar la mejor manera de sentar unas buenas bases para la investigación, protección y divulgación del patrimonio arqueológico. Una de las soluciones reclama la intervención de capital privado en la arqueología de diferentes formas, una de ellas subcontratando los servicios a empresas en lo que se conoce como «arqueología de contrato» -o cualquiera de sus sinónimos. Europa se ha convertido en uno de los centros de esta práctica y España en uno de sus principales exponentes del fallo de un modelo. Pero, ¿funciona igual en todas partes? ¿Cuál es la alternativa? ¿Es posible cambiar o, al menos, mejorar el modelo? Hoy gestiono una pequeña empresa que trata de gestionar patrimonio arqueológico. A través de mi experiencia como un emprendedor en el sector, así como un investigador en el tema, analizaré los orígenes, crecimiento y caída de la arqueología comercial en España -con una visión de otras experiencias-, profundizando en el contexto de la práctica arqueológica desde el sector privado.

 

Disputas territoriales y el rol de la Arqueología de Contrato practicada en proyectos mega-mineros de la República Argentina. Ivana Carina Jofré Luna (Universidad Nacional de Catamarca/CONICET, Argentina).

En el caso de la República Argentina, los proyectos económicos extractivos mega-mineros transnacionales transforman las geografías estatales de inclusión y exclusión. En este contexto, el de la “condición de transnacionalidad”, la reconfiguración de las  nociones de ciudadanía están cada vez más sujetas a los efectos interconectados de las acciones económicas, políticas, sociales y culturales de un mundo globalizado. Para ello existen maquinarias u organizaciones activas de poder encargadas de estratificar, diferenciar y territorializar las subjetividades, identidades y agencias de los sujetos y colectivos sociales. Es en este punto que las narrativas científicas, como las narrativas arqueológicas, juegan un rol fundamental en la instalación de estos regímenes de verdad en los cuales se impone una política del conocimiento orientada a los fines de la apropiación-expropiación de territorios. Es necesario partir de una crítica de la arqueología de contrato que, en primer lugar, nos involucre como profesionales, académicos y ciudadanos/as comprometidos con la defensa de “nuestros territorios” y que, en segundo lugar, ponga el conocimiento arqueológico al servicio de las luchas sociales. Se trata de una autocritica que contemple una “reflexión ética” sobre nuestra teoría y práctica arqueológica situada política, social y culturalmente.

 

“Agora, todos temos trabalho!” – Arqueologia preventiva no Brasil: da ilusão da preservação à escavação como um fim (lucrativo) em si mesmo. Roberto P. Stanchi (IPHAN, Brasil).

Os diversos diplomas legais que inseriram a obrigatoriedade das pesquisas arqueológicas no âmbito das avaliações de impacto ambiental tiveram grande importância para a Arqueologia brasileira, elevando o número de pesquisas arqueológicas autorizados pelo IPHAN a patamares dificilmente imaginados até algumas décadas. Ainda dentro deste contexto, podemos afirmar que a Arqueologia desenvolvida no país vem sofrendo, durante os últimos anos, significativas transformações no que diz respeito à formação dos profissionais, principalmente a partir da crescente demanda do mercado por um tipo especifico de arqueólogo, não mais orientado para a pesquisa. Esta transformação fica ainda mais evidente quando constatamos os números oficiais, cujos índices apontam para uma esmagadora maioria de autorizações motivadas pelo desenvolvimento econômico, bem como para a inserção de elevado número de profissionais sem nenhuma formação em arqueologia nos projetos de pesquisa. Desta forma, o presente trabalho pretende discutir a participação da Arqueologia neste processo de desenvolvimento utilizando alguns indicadores oficiais, neste caso, processos administrativos do IPHAN, como ferramenta de análise crítica ao panorama da Arqueologia no Brasil, pois através da burocracia do órgão, entendida aqui como matéria condicionante e resultante da produção do patrimônio arqueológico, é possível vislumbrar dentre outras coisas, incongruências entre o discurso e a prática arqueológica.

 

17:30-18:30 – Fórum de Discussão 

Mediadora: Fabíola Silva (Universidade de São Paulo/CNPq, Brasil).

 

 

04/06/2013

 

 

09:00-12:00 – Mesa Redonda: Arqueologia de Contrato no Brasil: Direitos Indígenas e Desenvolvimento Econômico 

 

Debatedor: Sergio Baptista da Silva (Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil).

 

RESUMOS:

 Entre as paisagens originárias e o desenvolvimentismo: os contratos da arqueologia. Jose Otávio Catafesto de Souza (Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil).

 

O Iluminismo e seu utilitarismo ainda imperam nas ciências aplicadas (Hard Science) de tal forma que as humanidades ficam também limitadas pelo paradigma burguês de avanço científico e tecnológico. Etnologia e arqueologia perdem sua natureza enquanto anticiências positivistas. No Brasil, as políticas neoliberais estimulam o crescimento econômico a qualquer custo, pautado na execução de grandes projetos de engenharia, no crescimento da concentração urbana e no estímulo à iniciativa privada. A gestão de preservação e de proteção ao patrimônio ambiental, arqueológico e do direito diferenciado das minorias é menosprezada e apenas entendida como entrave ao desenvolvimento imediatista, reduzindo o senso comum à visão dos processos de licenciamento ou de salvamento como se uma mera etapa formal da burocracia. O potencial crítico das ciências sociais e históricas deve ser recuperado, reconhecendo outros “contratos sociais” possíveis e alternativos à voracidade da economia capitalista. É preciso denunciar e fazer repercutir a acusação de conivência com essa conjuntura lamentável por parte de arqueólogos particulares e das agências do Poder Público (brasileiro) responsáveis pela proteção ao patrimônio arqueológico e dos territórios originários. Preciso recuperar e valorizar arqueologicamente a dimensão cosmoecológica dos ameríndios e o horizonte fenomenológico e hermenêutico das paisagens originárias.

 

Arqueologia de contrato, colonialismo interno e povos indígenas no Brasil. Jorge Eremites de Oliveira (Universidade Federal de Pelotas/CNPq, Brasil).

Desde a década de 1990 que a chamada arqueologia de contrato tem crescido significativamente no Brasil, sobretudo no âmbito do licenciamento ambiental e seus desdobramentos. Esta situação é observada a partir do processo de (re) democratização e da retomada do crescimento econômico do país, isto é, após o fim do regime militar (1964-1985) e a promulgação da Carta Constitucional de 1988. Apesar dos avanços registrados aqui e acolá, são poucas as reflexões críticas sobre o papel da arqueologia para o licenciamento de projetos desenvolvimentistas que afetam minorias étnicas. Tampouco tem havido grandes discussões a respeito da produção de laudos e contralaudos arqueológicos em processos administrativos e judiciais que envolvem direitos territoriais de comunidades étnicas. Neste sentido, este trabalho tem o propósito de discutir a arqueologia de contrato no âmbito do colonialismo interno brasileiro, marcado por variadas formas de violência e estratégias de dominação, praticadas por parte do Estado e da sociedade nacional, sobre povos indígenas. Para tanto, serão usados exemplos do licenciamento de empreendimentos que incidem sobre territórios indígenas no Centro-Oeste do país, além de um contralaudo divulgado em defesa de fazendeiros que ocupam parte de uma terra indígena em Mato Grosso do Sul.

 

Empreendimentos econômicos, violação de direitos humanos e o silêncio da arqueologia. Loredana Ribeiro (Universidade Federal de Pelotas, Brasil).

Em 2013, os atingidos pela Usina Hidrelétrica Sobradinho (BA) lamentam os 40 anos do processo legal de implementação da barragem. Sobradinho é um caso histórico de violação de direitos humanos por projeto econômico de grande porte, exemplo acompanhado por vários outros nas décadas que o seguiram e hoje bem representado pela UH Belo Monte. O projeto de Sobradinho contou com estudos de arqueologia preventiva, assim como os vários outros, quase sempre produzindo sínteses quantitativas, descritivas e insensíveis às histórias locais.

Os contextos locais de resistência a projetos capitalistas ainda são sumariamente ignorados por boa parte da arqueologia que se pratica no Brasil, seja de contrato ou acadêmica. A partir das histórias de barranqueiros evacuados da área de Sobradinho e seus conflitos com os Pankaru da área do reassentamento, quero chamar a atenção para como a arqueologia pode esmiuçar a materialidade destes contextos e apoiar interesses marginalizados no licenciamento. Precisamos começar a discutir estratégias coletivas que favoreçam usos políticos do conhecimento arqueológico na correção de assimetrias nos conflitos sócio-ambientais. O momento é oportuno para discutir internamente ética e conduta na arqueologia de contrato, mas também para contestar a própria presença da arqueologia de contrato na arena do licenciamento ambiental como a principal representante das arqueologias hoje praticadas no Brasil.

 

 

14:00-17:00Mesa Redonda: Agendas para uma (Re)Ação ao Capitalismo: Impacto Profissional, Educação Patrimonial e Respostas Locais

 Debatedora: Adriana Schmidt Dias (Universidade Federal do Rio Grande do Sul/CNPq, Brasil).

 

RESUMOS:

 Na beira da cava: arqueologia, educação patrimonial e direitos humanos em Serra Pelada, Amazônia. Márcia Bezerra (IPHAN/Universidade Federal do Pará/CNPq, Brasil).

Nesta apresentação discuto a Educação Patrimonial tal como desenvolvida no âmbito da Arqueologia de Contrato no Brasil. Considerando o caráter interventivo dessas ações, a sua utilização como “tecnologia de governo” e a adoção acrítica dessa metodologia, questiono: Qual a natureza do nosso envolvimento com as comunidades impactadas por esses projetos? Como nos posicionamos face aos grupos em situação de vulnerabilidade? Em que medida o discurso descolonizante nesses contextos é pura retórica? Qual é a verdadeira agenda desses projetos? Nesse sentido, proponho a reflexão sobre as relações entre arqueologia, educação patrimonial e direitos humanos a partir de estudo de caso emblemático —o projeto de Educação Patrimonial desenvolvido em Serra Pelada, uma vila de garimpeiros no sul do Pará, na Amazônia—, um contexto em que a plena violação de direitos mostra que o papel da Arqueologia está muito além de seus contornos epistêmicos.

 

Arqueologia, empreendimentos econômicos e povos indígenas na Amazônia. Fabíola Silva (Universidade de São Paulo/CNPq, Brasil).

Os Asurini do Xingu vivem às margens do rio Xingu, no estado do Pará. Desde o seu contato com os brancos, na década de setenta, eles tem sido afetados por demandas capitalistas (p.ex. projetos de etnodesenvolvimento, comércio de bens e produtos tradicionais, introdução e consumo de bens industrializados, empreendimentos econômicos). Nesta comunicação farei uma explanação sobre o modo como esta população indígena amazônica está lidando e reagindo frente às demandas provocadas pelo empreendimento econômico relativo à construção do Complexo Hidrelétrico de Belo Monte. Procurarei destacar, dentre outros aspectos, o modo como eles estão se apropriando da minha pesquisa arqueológica em seu território tendo em vista que a mesma foi delineada a partir de objetivos por eles definidos: 1) visitar os antigos locais de ocupação Asurini, na TI Kuatinemu; 2) vistoriar partes da TI que há muitos anos não eram percorridas por eles e que poderiam estar sendo invadidas por grileiros; 3) propiciar aos jovens conhecer os antigos locais de ocupação dos Asurini nesta terra a fim de que eles possam assumir a responsabilidade de zelar pela sua preservação.

 

Arqueologia de contrato e as políticas do passado. Andrés Zarankin (Universidade Federal de Minas Gerais).

Randall McGuire diz que “fazer arqueologia e fazer política… para mudar o mundo e também a nos mesmos neste processo”. Assim uma arqueologia que não se pergunta “para quê?” e “por quê?” é feita, que se justifica unicamente com argumento trilhado de “salvar o patrimônio”, nos coloca ante uma situação complexa que precisa ser discutida. Nesta apresentação me proponho discutir esta e outras questões que considero centrais para uma avaliação crítica das consequências de uma arqueologia que se considera “a-política”, mas que tem consequências diretas nos tipos de passado que são construídos.

 

17:30-18:30 – Fórum de Discussão

 Mediadora: Márcia Bezerra (IPHAN/Universidade Federal do Pará/CNPq, Brasil).

Mais informações pelo e-mail: desvelandoarqueologiacontrato@gmail.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 21/05/2013 por em Eventos.
%d blogueiros gostam disto: