Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

O contexto atual da Arqueologia de Contrato na Espanha

O texto abaixo é uma tradução. O original foi escrito por ISRAEL VIANA, do site ABC.es, de Madrid.

NOTA: O termo Arqueologia de Urgência utilizado pelos espanhóis é equivalente ao que chamamos no Brasil de Arqueologia de Contrato.

España: una arqueología herida de muerte

Escavações arqueológicas no sítio arqueológico Cástulo (Linares, Espanha), em 2011

Espanha: Uma arqueologia mortalmente ferida

Eu não esqueço da arqueologia, o que acontece é que, com ela, agora eu não posso comer e as contas devem ser pagas.” Diana del Pozo é a presidente da Associação dos Arqueólogos de Madrid. Ela tem 32 anos. Ela começou a trabalhar na faculdade enquanto estudava História e, desde 2004, vem atuando em uma escavação após a outra. “Até um ano atrás eu estava desempregada, como a maioria dos arqueólogos, então eu decidi começar uma loja de presentes em Alcala de Henares. Eu não podia esperar mais tempo à espera de me ligarem de volta“, diz ela.

Seu caso é apenas um dos muitos que representam um setor que está mortalmente ferido na Espanha, por causa, acima de tudo, do estouro da bolha imobiliária que ocorreu em 2008. As conseqüências foram desastrosas para esta cultura de nicho. Existem milhares de arqueólogos desempregados e os poucos que sobrevivem suportam carga salarial de menos de 1.000 euros. Centenas de empresas fechadas ou sem qualquer tipo de atividade, completamente afogadas em dívidas. E tem havido muitos sítios que não puderam ser escavados e muitos outros intervieram em más condições. Quando você pergunta ao coletivo, as respostas são sempre as mesmas: “A Arqueologia de urgência está praticamente extinta“, “de centenas de arqueólogos que conheço pararam de trabalhar quase 100%“, “as condições são absolutamente precárias” ou “as maiores empresas passaram de mais de 100 arqueólogos contratados para 6“.

O “boom” da construção no início da década passada também marcou o “boom” da arqueologia na Espanha, porque, quando se aprovou a Lei do Patrimônio de 1984, os construtores passaram a ser obrigados a contratar o serviço de arqueólogos de prospecção do solo e escavar os locais que poderiam ser afetados pela obra. “Há países em que a intervenção é através da administração pública, mas na Espanha se construía tanto de modo que era impossível. Foi decidido que os arqueólogos fossem contratados por empresas privadas que se encarregassem. No início dos anos 90, surgiram as primeiras empresas e, entre 2000 e 2005, houve um tremendo crescimento“, explica a socióloga da CSIC (Conselho Superior de Investigações Científicas) Eva Parga Dans, que em 2009 realizou uma pesquisa com empresas de arqueologia na Espanha.

De 300-10,000 sítios arqueológicos

Em 1975, mal haviam 300 escavações abertas em toda a Espanha, enquanto em 2005 havia mais de 10 mil. O número de escavações cresce tanto quanto as empresas de arqueologia, as quais foram criadas mais de 40% entre 2000 e 2005. Essa febre deu trabalho em escavações para dezenas de milhares de licenciados em História que agora, com a crise do tijolo, passaram a fazer parte da lista de desempregados.

Nos últimos 10 anos, usando as palavras do Governo, tem se escavado para além das nossas possibilidade. Tem sido tão excessivo que criou a bolha de arqueologia, até estimulada pela construção. De volta ao nível de trabalho antes impensável. Devemos ter em conta que o que eles estavam fazendo não era real“, diz Jaime Almansa, um madrilenho de 29 anos que, no final de 2009, fundou a  JAS, uma empresa de arqueologia que decidiu procurar o feijão fora das escavações.

Não se esqueça de que, durante os anos de boom, quase toda a receita da arqueologia veio da construção. Por um lado, do investimento em construção, que foi lançado para a construção de conjuntos habitacionais descontrolados ou centros comerciais (shoppings), e tinham que realizar a correspondente intervenção arqueológica prévia. E por outro, de obras de promoção públicas (estradas, ferrovias, tubulações…) dependentes do Ministério do Desenvolvimento, dos governos regionais ou dos municípios. Mas desde 2008, tanto as construtoras como as entidades públicas “estão fundidíssimas“, diz Almansa.

O Ministério da Fazenda acaba de denegar os subsídios que a Secretaria de Estado da Cultura havia concedido a 30 grupos de universidades espanholas para projetos de arqueologia. Em Castilla-La Mancha, o Governo anunciou há pouco tempo o fechamento de quatro principais parques arqueológicos e, em Alicante, o projeto sobre o conjunto islâmico de Castellar d’Elx já tem dois anos parado por cortes. Eles são apenas um exemplo de que há de somar, no setor privado, que no ano passado foram construídas menos de 10% das 865 mil casas que foram construídas em 2006, o máximo histórico, as contas não saem agora para esse setor cultural.

Empresas sem atividade

De acordo com dados provisórios, que está começando a mostrar a segunda edição da pesquisa da CSIC, desapareceram 35% das 273 empresas de arqueologia contabilizadas em 2009. Um dado preocupante que, de toda forma, não é representativo da realidade, pois muitos arqueólogos mantém seus negócios abertos, mas sem atividade. “Recentemente, uma arqueóloga me disse que não tinha nenhum trabalho contratado, embora não havia fechado a sua empresa“, diz o presidente da Associação dos Arqueólogos Madrid.

Ninguém constrói. Há até mesmo intervenções arqueológicas que estavam projetadas e foram colocados em espera. E tem havido casos de construtoras falirem e deixarem empresas de arqueologia estagnadas com 100.000 ou 200.000 euros de dívida uma vez terminada a escavação“, acrescenta Almansa, agora dedicado principalmente à publicação de livros sobre arqueologia, como Indiana Jones sem futuro (JAS, 2012).

Essa falta de perspectiva é justamente a conseqüência mais imediata para milhares de arqueólogos que têm ido ao desemprego e aos poucos que, pelo menos, têm encontrado trabalho em outros setores que não têm nada a ver com o seu. Um desses casos é Miguel Angel Diaz, um arqueólogo de Madrid, 39 anos, que teve mais de uma década se envolvendo de uma escavação a outra, em algumas delas, como diretor, e agora trabalha em um bar de cocktails no fim de semana, enquanto organiza altruisticamente uma conferência sobre a Guerra Civil em Pinto, na Espanha.

Ele foi demitido de sua último empresa há algumas semanas “por motivos relacionados com a crise“, quando ele foi realizar um monitoramento arqueológico entre Ciudad Real e Cuenca, cobrando menos de US$ 1.000, apesar de ter que viver longe de casa. “Nós dependíamos de uma concessão da União Europeia que foi retirada, e quando os conselhos afetados pelo trabalho tiveram de arcar com os custos, não aceitaram e ficou paralisado“, disse Diaz, que, “embora esteja tentando não se resignar“, reconhece que das centenas de arqueólogos que ele conhece apenas “seis ou sete” permanecem no setor.

Menos dinheiro, piores resultados

Neste caos, há algo que preocupa os arqueólogos tanto quanto seu próprio emprego: as condições precárias em que se tem que realizar muitas das escavações. “As conseqüências da crise sobre os próprios sítios também são terríveis. Após a queda dos orçamentos, a qualidade da produção foi afetada. O arqueólogo tem que fazer o mesmo trabalho por sete anos, mas com menos material, menos pessoal e dentro de um tempo mais curto. Você não pode, por exemplo, realizar todas as datações que são necessárias, e isso significa que você perde um nicho de cultura“, enfatiza Del Pozo, que viu como  na última empresa que trabalhava, onde tinha cerca de 40 pessoas em folha de pagamento, e agora só resta o proprietário.

Na minha última empresa, eu tinha que trabalhar em condições precárias porque os orçamentos caíram 30%. Isso afetou análises como a de carbono 14 ou dendrocronologia. A situação da arqueologia desde 2008 até agora é muito pobre e tem muitos votos para desaparecer“, diz Paulo Guerra, outro dos arqueólogos que acaba de ser demitido, depois de oito anos trabalhando em uma empresa que tinha mais de 100 arqueólogos contratados durante as obras do M-30, e agora só tem seis. Seu pecado, a não aceitar uma redução de 28% de um salário de 1.300 euros por mês que lhe haviam convertido em mileurista, tendo que trabalhar fora Madrid. E isso depois de ver como sua esposa, também uma arqueóloga, teve que sair um par de anos atrás, porque não havia trabalho. “Estes são exemplos de como a indústria é. Profissionais bem qualificados, que não podem dedicar-se ao que foram preparados ou cobrando 800 euros líquidos. Me parece uma autêntica vergonha“, critica.

Guerra acaba de capturar todas essas experiências em seu primeiro romance, El Hallazgo, que narra as aventuras de um doutor de História, Lancaster William, que cumpre seu sonho de ser um arqueólogo e, ao longo do tempo, é desencantado com a profissão . “Hoje Lancaster não estaria trabalhando, mas vai continuar à procura de trabalho. Não desista. No meu caso, por enquanto eu vou a Florença para tomar a minha tese e no próximo ano nos Estados Unidos para tentar trabalhar“, conclui.

————————————————-

Para entender melhor o assunto

A bolha imobiliária, na Espanha: http://www.abc.es/20110527/economia/abci-espanistan-teoria-burbuja-inmobiliaria-201105271540.html

E empresa de Arqueologia JAS: http://www.jasarqueologia.es/

A crise do Tijolo, na Espanha: http://www.abc.es/economia/20130418/rc-viviendas-espanolas-estaban-vacias-201304181248.html

Indiana Jones sem futuro: http://www.abc.es/20120614/cultura-libros/abci-indiana-jones-futuro-201206141547.html

O livro de Pablo Guerra Garcia, El Hallazgo (O Achado): http://www.casadellibro.com/libro-hallazgo/9788493929565/2067651

Texto original em espanhol: http://www.abc.es/cultura/20130715/abci-crisis-arqueologia-espana-construccion-201307111215.html

Twitter do autor, Israel Viana: https://twitter.com/isra_viana

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 15/07/2013 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: