Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

Arqueologia dos Gestos Corporais: A Evolução da Linguagem

Por  , da Smithsonian Magazine

Baby chimp

Treze anos após o lançamento de A Origem das Espécies, Charles Darwin publicou outro relatório sobre a evolução da humanidade. Em 1872 o livro A Expressão das Emoções no Homem e nos Animais, o naturalista discute que pessoas de diferentes culturas apresentam qualquer emoção através da mesma expressão facial. Esta hipótese não chegou a vingar – no ano passado, pesquisadores cutucaram um buraco na idéia, mostrando que a expressão de emoções: como raiva, felicidade e medo não era universal (link para download do artigo no fim do texto). No entanto, certas coisas básicas, tais como a necessidade urgente de gritar de dor, um aumento da pressão arterial quando sentir raiva, ou mesmo encolhendo quando não entender alguma coisa atravessa culturas.

Um novo estudo, publicado na revista Frontiers in Psychology, compara tais respostas involuntárias, mas com um toque adicional: Alguns não são apenas comportamentos observáveis ​​universais da espécie humana, mas nos nossos parentes mais próximos, os chimpanzés e os bonobos, também.

Utilizando a análise de vídeo, uma equipe de pesquisadores da UCLA descobriram que bebês humanos, chimpanzés e bonobos fazem gestos similares ao interagir com os que cuidam deles. Membros de todas as três espécies alcançam objetos ou pessoas com os braços e as mãos, e apontam com os dedos ou cabeças. Eles também levantam os braços para cima, num movimento que indica que eles querem ser apanhados, da mesma maneira. Tais gestos, que parecem ser inatos em todas as três espécies, precedem e, eventualmente, levam ao desenvolvimento da linguagem nos seres humanos, dizem os pesquisadores.

Para registrar esses comportamentos, a equipe estudou bebês das três de diferentes espécies através de vídeo feito ao longo de vários meses. As estrelas crianças desses vídeos incluíram um chimpanzé chamado Panpanzee, uma bonobo chamada Panbanisha e uma garota humana, identificada como GN. Os macacos foram criados juntos no Centro da Georgia State University Language Research em Atlanta, onde pesquisadores estudam linguagem e processos cognitivos em chimpanzés, macacos e seres humanos. Lá, Panpanzee e Panbanisha foram ensinados a se comunicar com seus cuidadores humanos usando gestos, ruídos e lexigramas – símbolos abstratos que representam palavras. A criança humana cresceu na casa de sua família, onde seus pais facilitaram seu aprendizado.

Os pesquisadores filmaram o desenvolvimento da criança por sete meses, a partir de quando ela tinha 11 meses de idade, enquanto os macacos foram filmados a partir de 12 meses de idade para 26 meses. Nos estágios iniciais do estudo, os gestos observados foram de natureza comunicativa: as três crianças envolvidas no comportamento com a intenção de transmitir como as suas emoções e necessidades. Eles fizeram contato visual com seus cuidadores, acrescentaram vocalizações não-verbais de seus movimentos ou exerceram esforço físico para obter uma resposta.

Na segunda metade do experimento, a produção de comunicação com símbolos visuais para os macacos, e de vocais para a ser humana eram maiores. Na medida que ela crescia, a criança humana começou a usar palavras mais faladas, enquanto o chimpanzé e o bonobo aprenderam e utilizaram mais lexigramas. Eventualmente, a criança começou a falar para transmitir o que sentia, ao invés de apenas gesticulando. Os macacos, por outro lado, continuavam a contar com os gestos. O estudo chama essa divergência no comportamento “a primeira indicação de um caminho distinto da linguagem humana.”

Os pesquisadores especulam que os comportamentos correspondentes podem ser rastreados para o último ancestral comum de humanos, chimpanzés e bonobos, que viveram entre quatro e sete milhões de anos atrás. Esse antepassado provavelmente exibia os mesmos gestos iniciais, que foi, então, herdada por todas as três espécies. Quando as espécies divergiram, os seres humanos conseguiram construir essa capacidade comunicativa para eventualmente desenvolver a linguagem.

Pistas disso podem ser vistas na forma como a criança humana combina gestos com vocalizações não-faladas, os precursores de palavras, muito mais do que os macacos fazem. É esta combinação bem sucedida de gestos e palavras que podem ter levado ao nascimento da linguagem humana.

FONTE: Smithsonian

————————-

Link para download o artigo sobre expressões faciais: http://perso.unifr.ch/roberto.caldara/pdfs/jack_12.pdf

Link para acesso ao artigo sobre os gestos e a linguagem: http://www.frontiersin.org/Comparative_Psychology/10.3389/fpsyg.2013.00160/abstract

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 08/06/2013 por em Artigos, Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: