Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Sepultamentos de crianças de 11.500 anos atrás foram encontradas no Alaska

Os restos mortais de duas crianças da Era do Gelo, enterrados ha mais de 11.000 anos atrás, em um sítio arqueológico no Alasca, representam os humanos mais antigos já encontrados no norte da América do Norte, de acordo com um novo estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Professores Ben Potter and Josh Reuther, da University of Alaska Fairbanks, escavando sepultamento do sítio arqueológico Upward Sun River. Crédito: Foto cortesia de Ben Potter parao Science Daily

O sítio e seus vestígios fornecem novos dados sobre práticas funerárias e outros aspectos de vida (raramente preservados) entre as pessoas que habitavam a área há milhares de anos atrás, de acordo com Ben Potter, um pesquisador da Universidade de Alaska Fairbanks e principal autor do artigo.

Potter liderou a equipe de arqueólogos que fizeram a descoberta em 2013, uma escavação do sítio Upward Sun River (Rio do Sol Ascendente), perto do Rio Tanana no centro do Alasca. Os pesquisadores trabalharam em estreita colaboração com organizações tribais nativas locais e regionais enquanto eles realizavam suas pesquisas. A National Science Foundation financiou o trabalho.

Potter e seus colegas observam que os restos humanos e oferendas funerárias associadas, bem como as inferências sobre a época do ano em que as crianças morreram e foram enterradas, podem levar a novas formas de pensar sobre o quão antigamente as sociedades foram estruturadas, as tensões que enfrentaram quando tentavam sobreviver, como eles trataram os membros mais jovens de sua sociedade, e como eles viam a morte e a importância dos rituais a ela associados.

Potter fez as primeiras descobertas no sítio em 2010, quando os restos cremados de outra criança de 3 anos de idade foram encontrados. Os ossos das duas crianças foram encontrados em uma cova diretamente abaixo de uma área de uma fogueira.

Sem título

A: Localização do sítio no Alaska, B: Localização das fogueiras. C: Demarcação dos esqueletos com acompanhamentos associados. D: Vestígios humanos in situ. Fonte: Potter et al (2014)

Tomados coletivamente, esses enterros e cremações refletem comportamentos complexos relacionados com a morte entre os primeiros habitantes da América do Norte“, disse Potter.

No artigo, Potter e seus colegas descrevem ter escavado os restos mortais das duas crianças em uma cova sob uma estrutura de fogueira cerca de 15 centímetros abaixo do nível da descoberta de 2010. As datas radicarbônicas dos restos recém-descobertos são idênticos aos da descoberta anterior – cerca de 11.500 anos atrás – indicando um curto período de tempo entre o sepultamento e cremação, talvez uma única temporada.

Também eram encontradas dentro dos enterros oferendas sem precedentes. Entre elas estavam pontas de pedra lascada e chifres de veado associados decorados com linhas incisas abstratas, representando alguns dos mais antigos exemplos de armas compostas encabadas na América do Norte.

Sem título

Chifres de veados bibiselados (pontiagudos nas duas extremidades) decoradas, e bifaces líticos associados (nota: as pontas bifaciais mostradas acima estão associadas aos chifres).

A presença de pontas encabadas pode refletir a importância dos instrumentos de caça na cerimônia de sepultamento e com a população como um todo“, as notas de papel.

Os pesquisadores também examinaram os restos dentários e esqueléticos para determinar a idade provável e sexo dos bebês no momento da morte: um sobreviveu à luz por algumas semanas, enquanto o outro morreu no útero. A presença de três mortes em um único grupo de forrageiros altamente móveis pode indicar estresse dos recursos, tais como a escassez de alimentos, entre esses primeiros americanos.

Tais achados são valiosos para a ciência porque, exceto em circunstâncias especiais, como as descritas no artigo, há pouca evidência direta sobre organização de práticas mortuárias e sociais de tais culturas humanas antigas, que não possuíam linguagem escrita.

Os artefatos – incluindo a pontas de projéteis, e vestígios animais e vegetais – também podem ajudar a construir um quadro mais completo das sociedades humanas antigas, como elas foram estruturadas, e como sobreviveram às mudanças climáticas no final da última grande Era do Gelo. A presença de dois eventos de sepultamento – os bebês e as crianças enterradas cremadas – dentro da mesma habitação também pode indicar uma ocupação residencial de prazo relativamente mais longo no sítio do que o anteriormente esperado.

Os vestígios de peixe do tipo salmão e esquilos terrestres na cova dos sepultamentos indicam que o local foi provavelmente ocupado por caçadores-coletores, entre junho e agosto.

As mortes ocorreram durante o verão, um período de tempo em que a abundância e diversidade de recursos regionais era elevada e o estresse nutricional deveria ser baixo, o que sugere níveis mais elevados de mortalidade do que o esperado na nossa compreensão atual de estratégias de sobrevivência desse período“, dizem os autores.

Fonte: Science Daily

Artigo original no PNAS: New insights into Eastern Beringian mortuary behavior: A terminal Pleistocene double infant burial at Upward Sun River

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 12/11/2014 por em Artigos, Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: