Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Quando os humanos começaram a atirar lanças?

Por Heather Pringle, do Science Now.

Arte de Eric Parrish. Copyright © E. James Dixon.

Os arqueólogos têm debatido por muito tempo, quando os primeiros humanos começaram a arremessar lanças com ponta de pedra e dardos em grandes presas. Ao atirar uma lança, ao invés de enfiar ela, os seres humanos poderiam caçar búfalos e realizar outros jogos perigosos a partir de uma distância segura, com menor risco de chifradas e pancadas. Mas a evidência direta desta técnica de caça nos primeiros locais está em falta. Um novo estudo de marcas de impacto sobre os ossos de presas antigas mostra que tais técnicas sofisticadas de matar remontam, pelo menos, 90 mil anos atrás, na África, e oferece um novo método de determinação de como os caçadores pré-históricos fizeram suas matanças.

Outros pesquisadores usaram métodos indiretos para estudar o uso de projéteis, tais como análise de fraturas de impacto em pontas de projétil de pedra arqueológicas ou identificar rastros deixados pelo golpe nas pontas. Tal evidência sugere que os primeiros seres humanos atiraram lanças há 500 mil anos atrás, na África. Mas esse tipo de evidência deixa margem para dúvidas e é frequentemente contestada.

O arqueólogo Corey O’Driscoll da Southeast Archaeology, em Canberra, ficou interessado nos vestígios deixados por lanças arremessadas depois de ler estudos sobre as aferidas que armas medievais deixavam em seres humanos. Em trabalhos preliminares, os arqueólogos europeus dispararam réplicas de pontos do Paleolítico Superior feitos de chifre em carcaças de bois e veados, e em seguida, estudaram as marcas que elas deixaram sobre os ossos. Mas muitos arqueólogos não se convenceram com as descobertas, vendo pouca diferença clara entre as marcas de projéteis e marcas de corte de abate. O’Driscoll decidiu trabalhar nesses estudos em sua monografia de graduação.

Ele e um colega lascaram réplicas de pontas de lança e flechas de sílex do Paleolítico Médio da África, e apreenderam-nas em hastes de madeira. Com um grupo de estudantes da Universidade de Queensland, ele realizou 15 experimentos, arremessando réplicas de lanças e atirando réplicas de flechas com arcos ou uma besta calibrada em carcaças de cordeiro e de vaca. Depois de ferver as carcaças ou enterrá-las para um rápido descarne por micróbios e insetos, O’Driscoll encontrou 758 feridas nos ossos, que ele examinou ao microscópio, e comparou com 201 marcas de corte de uma coleção de referência de ossos de animais processados experimentalmente criada.

Sem título

Ele encontrou “uma grande diferença entre as marcas de abate e marcas de impacto de projéteis”, diz ele. Seu estudo revelou seis tipos de distintas feridas de impacto de projéteis, de marcas de arrasto até  marcas de fratura e perfurações. O’Driscoll também notou que a maioria das marcas de impacto de projétil foram localizados nas vértebras ou costelas e que 17% das marcas – e 50% dos furos – mantinham pedaços microscópico de pedra embutida proveniente das pontas de sílex, devido à velocidade elevada de impacto. Por outro lado, nenhuma das marcas de processamento continha tais fragmentos de pedra, outra distinção fundamental.

Estas descobertas levaram O’Driscoll e Jessica Thompson, da Universidade de Queensland,  a dar uma nova olhada em três espécimes ósseos de grandes mamíferos não identificados – uma costela e duas vértebras – de Pinnacle Point Cave, na África do Sul. Thompson tinha anteriormente detectado  fragmentos de pedra incorporados nas marcas destes ossos. Usando os critérios de diagnóstico de O’Driscoll, eles identificaram marcas de impacto de projétil em todos os três ossos. Dois datados entre 91.000 e 98.000 anos atrás, tornando-a mais antiga evidência direta do uso de armas de projétil, de acordo com o resumo (pode ser baixado clicando aqui: paper) apresentado na reunião da Society for American Archaeology em Honolulu, em abril. (a monografia de O’Driscoll será publicada pela Australian Archaeological Association em junho). O terceiro osso tem datação ainda mais antiga, entre 153.000 e 174.000 anos atrás.

Este é um grande trabalho“, diz Curtis Marean da Arizona State University, Tempe, observando que as marcas de impacto de projéteis “têm uma morfologia clara e reconhecível.”

A arqueóloga Tiina Manne, da Universidade de Queensland, também acha a identificação de marcas de impacto de projéteis – de pelo menos os dois ossos menos antigos – altamente persuasiva. “Isto sugere fortemente que a tecnologia projétil em Pinnacle Point estava em uso há pelo menos 90 a 95 mil anos atrás”, diz ela. Mas ela é menos convencida sobre as evidências sobre o osso mais antigo, lembrando que apenas um “único grão” de pedra de ponta de projétil foi incorporada no osso.

Apesar desta reserva, Manne diz que estes resultados são “interessantes” e podem ajudar os pesquisadores a reconhecer marcas de impacto de projéteis em osso, em muitos tempos e lugares. Eles têm “incrivelmente ampla aplicabilidade e potencial para promover nossa compreensão de quando esta tecnologia foi adotada em outro lugar.

FONTE: Science Magazine

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 21/05/2013 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: