Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Paleopatologia Neandertal: A Evidência mais Antiga de Tumor

Por , do Smithsonian

Cerca de 120.000 anos atrás, nas colinas do que é hoje a Croácia do Norte, um adulto Neanderthal teve seu último suspiro. Nós não sabemos muito sobre este Neanderthal, do seu sexo, a idade exata, ou mesmo do que ele ou ela morreu, mas a partir de uma nova pesquisa revelou-se algo bastante interessante presente no seu esqueleto. Especificamente, na costela superior esquerda.

Como uma equipe de pesquisadores da Universidade da Pensilvânia e do Museu de História Nacional da Croácia recentemente descobriram, este Neanderthal tinha um tumor indicativo de uma doença chamada displasia fibrosa, uma condição na qual o osso normal é substituído por um tecido esponjoso fibroso. Os tumores de qualquer tipo são extremamente raros no registro fóssil humano, e anteriormente, os tumores ósseos mais antigos já descobertos eram meros 1,000-4,000 anos de idade.

Como resultado, escrevem os pesquisadores em um artigo publicado na revista PLoS ONE, “O tumor antecede outras evidências para esses tipos de tumor por mais de 100.000 anos.”

A tomografia computadorizada do osso de costela mostra a cavidade deixada para trás pelo tumor.


O osso de costela que a equipe analisou foi originalmente escavado a partir de um sítio chamado Krapina, um abrigo rochoso croata onde, no final de 1800, foram encontrados 876 fragmentos fósseis de Neandertal que pertenciam a várias dezenas de indivíduos que  morrido em torno de 120 mil a 130 mil anos atrás. Os cientistas propuseram uma série de teorias para explicar por que os fósseis são tão fragmentados: Alguns têm argumentado que os restos quebrados e carbonizados são evidências de canibalismo, enquanto outros especulam que os neandertais foram mortos e comidos por animais carnívoros.

A costela encontrada neste amontoado de ossos está fraturada e não pode ser definitivamente combinada com quaisquer outros restos mortais, mas os pesquisadores acreditam que combina com uma costela direita que encontraram nas proximidades do local. A primeira análise detalhada do osso, que inclui raio-X e tomografia computadorizada, mostrou um pouco da grande lesão localizada no centro, o que foi deixado para trás por uma característica de tumor de displasia fibrosa. Os investigadores excluíram a possibilidade de que a cavidade foi simplesmente causada por uma fratura, porque não há evidência de trauma em outros lugares na costela – a lesão se projeta para fora, na direção da frente do osso, por isso, se fosse causado por uma fratura, o trauma seria visível do lado de trás dele.

Figure 2 Radiograph of 120.71.

Em alguns casos, displasia fibrosa não causa sintomas, enquanto que em outros, o inchaço produzido pelos tumores pode causar deformidades. Mas, sem o esqueleto completo, não há nenhuma maneira de saber qual foi o efeito global da doença no indivíduo e se ele ou ela morreu em conseqüência disso ou devido a causas totalmente alheias.

Em ambos os casos, no entanto, esta descoberta é importante por uma razão simples: Tumores, em geral, são extremamente raros no registro fóssil dos hominídeos. Quando eles ocorrem em qualquer tipo de tecido além do osso, é improvável que sejam preservados, e eles também tendem a se desenvolver durante a meia idade em diante. Como nossos ancestrais (ou, no caso dos neandertais, primos) normalmente não viviam além de seus trinta anos, eles provavelmente desenvolveram poucos casos de câncer ou tumores benignos.

No entanto, esta descoberta mostra que os neandertais desenvolviam esse tipo de tumor, o que nos diz algo sobre a doença subjacente. A frequência de muitos tipos de tumores, tanto benignos como cancerígenos, são geralmente considerados para correlacionar com os poluentes no meio ambiente. Mas à medida que, como observam os investigadores, o ambiente que esses primatas viviam era essencialmente puro, significa que, pelo menos em alguns casos, o desenvolvimento dos tumores ósseos não tem nada a ver com a poluição ambiental.

Esta descoberta é parte de uma maior tendência emergente em que os cientistas estão aprendendo sobre a história antiga de doenças através do registro fóssil. No ano passado, a análise do DNA extraído a partir de dentes de hominídeos e crânios mostrou que muitos dos vírus que infectam seres humanos modernos também viveu em neandertais e outros hominídeos. Clique aqui para ler a matéria em inglês!

Em fevereiro, o DNA extraído de dentes humanos antigos ajudou os cientistas a entender a evolução das bactérias orais sobre tempo. Clique aqui para ler a matéria em inglês!

Clique aqui para acessar o artigo completo na PLOS ONE!

FONTE: Smithsonian

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 05/06/2013 por em Artigos, Reportagens.

Siga-nos no Facebook, e acesse mais conteúdo

Siga-nos no Twitter

%d blogueiros gostam disto: