Arqueologia e Pré-História

Desde 2013 colaborando com a educação e informação ao grande público sobre arqueologia e pré-história em língua portuguesa. Notícias, artigos, eventos, e muito mais! (Este site NÃO possui fins lucrativos).

O uso de LIDAR para descoberta de uma cidade perdida próxima a Angkor Wat (Camboja)

Por Lindsay Murdoch, do The Age e da Fairfax Media.

Sem título

Sem título

Sem título

Sem título

Sem título

Arranhado e exausto, Damian Evans empurrado através da densa selva cambojana para uma clareira onde os aldeões da montanha há muito tempo tentaram cultivar arroz, pisando em um monte coberto de algas.

Bingo“, disse o arqueólogo australiano quando ele pegou e analisou um bloco antigo de arenito. “Este é um templo desmoronado que fazia parte de uma movimentada civilização que existia 1.200 anos atrás… parece que os saqueadores não sabiam que ele estava aqui”, disse ele.

Durante as próximas horas, Evans e um pequeno grupo de arqueólogos cortaram através da selva cheia de minas terrestres espalhadas e avançaram através de rios caudalosos e pântanos para descobrir as ruínas de outros cinco templos anteriormente não contabilizados e evidências de antigos canais, diques e estradas, confirmando dados de uma revolucionária tecnologia de escaneamento a laser transportada pelo ar chamada LIDAR.

As descobertas combinaram anos de investigação arqueológica para revelar Mahendraparvata, uma cidade medieval perdida onde as pessoas viviam em uma montanha coberta de névoa chamada Phnom Kulen, 350 anos antes da construção do famoso complexo dos templos de Angkor Wat, no noroeste do Camboja.

Pesquisas posteriores identificaram mais de duas dezenas de sítios de templos escondidos. Evans, diretor do centro de pesquisa arqueológica no Camboja da Universidade de Sydney no Camboja, disse que o “momento eureka” na descoberta veio semanas antes, quando os dados do LIDAR apareceram na tela do computador. “Com este instrumento – BANG! – de repente vimos uma imagem imediata de uma cidade inteira que ninguém sabia que existia, que é simplesmente notável“, disse ele.

A buddha carved into a rock face at an ancient Cambodian city that was discovered using laser technology.

Um buda esculpido em uma rocha em uma antiga cidade do Camboja que foi descoberto usando a tecnologia laser. Foto: Nick Moir

Heng Heap, um perneta, fumante ex-soldado do Khmer Vermelho, guiou a expedição, cortando através do mato e contornando as minas terrestres na área onde ele conhece cada afloramento significativo, córregos e vales. Ferido em três explosões de minas terrestres e vestindo uma perna de plástico protética, Heng Heap disse que ficou surpreso quando os arqueólogos, usando coordenadas GPS, apontaram diretamente para sítios de templo que ele nunca soube que existia que foram enterrados ou escondidos pela floresta.

Eu sabia que algumas coisas estavam lá, mas não todas elas“, disse entre baforadas de um cigarro da aldeia.

A Fairfax Media registrou os arqueólogos percorrendo vários sítios para encontrar pedestais de templos desmoronados, que provavelmente foram saqueados séculos atrás. Guiados pelo GPS carregado com os dados do LIDAR, tropeçaram em pilhas de tijolos antigos. Eles descobriram dois sítios do templo onde há rochas esculpidas ou tijolos antigos que podem ser encontrados espalhados nas proximidades, indicando que eles nunca foram saqueadas. Eles também encontraram uma caverna com esculturas historicamente significativas que foi usada por eremitas santos, o que era comum durante o período de Angkor.

O LIDAR funciona disparando velozes pulsos de laser em uma paisagem com um sensor, medindo o tempo que leva para cada pulso para se recuperar. Ao repetir o processo, a tecnologia constrói uma imagem complexa do terreno. Em Phnom Kulen, os dados revelaram centenas de montes misteriosos de vários metros de altura em toda a cidade praticamente toda enterrada. Uma teoria não comprovada é que eles eram túmulos onde os mortos eram enterrados, mas pode haver muitas explicações. “Nós ainda estamos tentando descobrir o que essas coisas eram“, disse Evans.

Pode haver implicações para a sociedade de hoje… por exemplo, vemos na imagem que a paisagem era completamente desprovida de vegetação“, disse ele. “Uma teoria que estamos vendo é que o impacto ambiental grave do desmatamento e a dependência de gestão da água levou ao fim da civilização… Talvez isso tenha se tornado tão bem sucedido a ponto de se tornar incontrolável.”

Durante séculos a montanha de Phnom Kulen manteve-se um lugar sagrado, onde dezenas de milhares de peregrinos vêm a cada ano para banhos e realização de ritos espirituais. A pesquisa arqueológica de cavernas esculpidas e leitos de rios mostra quea área permaneceu ocupada durante todo o período de Angkor entre os séculos IX e XVI. Mas a tecnologia LIDAR confirmou que Mahendraparvata foi construído em Phnom Kulen antes de Jayavarman II descer da montanha para construir outra capital próxima de onde Angkor Wat está atualmente.

Este é o lugar onde tudo começou, dando origem à civilização Angkor que todo mundo associa com Angkor Wat“, disse Evans.

Archaeologists at the Cambodian site.

Arqueólogos no local do Camboja. Foto: Nick Moir

Construído ao longo de centenas de quilômetros quadrados, com uma população de centenas de milhares, talvez um milhão de pessoas, Angkor foi o maior complexo urbano de baixa densidade, pré-industrial do planeta, dominando o sudeste da Ásia por 600 anos.

De acordo com o estudioso chinês Zhou Daguan, que registrou a vida na então capital da planície entre 1294 e 1307, os governantes de Angkor presidiram civilizações baseadas em escravos, onde as pessoas ficavam nuas da cintura para cima, enroladas em um pano. Eles moravam em cidades prósperas, de baixa densidade, com canais aldeias e templos dedicados a um deus.

De acordo com escrituras antigas, um brâmane sacerdote ungiu Jayavarman II como um “monarca universal” em 802. Mas pouco se sabe sobre a cidade que ele presidiu.
Phnom Kulen foi coberta por selva por séculos até os madeireiros mudaram-se para a área na década de 1990, após anos de guerra civil. A área era um antigo reduto da Khmer Rouge, uma organização maoísta de influência que falhou espetacularmente em 1970 para repetir os resultados agrícolas do período de Angkor, causando a morte de mais de um milhão de pessoas por excesso de trabalho ou de fome, enquanto centenas de milhares de pessoas foram executadas.

A Aldeia de Heng Heap, chamada Anlong Thom, está no meio da cidade descoberta, mas nenhum dos 1.200 moradores sabiam disso. O australiano David Sandilands, trabalhando na aldeia para a Archaeological and Development Foundation, com base em Londres, disse que mais da metade dos moradores estavam desnutridos. “É difícil para os Khmers a pensar sobre a história quando têm o estômago vazio“, disse ele. Sandilands está mostrando aos aldeões como cultivar cogumelos que são altamente nutritivos e podem ser vendidos nos mercados. Ele disse que a vila é uma “sociedade fraturada”, mas ele espera que eles se beneficiem de pesquisa arqueológica intensificada na montanha, proporcionando trabalho e renda adicional. Mais de 25 moradores já estão empregados para limpar a vegetação e proteger os locais históricos da montanha.

Quando os sítios estão sendo escavado nos 37.500 hectares do parque nacional Kulen, a Archaeological and Development Foundation emprega mais de 100 pessoas, em sua maioria moradores locais. No entanto, o trabalho tem sido restrito pelas minas terrestres que foram colocadas indiscriminadamente através da montanha durante a guerra. Áreas em torno de conhecidos sítios históricos da montanha, acredita-se, terem sido absolvidos das minas, mas eles ainda representam um risco para os arqueólogos e moradores.

Local workers at the site of the find.

Trabalhadores locais no local da descoberta. Foto: Nick Moir

Agora, a tecnologia LIDAR está definida para substituir a necessidade de exploradores e cientistas que contam com o facão para limpar a densa vegetação que cobre os restos de civilizações. A tecnologia foi utilizada em 2009 para revelar uma agricultura extensiva em terraço e uma rede de estradas na antiga cidade maia de Caracol em Belize, na América Central. Ele também tem sido usado recentemente em Stonehenge e outros sítios arqueológicos europeus.

Quando Evans soube da tecnologia, ele ajudou a criar o Khmer Archaeology Lidar Consortium composto por oito organizações, incluindo a Archaeological and Development Foundation, a Cambodia’s APSARA National Authority e a University of Sydney’s Robert Christie Research Centre. O projeto foi uma aposta: a tecnologia nunca tinha sido usado para a pesquisa em arqueologia na Ásia tropical, seria necessária a mais ampla cooperação sempre entre os diversos grupos de arqueólogos de sete países que estão trabalhando no Camboja, e que custaria mais de um quarto de um milhão de dólares. Aprovação de alto nível teve que ser buscadas no governo de Phnom Penh. O consórcio contratou a empresa indonésia PT McElhanney para transportar uma Leica para o Camboja.

Ao longo de sete dias em intenso calor tropical, um helicóptero vermelho voando a 800 metros metodicamente atravessou 370 quilômetros quadrados de áreas florestais remotas do noroeste do Camboja. O instrumento coletou bilhões de pontos de dados e cerca de 5000 fotografias aéreas digitais que irão manter os arqueólogos ocupado durante anos.

Os membros da expedição “estilo Indiana Jones” combinava os resultados LIDAR percorrendo caminhos de cabras esburacadas profundas e pântanos até os joelhos depois de viajar em alta montanha em motos. Todos os envolvidos juraram segredo até que os resultados LIDAR fossem cientificamente revisados. Evans disse que ainda não se sabe o quão grande foi Mahendraparvata grande porque a busca LIDAR cobriu apenas uma área limitada.

A rede não pára na borda da área de pesquisa“, disse ele, acrescentando que o dinheiro está sendo levantado para futuras pesquisas. “Talvez o que estaejamos vendo não era a parte central da cidade, por isso há muito trabalho a ser feito para descobrir a extensão dessa civilização.”

FONTE: The Age

—————————————————

PARA SABER MAIS

Assista abaixo ao vídeo produzido pela Fairfax Media e pelo The Age:

Foto de Terence Carter

Um relato de novas descobertos em Angkor Wat, por Lara Dunston, na National Geographic (foto acima): http://natgeotraveller.co.uk/blog/cambodia-angkor-wats-new-discovery/

Anúncios

Um comentário em “O uso de LIDAR para descoberta de uma cidade perdida próxima a Angkor Wat (Camboja)

  1. Pingback: Arqueologia e Pré-História | Arqueologia Espacial e Tecnologias Modernas – O melhor momento na história para se tornar arqueólogo é agora (Indiana Jones que se morda)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 18/07/2013 por em Reportagens.
%d blogueiros gostam disto: