Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Paleodieta: Como os Caçadores-Coletores se alimentam?

Por Ferris Jabr, da Scientific American.

Picture4 11

Conheça Grok (imagem acima): http://www.marksdailyapple.com/about-2/who-is-grok/#axzz2RD8Fzcjo

De acordo com o seu perfil on-line (link acima), ele é um homem alto, magro, e ágil  de 30 anos de idade. Por qualquer medida, Grok tem uma saúde excelente: pressão arterial baixa, sem inflamação, os níveis ideais de insulina, glicose, colesterol e triglicérides. Ele e sua família comem de forma muito saudável também. Eles reúnem sementes selvagens, ervas e nozes, legumes sazonais, raízes e frutos. Eles caçam e pescam sua própria carne. Em meio ao forrageamento, a construção de abrigos resistentes a partir de materiais naturais, a coleta de lenha e  a caça de perigosos predadores muito maiores do que ele, a vida de Grok é árdua, perigosa e exigente fisicamente. No entanto, de alguma forma, ele é um cara livre de estresse que sempre consegue dormir o suficiente e encontra tempo para desfrutar de momentos de tranquilidade ao lado de riachos borbulhantes. Ele é perfeitamente adaptado ao seu ambiente em todos os sentidos. Ele é totalmente zen.

Aparentemente, Grok é um “caçador-coletor bastante típico”, vivendo antes do início da agricultura, um “protótipo oficial primal” – a pessoa modelo para o blogueiro e autor de “Primal Blueprint”, Mark Sisson – um conjunto de diretrizes que “permite-lhe controlar a forma como seus genes se expressam, a fim de construir um corpo mais saudável, mais magro, mais forte possível, tomando notas da biologia evolucionista (essa é a parte primal).” Essas diretrizes incorporam muitos princípios da dieta do que é mais comumente conhecido como o Paleolítico, ou dieta do homem das cavernas, que começou a aguçar o apetite das pessoas tão cedo quanto na década de 1960 e está disponível em diversos sabores hoje.

Os defensores da paleodieta seguem um plano nutricional com base nos hábitos alimentares dos nossos antepassados ​​no período paleolítico, entre 2,5 milhões e 10.000 anos atrás. Antes de agricultura e indústria moderna, os seres humanos provavelmente viveram como caçadores-coletores: Colhendo frutos de arbustos; desenterrando tubérculos, perseguindo os mamíferos até o ponto de exaustão, processando carne, gordura e órgãos de animais predadores maiores que eles mataram, e, eventualmente, aprendendo a pescar com linhas e anzóis e caçando com lanças, redes, arcos e flechas.

Os seguidores da Paleodieta de hoje não fazem nada disso, com exceção de viagens de caça ocasionais ou um pouco de forrageamento urbano. Em vez disso, sua dieta é amplamente definida por aquilo que eles não fazem: a maioria não come laticínios ou grãos processados ​​de qualquer tipo, porque os seres humanos não inventaram tais alimentos até depois do Paleolítico, amendoim, lentilha, feijões, ervilhas e outras leguminosas estão fora do menu, mas nozes tudo bem; a carne é consumida em grandes quantidades, muitas vezes cozidas em gordura animal de qualquer espécie; os seguidores da paleodieta às vezes comem fruta e muitas vezes devoram vegetais; açúcares processados ​​são proibidos, mas um pouco de mel de vez em quando é bom.

Números quase iguais de defensores e críticos parecem ter se reunido na mesa de jantar da Paleodieta e ambas os lados têm alguns membros particularmente ferozes. Críticas da gama da paleodieta vão de moderadas – Eh, certamente não é a pior maneira de comer – a mordazes – É insensato e às vezes perigosamente restritivo. Mais recentemente, em seu livro Paleofantasy, a bióloga evolucionista  Marlene Zuk, da Universidade da Califórnia, Riverside, desmascara o que ela identifica como mitos centrais para a paleodieta e o movimento do paleo estilo de vida.

A maioria dos nutricionistas consente que a paleodieta tem ao menos uma coisa certa – cortar os alimentos processados ​​que foram altamente modificados a partir de seu estado bruto através de vários métodos de conserva. Exemplos incluem pão branco e outros produtos de farinha refinada, queijo artificial, alguns frios e carnes embaladas, batata frita e cereais açucarados. Tais alimentos processados, muitas vezes oferecem menos proteínas, fibras e ferro do que seus equivalentes não aduleterados, e alguns estão cheios de sódio e conservantes que podem aumentar o risco de doenças cardíacas e certos cânceres.

Mas as proibiçõesda paleodieta são mais do que apenas junk food altamente processada – em sua forma mais tradicional, ela proíbe qualquer tipo de alimento indisponível para caçadores-coletores da idade da pedra, incluindo laticínios ricos em cálcio, grãos repletos de fibras e vitaminas e legumes embalados com proteína. A justificativa para tal restrição – na verdade, toda a premissa da paleodieta –  é, na melhor das hipóteses, apenas metade correta. Como o corpo humano adaptou-se à vida na idade da pedra, argumentam os seguidores da paleodieta, – e porque a nossa genética e anatomia mudaram muito pouco desde então – eles dizem que devemos imitar a dieta dos nossos ancestrais, tanto quanto possível, a fim de sermos saudáveis . Obesidade, doenças cardíacas, diabetes, câncer e muitas outras doenças “modernas”, o raciocinam, resultam principalmente da incompatibilidade de nossa anatomia da idade da pedra com a nossa forma contemporânea de comer.

A dieta tem sido uma parte importante da nossa evolução – como é para todas as espécies –  e nós herdamos muitas adaptações de nossos ancestrais. Entender como nós evoluímos poderia, em princípio, ajudar-nos a fazer escolhas dietéticas mais inteligentes hoje. Mas a lógica por trás da paleodieta falha de diversas maneiras: fazendo divinação de uma fatia específica de nossa história evolutiva, insistindo que são biologicamente idênticos aos seres humanos da idade de pedra, e negando os benefícios de alguns dos nossos métodos mais modernos de comer .

” ‘Paleofantasies’ trás à mente uma época em que tudo sobre nós –  o corpo, a mente e o comportamento – estava em sintonia com o meio ambiente… mas essa época não existiu”, Zuk escreveu em seu livro.” Nós e todos os outros seres vivos temos sempre cambaleado ao longo do tempo evolutivo, com as inevitáveis ​​compensações que são a marca registrada da vida.

Em seu site, Sisson escreve que “enquanto o mundo mudou de inúmeras maneiras nos últimos 10.000 anos (para melhor ou pior), o genoma humano mudou muito pouco e, portanto, só se desenvolve em condições semelhantes.” Isso simplesmente não é verdade. Na verdade, esse raciocínio desconhece como a evolução funciona. Se os seres humanos e outros organismos só poderiam prosperar em circunstâncias semelhantes às de seus antecessores, a vida não teria durado muito tempo.

Vários exemplos de recente e relativamente rápida evolução humana ressaltam que nossa anatomia e a genética não foram definidas desde a idade da pedra. Dentro de um período de 7000 anos, por exemplo, as pessoas adaptaram-se para comer laticínios, através do desenvolvimento de tolerância à lactose. Normalmente, o gene que codifica uma enzima chamada lactase – que quebra os açúcares de lactose no leite – se desliga após a infância; quando o leite tornou-se predominante, muitas pessoas desenvolveram uma mutação que manteve o gene ligado ao longo da vida. Da mesma forma, a mutação genética responsável por olhos azuis possivelmente surgiu entre 6.000 e 10.000 anos atrás. E em regiões onde a malária é comum, a seleção natural tem modificado o sistema imunológico das pessoas e das células vermelhas do sangue de forma a ajudá-los a resistir à doença transmitida por mosquitos; algumas dessas mutações genéticas apareceram nos últimos 10.000 ou até 5.000 anos. Os organismos com os quais partilhamos nossos corpos evoluíram ainda mais rápido, especialmente os milhares de milhões de bactérias que vivem em nossos intestinos. Nossos bactérias do intestino interagem com a nossa comida, em muitos aspectos, nos ajudando a quebrar as fibras das plantas resistentes, mas também competindo por calorias. Nós não temos evidência direta de que espécies de bactérias prosperaram nos intestinos do Paleolítico, mas podemos ter certeza de que suas comunidades microbianas não correspondem exatamente a nossa.

Mesmo que comer apenas alimentos disponíveis para os caçadores-coletores do Paleolítico fizesse sentido, seria impossível. Como Christina Warinner da Universidade de Zurique, enfatiza em sua palestra de 2012 (vídeo no final do texto), quase todas as espécies comumente consumidas hoje – seja fruta, vegetal ou animal – são drasticamente diferentes das suas ancestrais do Paleolítico. Na maioria dos casos, temos transformado as espécies que ingerimos através da seleção artificial: temos criado vacas, galinhas e cabras para fornecer o máximo de carne, leite e ovos possível e semeamos apenas plantas com características mais desejáveis, com a maioria das frutas, as grandes amêndoas, as carne mais doces e o menor número de toxinas naturais. Repolho, brócolis, couve-flor, couve de Bruxelas e couve são todos diferentes cultivos de uma única espécie, Brassica oleracea; geração por geração, nos reformulamos suas folhas, caules e flores em diferentes arranjos, da mesma forma que nós criamos os corgis galês, pugs , dachshunds, são bernardos e galgos de uma única espécie de lobo. O milho foi uma vez uma grama rala conhecida como teosinto e tomates eram frutos muito menores. E os ancestrais selvagens das bananas eram repletas de sementes.

A paleodieta não só não entende como a nossa própria espécie, os organismos dentro de nossos corpos e os animais e plantas que comemos, têm evoluído ao longo dos últimos 10.000 anos; ela também ignora grande parte das evidências sobre a saúde dos nossos antepassados durante a sua  frequentemente baixa  expectativa de vida (mesmo que uma minoria dos nossos antepassados completasse 40 anos ou mais, muitas crianças provavelmente morreram antes dos 15 anos). Em contraste com o Grok, nem caçadores-coletores e nem nossos ancestrais mais recentes foram imunes a todas as doenças. Um estudo recente na revista The Lancet (link para acesso ao artigo no final do texto) procurou sinais de aterosclerose das artérias entupidas de colesterol e gorduras em mais de uma centena de múmias antigas das sociedades agricultoras, forrageiras e caçadoras-coletoras em todo o mundo, incluindo o Egito, Peru, o sudoeste dos EUA e as Ilhas Aleutas. “Uma suposição comum é a de que a aterosclerose é frequentemente relacionada ao estilo de vida, e se os seres humanos modernos pudessem imitar estilos de vida pré-industriais, ou mesmo pré-agrícolas, a aterosclerose, ou pelo menos as suas manifestações clínicas, seria evitada“, escreveram os pesquisadores. Mas eles encontraram evidências de aterosclerose provável ou definitiva em 47 de 137 múmias de cada uma das diferentes regiões geográficas. E mesmo se a doença cardíaca, câncer, obesidade e diabetes não eram tão comuns entre os nossos predecessores, eles ainda enfrentam inúmeras ameaças à sua saúde que o saneamento moderna e a medicina tornaram insignificantes para as pessoas em países industrializados, tais como infestações de parasitas e certas bactérias letais e infecções virais.

Alguns seguidores da paleodieta enfatizam que nunca acreditaram em um verdadeiro estilo de vida ou dieta do homem das cavernas e que – ao estilo do Blueprint de Sisson – eles usam nosso passado evolutivo para formar diretrizes, não escrituras. Essa estratégia parece razoavelmente sólida no início, mas rapidamente se desintegra. Mesmo que os pesquisadores saibam o suficiente para fazer algumas generalizações sobre a dieta humana no Paleolítico, com razoável certeza, os detalhes permanecem obscuros. Exatamente quais proporções de carne e legumes as diferentes espécies de hominídeos comiam no Paleolítico? Não está claro. Desde quando os nossos antepassados ​​comiam grãos e laticínios? Talvez até mais antigamente do que inicialmente se pensava. O que podemos dizer com certeza é que no Paleolítico, a dieta humana variou imensamente pela geografia, estação e oportunidade. “Sabemos agora que os seres humanos evoluíram para não subsistir com uma único dieta do paleolítico, mas sendo comedores flexíveis, uma visão que tem implicações importantes para o debate atual sobre o que as pessoas hoje em dia devem comer, a fim de serem saudáveis“, escreveu o antropólogo William Leonard de Northwestern University, na revista Scientific American em 2002.


Variação geográfica da dieta de caçadores-coletores

Não podemos viajar no tempo e reunir os nossos ancestrais em volta da fogueira, enquanto se preparam para comer; contudo, cacos de cerâmica antiga e dentes fossilizados podem nos dizer muita coisa. Se compararmos as dietas dos chamados caçadores-coletores modernos, no entanto, vemos o quão difícil é encontrar semelhanças significativas e extrair orientações dietéticas úteis de suas diferentes vidas(veja infográfico acima). Qual tribo de caçadores-coletores que devemos imitar, exatamente? Como conciliar a dieta Inuit  baseada principalmente na carne de mamíferos marinhos, com a mais variada dieta de plantas e de animais terrestres de Hadza e !Kung? Lançando diversas dietas caçadoras-coletoras em um liquidificador para chegar a algum tipo de batida excelente é um pouco ridículo. “Muitas vezes os problemas de saúde modernos são retratados como o resultado de comer alimentos ‘ruins’ que são desvios da dieta natural do ser humano … Esta é uma abordagem fundamentalmente falha para avaliar as necessidades nutricionais humanas“, escreveu Leonard. “Nossa espécie não foi projetada para subsistir com uma dieta única, ideal. O que é notável sobre os seres humanos é a extraordinária variedade do que comemos. Temos sido capazes de prosperar em quase todos os ecossistemas da Terra, consumindo dietas variando de quase todos os alimentos de origem animal entre as populações do Ártico, para tubérculos e grãos de cereais entre as populações dos Andes“.

Examinar de perto um grupo de caçadores-coletores modernos – os Hiwi – revela quanta variação existe dentro da dieta de uma única sociedade pequena de forrageamento e esvazia a noção de que os caçadores-coletores têm uma saúde impecável. Esse exame também torna evidente a imensa diferença entre uma verdadeira comunidade de forrageiros e e seguidores da paleodieta que vivem em cidades modernas, seletivamente comprando em mercados de agricultores e certificando-se que o molho sobre a salada é livre de glúten, açúcar e laticínios.

The Hiwi Diet

What a group of hunter-gatherers in Colombia and Venezuela eat

Sem título

Ilustração por Marissa Fessenden – O que os Hiwi, caçadores-coletores da Colômbia, comem

Pela mais recente contagem, cerca de 800 Hiwi vivem cabanas de palha na Colômbia e na Venezuela. Em 1990,  Ana Magdalena Hurtado e Kim Hill – agora ambos da Universidade do Arizona em Tempe – publicou um estudo completo (disponível para download no link no final do texto) da dieta Hiwi nas savanas neotropicais da bacia do rio Orinoco no sudoeste da Venezuela. Vastas pastagens com cintos de floresta, essas savanas recebem muita chuva entre maio e novembro. De janeiro a março, no entanto, a precipitação é rara: as gramíneas murcham, enquanto lagos e lagoas evaporam. Peixe ficam presos em pequenas poças de água e são alvos fáceis para os jacarés, capivaras e tartarugas. Por sua vez, os lagos dessecantes se tornam território principal de caça para os Hiwi. Durante a estação chuvosa, porém, o Hiwi caçam principalmente os animais na floresta, usando arcos e flechas.

O Hiwi reúnem e caçam um grupo diversificado de plantas e animais das savanas, florestas, rios e pântanos. Suas principais fontes de carne são capivara, cateto, veado, tamanduá, tatu, e bovinos selvagens, inúmeras espécies de peixes, e pelo menos algumas espécies de tartarugas. Animais menos comumente consumidos incluem iguanas e os lagartos de savana, coelhos selvagens, e muitos pássaros. Não é exatamente o tipo de carne que os seguidores da paleodieta e outros em áreas urbanas podem facilmente obter.

Cinco raízes, tanto amargas e doces, são alimentos básicos na dieta Hiwi, assim como as nozes de palmeiras e palmitos, várias frutas diferentes, uma leguminosa selvagem chamado Campsiandra comosa, e mel produzidos por várias espécies de abelhas e às vezes por vespas. Algumas famílias Hiwi guardam pequenos campos, dispersos e em grande parte improdutivos, de banana, milho e abóbora. Nas fazendas de gado vizinhas em uma cidade a cerca de 30 quilômetros de distância, alguns Hiwi compram arroz, macarrão, farinha de milho e açúcar. Os antropólogos e turistas também têm dado aos Hiwi alimentos processados ​​semelhantes aos presentes.

Hill e Hurtado calcularam que os alimentos caçados e recolhidos na selva contam com 95% da ingestão calórica total dos Hiwi; os 5% restantes vem da loja, bens comprados, e das frutas e abóboras recolhidas dos pequenos campos dos Hiwi. Eles contam mais com os bens adquiridos durante o pico da estação seca.

O Hiwi não são particularmente saudáveis. Comparado com os Ache, uma tribo de caçadores-coletores no Paraguai, o Hiwi são mais baixos, mais magros, mais letárgicos e menos bem nutridos. Homens e mulheres Hiwi de todas as idades, constantemente reclamam de fome. Muitos Hiwi estão fortemente infectados com parasitas ancilostomídeos, que se alojam no intestino delgado e se alimentam de sangue. E apenas 50% das crianças Hiwi sobrevivem para além da idade de 15 anos.

Solte Grok no meio Hiwi, ou de fato insira qualquer homem moderno ou antigo caçador-coletor nessa sociedade e ele seria uma aberração completa. Grok não pode nos ensinar como viver ou comer, ele nunca existiu. Viver fora da terra ou restringir-se aos alimentos disponíveis antes da agricultura e da indústria não garante uma boa saúde. O corpo humano não é simplesmente uma coleção de adaptações à vida no Paleolítico, seu legado é muito maior. Cada um de nós é um conjunto dinâmico de traços herdados que foram otimizados, transformados, perdidos e recuperados desde o início da própria vida. Tais mudanças não cessaram nos últimos 10.000 anos.

Em última análise, independentemente da sua intenção, a paleodieta é fundada mais em privilégio do que na lógica. Caçadores-coletores do Paleolítico caçavam e coletavam porque precisavam. Seguidores da paleodieta tentar comer como caçadores-coletores porque querem.

FONTE: Scientific American

————————————————————————–

PARA SABER MAIS

Palestra de Christina Warinner: 

Link de acesso ao artigo de Thompson sobre arterosclerose: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23489753

Download do artigo de Ana Magdalena Hurtado e Kim Hil (1990) em PDF: 1990 Seasonality in a Foraging Society- Variation in Diet, Work Effort, Fertility, and Sexual Division of Labor Among the Hiwi of Venezuela

Texto sobre a adaptação aos alimentos cozidos: https://arqueologiaeprehistoria.com/2013/06/06/evolucao-humana-por-que-o-fogo-nos-torna-humanos/

Texto sobre a dieta hominídea há 3,5 milhões de anos atrás: https://arqueologiaeprehistoria.com/2013/06/04/paleoantropologia-a-dieta-hominidea-mudou-ha-cerca-de-35-milhoes-de-anos-atras/

Texto sobre a amamentação em Neandertais: https://arqueologiaeprehistoria.com/2013/05/22/dentes-infantis-revelam-habitos-de-amamentacao-neandertal/

Matéria publicada pela revista Época em fevereiro de 2014 sobre a “dieta paleolítica”: http://epoca.globo.com/vida/vida-util/saude-e-bem-estar/noticia/2014/02/dieta-bpaleoliticab.html

Capa - Edição 819 (home) (Foto: ÉPOCA)

Anúncios

2 comentários em “Paleodieta: Como os Caçadores-Coletores se alimentam?

  1. Pingback: Humanos começaram a usar o fogo REGULARMENTE há 350 mil anos atrás em Israel | Arqueologia e Pré-História

  2. Pingback: Arqueologia Experimental: Experimentando a Vida dos Nossos Ancestrais | Arqueologia e Pré-História

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 14/06/2013 por em Artigos, Reportagens.

Siga-nos no Facebook, e acesse mais conteúdo

Siga-nos no Twitter

%d blogueiros gostam disto: